Tempo de leitura: 3 minuto(s)

[img:causos_recife.jpg,resized,centralizado]

No dia 27 de agosto teve o primeiro “Doutores Contam Causos” na sede de Recife. Neste evento, a intenção é a troca de vivência e histórias. Um dos participantes nos mandou um depoimento sobre este dia, veja abaixo:

“Meu nome é Alcides, conheci os Doutores da Alegria em matérias na televisão e, aqui em Recife, pelo trabalho de Fábio Caio que foi quem me convidou para vir hoje.

Ao ouvir todos esses “causos” me sinto emocionado e, ao mesmo tempo, gratificado pelo trabalho que vocês realizam. Parabéns.

Pelo fato de ter estudado Astrologia fica mais fácil pra mim fazer uma leitura simbólica dos seus relatos e não me causa espanto nenhum vocês conseguirem chegar tão perto e tão dentro das pessoas com quem vocês trabalham: o pessoal da área de saúde, os pais e acompanhantes, mas principalmente as crianças, afinal, conscientemente ou não, vocês utilizam todos os arquétipos que a alma humana facilmente reconhece…

Vocês disseram que são corajosos, que o trabalho de vocês exige coragem. Pois é, Marte é o arquétipo da coragem, representa o guerreiro que abre caminhos e canaliza sua energia para conquistar o que quer.

Frequentemente vocês também precisam ser delicados e gentis, tanto no falar quanto no agir. Vênus é o arquétipo da beleza e do amor, que é gentil e delicado com as pessoas que ama e com tudo que faz.
O tempo todo vocês estão brincando, contando histórias, divertindo… Mercúrio é o arquétipo da comunicação, da fala, de toda forma de expressão. Acredito que os Doutores da Alegria são, em sua essência, seres mercuriais.

Vocês encantam e acalentam os sonhos, principalmente das crianças. Essa é a Lua, arquétipo do acolhimento, do sonho e do cuidado com o outro.

No ambiente geralmente frio e triste de hospitais, entre remédios e agulhas que fazem os dias parecerem mais compridos, vocês levam alegria, calor, vida… Acredito que as pessoas esperam o dia em que vocês vão ao hospital como se espera o Sol no fim de uma madrugada fria… eis o Sol, arquétipo da própria vida, trazendo luz e a confiança de que hoje o dia vai ser bem melhor.
Querendo ou não, vocês são obrigados a enfrentar perdas… quem não as enfrenta? Chegar com um presente e encontrar uma cama vazia, faz com que o coração fique um pouco vazio também. Mas se lembrarmos o poeta que diz que “um copo vazio está cheio de ar” então conseguimos superar esse momento, transformar a tristeza e reconhecer, no berço que agora substitui uma cama, que a vida continua. É Plutão, o arquétipo da transformação, aquele ponto de nossa alma que nos leva até às “profunda dos inferno”, mas sempre com a certeza de que quando subirmos seremos seres regenerados, transformados e, acima de tudo, melhorados.

Vocês criam! Frases, expressões, todo um vocabulário próprio ao trabalho que desenvolvem. Aí está Júpiter, o arquétipo do poder, não só o poder instituído, mas também (e principalmente) o poder de que sabe o que faz. Esse é o poder que envolve a verdadeira autoridade, pois está baseado na sabedoria que, por sua vez, não abre mão da espiritualidade inerente a tudo.
E o que dizer das pessoas chatas que insistem em ficar dando limites… Bem, a sabedoria popular diz que “tudo em excesso é demais”, portanto, chatice e limites bem colocados são muito positivos, mesmo que um pouco desagradáveis. Eis o nosso bom e velho Saturno, também conhecido no meio astrológico como “chaturno”; é o arquétipo da construção, da responsabilidade, da maturidade e do tempo.
E o improviso com que vocês têm que trabalhar? Situações engraçadas, esdrúxulas, tristes, desconcertantes, mas com um ponto em comum: inesperadas. Aí vem a necessidade de pensar rápido, criar algo em um segundo e falar com a naturalidade de quem já previa aquilo, como se tivesse olhado o futuro por uma fresta do presente. Nada mais, nada menos que Urano, o arquétipo do novo, do inusitado, do que está à frente do próprio tempo.

Penso que o trabalho de vocês, de uma forma ou de outra, é um trabalho de fé. Pra fazer o que fazem é preciso acreditar em muitas coisas, mas principalmente na alma humana e na sua capacidade de renovação; em uma Força acima de tudo que podemos definir e nomear. Netuno é o arquétipo da fé, do Sagrado.

Quando realizam seu trabalho, se esquecendo de vocês mesmos, sem querer nada em troca, vocês deixam de ser o Dr. Eu, a Dra. Mary En, o Dr. Ado, o Dr. Picolino, o Dr. Dud Grud, a Dra. Monalisa (não lembro o nome de todos) pra se transformarem em um canal através do qual o Sagrado se manifesta… e as crianças deixam de ser as crianças pra se transformarem no próprio Sagrado, que resolve se disfarçar pra testar a capacidade de cada Doutor…

Portanto, quando vocês dizem que recebem “pérolas”, acreditem, vocês as recebem por merecimento.

Mais uma vez parabéns a todos.”