A última sexta-feira 13  mexeu com o lado, digamos, esotérico dos palhaços. A tão temida data – principalmente pelos gatos pretos -, tendo ocorrido justo em agosto, nos fez pensar se não seria o caso de adotar certos “procedimentos” para driblar o azar a má-sorte.

Como homens e mulheres da ciência, os besteirologistas não costumam acreditar em nada que não possa ser resumido em uma fórmula, explicado por um gráfico ou comprovado com um exame de Raio-X. Por outro lado, como homens e mulheres das artes, não podemos deixar de concordar com certo bardo que há muito tempo ponderou: “há mais mistérios entre o céu e a terra do que sonha nossa vã filosofia”.

Estando enfim em cima do muro, a meio caminho entre a luz da razão e o breu do desconhecido, confusos mesmo, divididos entre dois lados intrínsecos ao nosso métier, lembramo-nos dos sábios dizeres das nossas avós: “mal não vai fazer e ninguém precisa saber!” Só que nós achamos que você, querido leitor, precisa sim ter acesso a todo esse conhecimento (os Doutores da Alegria advertem: ao tentar reproduzir as experiências em casa, fica por sua conta e risco!).  Convidamos você a também compartilhar a sua simpatia infalível no nosso Livro de Visitas, vulgo área de ‘comentários". Quem sabe com um pouco de bom humor a gente não muda definitivamente a fama do mês do cachorro louco? Então bate na madeira e vamos lá!

De gatos pretos e maridos (Gyuliana Duarte/ Doutora Xuleta)

“Eu acredito nas crenças, crendices, bruxas, vampiros, curupira, saci-pererê, coelho da páscoa, super-homem e na Xuxa. Por isso sempre ando com cuidado e prevenida, principalmente no mês de desgosto, ops…agosto. 

Se eu vejo um gato preto, imediatamente solto três pulinhos, dou duas cambalhotas, pulo quatro vezes com uma perna só, grito “Sai de mim! Sai de mim!” duas vezes, belisco quem eu ver na minha frente, dou três cabeçadas na parede, rodo a baiana cinco vezes pra cada lado, arranco sete fios de cabelo, cada um dizendo um nome de um anão da Branca de Neve, jogo pro alto e no final pinto o gato com bolas brancas. Tudo isso para me trazer a tal da SORTE que dizem que é boa pra tudo, inclusive pra arranjar marido.

Ah!  Pra isso eu tenho uma simpatia ótima!Nada de colocar o Santo Antônio de cabeça para baixo no arroz não. A minha é tiro na queda. Ande sempre com uma cueca branca no bolso. Faça como eu, ando com a minha no bolso do jaleco. Na lua cheia durma com ela enrolada na cabeça e com o nome do pretendente escrito na testa. Só não esqueça de tirá-la no dia seguinte para trabalhar, se não ficará sem marido durante dez anos!”  

Santinha, me arranja um marido? Fritas “acompanha”! 

 

Caso verdade: simpatia para “matar” verrugas! (Raul Figueiredo/ Doutor Zappata Lambada)

“Eu já fiz e deu quase certo!

Primeiro tem que pegar um feijão e passar várias vezes sobre a verruga.
Ao passar tem que falar 3 vezes:

“Feijão,
Feijãozinho,
faça esse calombo
sumir todinho”

Depois pega o feijão, enrola num chumaço de algodão umedecido, coloca num frasco de vidro de remédio com tampa de plástico e enterra, de preferência debaixo da terra.

O feijão irá brotar e não terá para onde ir. Quando morrer sufocado, a verruga também morrerá Muah hahahaha (risada macabra).

Eu fiz. Depois de uns 10 dias ela ficou meio seca e escura, parecia uma pinta preta… Foi ficando pequena, pequenininha… mas não caia.
Então eu dei uma dentada e ela saiu!” 

 

Isso é azar ou sorte? (Cícero Silva/ Doutor Titetê)

Meu quarto é uma semisuíte – desculpem, eu não durmo no armário, nem na mala como muitos imaginam. Quem dorme na mala é o Doutor Titetê. A porta do quarto dá para o final de um corredor, onde à esquerda está a porta do banheiro. À frente, uma parede, onde coloquei um espelho bem grande, para me ver de corpo inteiro e afirmar o sorriso nosso de cada dia, logo pela manhã, quando acordo. Na esperança de ser um bom dia.

Diante do espelho digo a mim mesmo:

– Sorria Ciço. Deixe o mau-humor e o tédio no utensílio do banheiro. Olha as rugas!

E o dia começa lindo. Exceto às vezes, quando esqueço de tirar a colher da xícara do café e ela espeta meu olho e eu tenho que voltar para a frente do espelho, deixando à mesa mulher e filho às gargalhadas.

