Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Dra Guadalupe

Eu, Dra Guadalupe, e Dra Manela tiramos alguns dias de férias como mandava o combinado. Mas na volta, meus amigos, não é que Dra Manela sumiu? Comecei a procurar notícias da danada e descobri o paradeiro de minha parceira. Pelo telefone, ela me deu as notícias:

Guadalupe, você não vai acreditar, eu tô no Chile!

Chile? Que chique! Tá gostando?

Ah, Guadalupe, mais os menos… A comida não é muito boa, tem que dormir no chão, todas as portas ficam trancadas e não dá para fazer muita coisa…. Todo mundo fica junto, apertado e veste a mesma roupa. Mas uma coisa eu gosto: pode sair, de vez em quando, para tomar banho de sol!

Nossa, Manela, mas que diferente, nunca tinha ouvido falar assim. Que Chile é esse?

É o CHI-LINDRÓ!

Pois é, minha gente, depois disso foi um sufoco: tivemos que fazer uma vaquinha para conseguir o dinheiro para tirar ela de lá! Enquanto isso, vieram trabalhar comigo o Dr. Pistolinha, o Dr. Chicô Batavô e o Dr. Daduvida. No trabalho com o Dr. Chicô Batavô aconteceu algo que me deixou muito surpresa e feliz!

Em um hospital como o ITACI (Instituto de Tratamento do Câncer Infantil, em São Paulo) uma das coisas a enfrentar no tratamento é a queda dos cabelos. Sabemos que é um processo pelo qual se passa, e o imaginamos muitas vezes como algo difícil e triste. Mas foi justamente o oposto disso que vivenciamos naquele dia.

Quando entramos em um dos quartos, encontramos as enfermeiras raspando o cabelo de uma paciente. Esperamos para ver qual era a atmosfera e descobrimos que a descontração era geral. As meninas já tinham brincado de fazer moicano de roqueira na menina, tinham feito sessões de fotos como modelo e tudo mais!

Pois continuamos a brincadeira: fizemos fotos de bigode, de mulheres barbadas, ao estilo “Tony Ramos” com o peito peludo e com os cachos que os judeus costumam usar. Foi divertidíssimo! As formas que pudemos assumir, as transformações e brincadeiras que surgiram daquela mudança e que não seriam possíveis sem essa situação instaurada.

É, o mês de julho foi divertido, diferente. Por fim, conseguimos liberar a Dra Manela que agora já está de volta nos corredores do hospital. É doutora, mais cuidado da próxima vez!

Dra Guadalupe (Tereza Gontijo)
Instituto de Tratamento do Câncer Infantil – SP
Julho de 2012