Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Pediatria, Ala Sul. Duas crianças, R. e H., estavam ali acompanhadas de suas mães. R. tinha às mãos um jogo eletrônico e, aos pés de sua cama, uma caixa com várias revistas em quadrinhos.

Dr. Titetê e Dra. Brisa cumprimentam:

Bom dia, meninas! R., soubemos que você está tirando fotos para uma importante revista e viemos aqui para você tirar umas fotos nossas!

Após um breve momento de dúvida e estranhamento, R. olhou para o jogo em suas mãos e plufff! O jogo se transformou em uma câmara fotográfica. Click daqui, click dali. Fotos individuais, fotos com os presentes, pronto!

Dra. Brisa pega (sem que ninguém perceba) uma das revistas ao pé da cama da menina e sai “de fininho” do quarto. Depois de algum tempo, eles retornam.

Muito bem senhores! Trouxemos aqui o álbum com as fotos impressas e reveladas.

Os Doutores mostraram na revista página por página as fotos “tiradas” pela menina e, para nosso espanto e surpresa, logo na primeira página havia uma mulher grávida com vestido floral muito parecida com a mãe de H. E não parou por aí: a cada página, novas imagens parecidas com as garotas e suas mães levavam todos a gargalhadas. Evidentemente que nós estávamos dignamente representados por uma porca e um cavalo.

O brilho nos olhos das meninas ao ver a capacidade de seu jogo eletrônico retratar o instante surpreendeu a todos e a nós mesmos, que a cumprimentamos pela qualidade das fotos.

É por essas e outras histórias que afirmamos e reafirmamos a crença de que existem anjinhos que conversam e socorrem palhaços no mundo inteiro.

Dra. Brisa e Dr. Titetê
Hospital das Clínicas
Belo Horizonte