Notícias
 
Raul Figueiredo
Tutor do Palhaços em Rede e artista formador na Escola dos Doutores da Alegria e no MadAlegria (USP). Ator formado em Artes Cênicas e em Pedagogia.

Memórias de um hospital português

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Durante a Conferência de Palhaços em Portugal, já falada por aqui, eu tive a oportunidade, junto ao artista Marcelo Marcon, de esticar um pouco mais a estadia e fazer um intercâmbio com integrantes do grupo local Operação Nariz Vermelho.

ipo4

João Paulo Reis e Joel Oliveira nos receberam na entrada do Instituto Português de Oncologia, em Lisboa.

De lá seguimos para a sala de apoio e conversamos sobre o evento recém-terminado. Enquanto eles se preparavam, relembramos as particularidades entre os grupos pelo mundo e a enorme diversidade de tipos de palhaços que atuam em hospitais.

ipo

Acompanhamos Dr. Bambu e Dr. Fusilli nas alas pediatriátricas. Foi importante observar, pois esse olhar de fora nos ajuda a compreender e entender o jogo da dupla de palhaços, assim como a relação estabelecida por eles e seu grupo dentro do hospital. Esse formato de observar antes de atuar junto faz parte da metodologia da Escola dos Doutores da Alegria. 

A manhã acabou e durante o almoço conversarmos sobre o que vimos: a atuação, o repertório da dupla, a relação com os profissionais de saúde e pacientes. Notamos muita familiaridade com o nosso jeito de atuar! Até porque a fundadora do Operação Nariz Vermelho, Beatriz Quintella, era brasileira e fez várias visitas ao Doutores da Alegria durante a consolidação do grupo. 

Após o almoço, eu já era Dr. Lambada e Marcelo era Dr. Mingal. 

Formaram-se as duplas luso-brasileiras. Mingal e Bambu foram atender os pacientes que aguardavam numa sala de espera com vários consultórios médicos e depois passaram pela brinquedoteca, enquanto Lambada e Fusilli passaram visita na ala de quimioterapia. 

ipo2

De cara, Dr. Lambada foi cantar para um garoto internado a música sobre um sapo e uma perereca nadando na beira do rio, e aprendeu que “cueca”, em Portugal, é uma peça íntima do vestuário feminino, e não masculino… Muitas risadas da irmã do paciente com essa gafe… 

Na sequência, Dr. Mingal resolveu dar uma pirueta no estacionamento do hospital e enroscou sua calça numa haste de metal, rasgando os fundilhos de sua calça e deixando sua “cueca” à mostra. Fomos ao balcão da Enfermagem pedir linha para suturar o rasgo e ouvimos mais gargalhadas da equipe médica! 

ipo5

Na sequência, todos juntos, seguimos pelos corredores fazendo um cortejo musical até o ambulatório adulto, onde tocamos La cucaracha em um portunhol escalafobético! Nessa caminhada, descobrimos que Dr. Fusilli era o chefe, mas que quem mandava eram os outros três palhaços…

Essa história rendeu boas risadas, o coitadinho do Fusilli quase se esgarçou ao se dividir em três para conter a confusão que se estabeleceu com os três patetas, quer dizer, obstetras… Enfim… Aqueles besteirologistas incansáveis em parir bestices! 

ipo3

Foi uma grande farra! Ficamos quase uma hora além do expediente, nem vimos o tempo passar… Mas como escreveu o dramaturgo Samuel Beckett ao esperar Godot, como o tempo passa quando a gente se diverte… 

Voltamos para o Brasil, e quem viu… Viu! Quem não viu… Não riu! 

 

- texto escrito em parceria com Marcelo Marcon -

Você também pode gostar:

Como vim parar aqui?!

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Depois de 20 anos atuando no Doutores da Alegria resolvi parar, olhar para trás e fazer uma retrospectiva artística. Senta que lá vem história!

pai-aços(na foto: Raul Figueiredo e seu filho João Gabriel)

VINDO DO INTERIOR

Venho de uma família religiosa que trabalhou por muitos anos como voluntária em uma associação que atendia cerca de 150 mulheres em condições de vulnerabilidade social na minha cidade natal, Catanduva, interior do Estado de São Paulo. 

Toda semana, minha mãe ensinava às moças como se deve cuidar de uma casa, dava noções de higiene, dicas sobre alimentação, aulas de bordado e crochê. Meu pai também ajudava, em um domingo por mês, conversando com os maridos das mulheres e regularizando sua situação. Muitos deles eram desempregados, ex-presidiários, sem carteira de trabalho, título de eleitor ou certificado de reservista. 

Aos sábados percorríamos as ruas do bairro recolhendo jornais pela vizinhança, que depois eram estocados na garagem da minha casa para serem vendidos aos comerciantes e feirantes. Esse dinheiro era usado para a manutenção do trabalho voluntário da instituição e para minha mãe comprar tecidos e costurar pijaminhas para as crianças, filhos dos casais assistidos por eles. 

raul

Vivi essa realidade dos 10 aos 16 anos e sempre que estava de férias ou em casa sem tarefas da escola, ia com a minha mãe à associação e ficava tocando violão para as crianças na creche. Também fui tocar violão em asilos com meus pais e isso foi inspirador para mim. Sempre pensei em fazer o mesmo quando crescesse!