  

Supersticiosa, eu? (Christiane Galvan/ Doutora Crica Canaleta)

Andei pensando nessa questão de superstição e concluí que não sou supersticiosa.

Eu só acredito em horóscopo, em números da sorte, não passo debaixo de escadas, não durmo com porta de armário aberta e nem conto para os outros coisas boas que podem acontecer, porque se não, não acontecem!(Isso é o mais difícil de realizar). Ah, também acho importante usar calcinha nova em eventos especiais ou na virada do ano. Bem na virada do ano tem que acender umas velinhas pra agradecer e pedir, pular umas ondinhas e comer o máximo de lentilhas que conseguir, afinal, dinheirinho é sempre bem vindo! Fora essas coisinhas, não entro em nenhum palco de teatro se não for com o pé direito. Vale enganar, tropeçar ou pular, só pra não perder a chance de pisar com o pé direito no chão sagrado! Também não posso varrer o palco antes de me apresentar e nem deixar de fazer uma roda com os atores antes da apresentação, é lei!

Pena não poder ajudar vocês…

Mas se eu souber de alguém que é supersticioso, eu aviso!

 

Simpatia para se ter sorte no corpo todo. Funciona! (Janaína Morse/ Doutora Brisa)

Você, que está insatisfeita(o) com seu corpo, que já tentou de tudo, mas ainda não conseguiu ter o corpo dos seus sonhos: essa simpatia é pra você!

Uma vela branca

6 latas de leite condensado

1 kg de suspiro sabor limão

Um prato branco, fundo

Uma colher de sopa

Abra as 6 latas de leite condensado. Despeje-as no prato branco fundo. Quebre o suspiro todo e coloque por cima do leite condensado.

Acenda a vela branca.

Pegue a colher e comece a comer tudo o que tem no prato.

Importante: Tudo deve ser comido enquanto a vela queima. 

Repita essa simpatia durante 7 dias consecutivos e a repasse para 13 amigos, durante o mês de agosto.

Eu fiz e posso comprovar que dá certo. Veja com seus próprios olhos: 

ANTES:

 
DEPOIS:
 
 
 
 Cof-cof (Marcelo Marcon/ Doutor Mingal)
 

Como bom médico besteirologista, não poderia deixar de contribuir com a saúde brasileira ensinando uma simpatia para curar a bronquite de uma criança. 

Ingredientes: 

  • 08 Cebolas
  • Açúcar
  • Liquidificador
  • 14 colheres
  • Sereno

Modo de fazer:

Corte as cebolas em cruz; Pegue 14 colheres de açúcar e bata no liquidificador, até atingir a consistência de um xarope. Bater apenas o açúcar e não as colheres. Feito isso, pegue o xarope e deixe dormir no sereno (Lembrando que é a mistura que vai dormir no sereno e não a criança). Depois você dê uma colher de manhã e uma colher à noite para a criança de quem você quer curar a bronquite.

Observações: Muitas vezes pode acontecer dessa simpatia não funcionar de primeira. Não desista, continue fazendo até que ela desapareça (nesse caso pode ser a bronquite ou a criança, porque o xarope é ruim demais!).

 

Assombrações (Heraldo Firmino/ Doutor Severino Rapadura Firmo Firmino)

Para arrumar mulher bonita e fugir dos tribufú do mês de agosto!

– Sete girassóis, sete rosas, sete margaridas, sete papoulas, sete gérberas, sete camélias,

– Um banho de cheiro de sete horas

– Sete elogios seguidos e sete poesias na mesma noite.

Junte tudo isso e marque um encontro. Antes de sair faça uma criança sorrir sete vezes para que os anjos o acompanhem!

É tiro e queda! Se não funcionar é porque seu destino é a batina mesmo e vai com Deus!

Sorte grande (Nereu Afonso da Silva/ Doutor Zequim)

“Dizem que pisar em cocô de cachorro dá sorte. Pois saibam que justo hoje eu, distraidão, afundei meu tênis esquerdo num belíssimo espécime de excremento canino. E não é que deu sorte mesmo? Duas horas depois, sorte dupla, foi a vez do pé direito ser abençoado e calcar em cheio um outro exemplar de fezes do melhor amigo do homem.” 

Com o pé direito (Eliseu Custódio/ Doutor Custódio)
 
Agosto é um mês conhecido pelos ventos fortes que trazem azar e deixam qualquer cabelo, mesmo com chapinha, de pé! Para espantar esse mau agouro, é preciso sair com o pé direito de casa. De tanto esquecer desse dito popular, meu inteligente bisavô começou a deixar o pé esquerdo preso na sapateira. Resultado: virou tradição na minha família. Se você encontrar alguém pulando pelas ruas, acredite, se não for o saci pererê, é parente meu!
 
=^.^=

 

=o)

Um ótimo finzinho de agosto pra todos vocês!