Tempo de leitura: 3 minuto(s)

Depois do Grupo Operação de Riso, que mostrou suas caras por aqui, André Correia vem nos contar um pouco sobre a Operação Hospalhaço, da qual é fundador. Ele participou de uma das mesas do 2o. Encontro Nacional de Palhaços que Atuam em Hospital falando sobre a forma de atuação do grupo. Aqui, ele nos conta como tudo começou e quais os planos para o futuro.

André Correia

“Em 1997, após assistir o filme do Patch Adams, tive um lampejo (que acredito que foi o mesmo que acendeu a luz de muita gente!) que me redirecionou profissionalmente e mudou o curso de tudo. Na época eu estava no colegial e estudava para ser técnico em Desenho Mecânico. Após me formar, busquei mais informações a respeito do palhaço dentro do hospital. No primeiro contato com os Doutores da Alegria, recebi as informações de que o trabalho era profissional. Recomendaram o estudo do palhaço e um “caminhão de boa vontade”.

Pois é, o caminhão estava lá, de motor ligado, só esperando pisar no acelerador para dar início à jornada… E o melhor, com o baú carregado de boa vontade! Na época eu só não tinha o mapa que esse caminhão deveria percorrer. Estacionei meu caminhão e aguardei o momento certo de partir em viagem.

Em 2001, ao entrar para a Faculdade de Psicologia, conheci o amigo Tiago Abad que também tinha ideias semelhantes sobre o trabalho de levar alegria. Unimos forças e iniciamos um programa de visitação a instituições de internação (asilos, orfanatos, abrigos para deficientes mentais, etc) levando materiais de higiene, limpeza, roupas, brinquedos e alimentos. Nesse mesmo período contratamos um professor para ter aulas de palhaço dentro da Faculdade, pois assim aliaríamos a doação material com a alegria.

Levou algum tempo até percebermos que um único curso de palhaço não seria o suficiente. Foi então que a jornada de imersão na arte do palhaço teve início. Tivemos o prazer de participar do curso dos Doutores da Alegria em 2005 com Thais Ferrara e Soraya Saide, que foi um norte no caminho do palhaço a ser seguido, integramos a primeira turma de formação do Palhaços em Rede, em 2007, e mais recentemente voltamos a estudar a palhaçaria clássica de circo com Val de Carvalho. Os artistas da Operação Hospalhaço também buscaram diversas formações com grandes professores de palhaço, como Gabriela Argento, Bete Dorgan, Paoli Quito e, mais recentemente, Michael Christensen.

Percebemos que o caminho a ser tomado era o da profissionalização artística do grupo. E assim foi feito. Desde então, somente artistas profissionais atuam na Operação Hospalhaço.

No hospital

Operação Hospalhaço

 

O trabalho teve início em 2005 no Hospital e Maternidade Neomater em São Bernardo do Campo, onde estivemos por três anos. O trabalho se expandiu e fomos convidados a atuar no Hospital Foccus da Vila Mariana e de Santo André, onde estivemos por dois anos. Atualmente estamos no Hospital São Paulo, que é relacionado à UNIFESP – Universidade Federal de São Paulo, onde atuamos semanalmente por um período de aproximadamente cinco horas.

Contamos atualmente com um elenco muito bom, composto por Juliana Ferreira (Dra. Katrina), Flora Matsumori (Dra. Cereja), Cecília Carelli (Dra. Doriana), Tiago Abad (Dr. Acerola das Neves), Silvio Messias (Dr. Espinafre) e André Correia (Dr. Minduim). O trabalho acontece em caráter voluntário, porém, com a profissionalização artística do elenco, buscamos agora uma remuneração adequada à classe profissional do palhaço de hospital.

Além do hospital a Operação Hospalhaço possui espetáculos (“Tem Nariz Vermelho no Meu Quarto” e “Engraçadeiras: Histórias de palhaço”), palestras e workshops e intervenções (apresentações elaboradas e cursos conduzidos por artistas e psicólogos). Essas atividades são partes essenciais do trabalho, pois é através dessas ações fora do hospital e o apoio de sócios mantenedores que a ONG gera renda para manter os trabalhos.

Com o baú cheio

Após oito anos de atuação, a Operação Hospalhaço continua na estrada e com o baú do caminhão ainda cheio de boa vontade! Com algumas mudanças previstas para o futuro, a ONG está passando por um processo de reciclagem com o intuito de fortalecer a sua base, estabelecendo novas parcerias e dando passos importantes para o bom andamento do trabalho. Para os próximos meses, buscamos novos hospitais na região do ABC Paulista e temos algumas novidades no forno que precisam ser maturadas.

Quem quiser entrar em contato pode escrever para hospalhaco@hospalhaco.org.br, visitar o nosso site www.hospalhaco.org.br, nos seguir no Twitter @hospalhaco e também curtir a página www.facebook.com/hospalhaco.”

Obrigado, André!