POR QUE RESOLVI SER PALHAÇO

Depois de passar pela música (piano e violão), pelo canto e pelas Artes Cênicas (ator), vi no palhaço a possibilidade de abraçar todas as Artes, pois o palhaço é tragicômico, melodramático, nonsense, lúdico e exige muita habilidade física e mental. Exercitar-se como palhaço é reconhecer-se a cada dia, ampliando os horizontes da imaginação, deixando o impossível cada vez mais possível.

Pergunto-me: será que dava para ser outra coisa?

IMG_7089

CHEGANDO A SÃO PAULO

Em 1992 terminei o curso de Artes Cênicas na UNICAMP e vim morar em São Paulo. Comecei a atuar em algumas companhias paulistanas de teatro e conheci o trabalho dos Doutores da Alegria em 1995 por meio da atriz Alexandra Golik, que atuava comigo e já fazia parte do elenco. 

Nesse mesmo ano fiz teste e fui selecionado para entrar na ONG

NO DOUTORES DA ALEGRIA

Atuei por 11 anos como o besteirologista Dr. Zappata Lambada em todos os hospitais que o programa atende e atendeu em São Paulo, e também em outras unidades da ONG.

Estive nas montagens de espetáculos infantis (“Vamos brincar de médico” e “Senhor Dodói”), ambos premiados e com excelentes críticas e aceitação do público, e atuei como músico substituto no infantil “Poemas esparadrápicos”, produzido pelo elenco da unidade de Recife.

Também estive em outras apresentações como o saudoso “Midnight Clowns”. Em empresas, participei de muitas palestras institucionais, inúmeros RISOs 9000 e outras ações. 

foto39

Durante esse período de atuação comecei a dar algumas oficinas de música e jogos para o elenco de palhaços, em nossos treinamentos às sextas-feiras. Essa experiência rendeu um convite para integrar a equipe de formação da organização. Desde 2007 dou aula na Escola dos Doutores da Alegria, mas lá em 1999 eu já ajudava na construção de conteúdo. 

Atualmente sou professor de música no segundo ano do Programa de Formação de Palhaço para Jovens e auxilio na criação da trilha sonora do exercício cênico. 

Foi em 2007 que também criamos o programa Palhaços em Rede, do qual sou tutor desde o seu início. Nessa função tive o prazer de viajar pelos quatro cantos do país dando oficinas de orientação e formação para grupos de palhaços com diferentes formas de atuação que visitam hospitais. 

IMG_7793

DBR_3413

Trocamos ricas experiências em nome de um movimento: a arte estimulando a mudança, promovendo a qualidade das relações humanas e cultivando a saúde.

Quase 21 anos… Doutores da Alegria é uma parte de mim. E já que vim parar aqui, daqui não saio, daqui ninguém me tira!

Payazos en rede

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Em outubro, fui para uma imersão besteirológica de cinco dias em Buenos Aires. 

Junto com a artista formadora Roberta Calza, levamos a metodologia da Escola dos Doutores da Alegria para o grupo Alegria Intensiva, que atua em oito hospitais locais. 

IMG_5198

Além das oficinas artísticas, acompanhamos alguns palhaços e coordenadores do grupo em dois hospitais. Discutimos muito sobre a natureza do trabalho, os programas de formação que temos no Brasil (Formação de Jovens, Palhaços em Rede) e sobre a promulgação da lei que recentemente instituiu a presença obrigatória de palhaços atuando nas pediatrias da Argentina. 

Neste texto quero falar sobre esse último tópico.

A lei determina que hospitais públicos da província de Buenos Aires serão obrigados a ter artistas especializados na arte do palhaço para a reabilitação de pacientes. 

A questão é muito delicada, pois envolve um trabalho que de fato é pouco conhecido com profundidade pela sociedade. Somente após a promulgação da lei, dois grupos foram chamados para pensar o treinamento e a seleção de todos os artistas que atuarão em hospitais. 

pulseras-rojas-alegria-intensiva2

Estão previstos dez meses de formação para o início das atividades e os perfis de intervenção divergem. Assim como no Brasil, há grupos profissionais e grupos voluntários atuando com diferentes abordagens. O Alegria Intensiva seleciona palhaços profissionais com formação (3 a 15 anos de experiência) para seu elenco; o Payamédicos, por exemplo, é composto por voluntários que visitam pacientes internados sem formação artística e sem treinamento contínuo, recebem apenas uma orientação. Há muitas questões a serem discutidas e articuladas. 

Qual o perfil desse palhaço? Qual a sua função artístico-social? Ele faz a paródia do médico (autoridade) ou entra sem jaleco (homem comum)? Qual é o seu roteiro no hospital e que tipo de informação troca com a equipe de plantão? Há uma formação artística e uma orientação básica para a atuação no hospital? 

hr -  Lana Pinho-2

O desejo do Alegria Intensiva é o de garantir essa formação para os interessados; sua preocupação é em como regulamentar essa atuação adequada e dentro do conformes previstos na lei. 

Para isso, querem iniciar diálogos com outros grupos que atuam na Argentina e discutir quais as necessidades desse trabalho por lá. Recomendei a eles que participem do Healthcare Clowning International Meeting 2016, um congresso com lideranças internacionais que discutirá, ano que vem em Lisboa, o trabalho do palhaço em hospital.

Um olhar para dentro e outro para fora! E o intercâmbio com Doutores da Alegria certamente foi um passo nesse sentido.