Tempo de leitura: 3 minuto(s)

JORNAL DE ONTEM
Doutores da Alegria – Edição Extraordinária
Hospital da Restauração, Maio de 2008

De volta, especialmente neste mês de junho, um dos maiores sucessos editorias já lido aqui no Hospital da Restauração, o JORNAL DE ONTEM. Aqui, você vai ficar informado de tudo que aconteceu nos corredores, enfermarias e outras dependências do hospital no mês que passou. As notícias aqui apresentadas não têm nada de ficcional, qualquer semelhança com pessoas e fatos não é mera coincidência. Portanto sentem as bund…,ou melhor, acomodem-se confortavelmente e boa leitura! (Isto é, se os relatórios não sumirem novamente).

MATÉRIA DE CAPA: BESTEIROLOGISTA RECÉM-FORMADO QUER MUDANÇAS RADICAIS

Depois de estudar um fim de semana inteiro para a prova da OBB (Ordem dos Besteirologistas do Brasil), finalmente o Dr. Eu, como ele gosta de ser chamado, recebeu o tão sonhado canudo e já integra a lista dos mais atrapalhados profissionais da besteirologia. Em entrevista exclusiva para o enviado especial do JORNAL DE ONTEM, o Dr. Ado, o paspalho recém-formado declarou muito animado que tem planos revolucionários para o hospital.

Dr. Ado – Dr. Eu_zébio…
Dr. Eu – Dr. Eu, por favor!
Dr. Ado – Dr. Eu, como está sua vida, agora que o senhor adquiriu o seu canudo?
Dr. Eu – Bem, tá mais fácil de tomar refrigerante. Já tomei três só hoje de manhã. Eu espero usar esse canudo para tomar água também e, nas noites frias, uma sopinha quente vai bem.
Dr. Ado – Dr. Eu_zéb…, quero dizer, Dr. Eu, qual a sua especialidade na besteirologia?
Dr. Eu – Sou cartomantologista. Que é o estudo diagnóstico através das cartas. Porque as cartas não mentem jamais.
Dr. Ado – Soube que o senhor quer fazer mudanças radicais no hospital. Que mudanças seriam essas?
Dr. Eu – Antes de mais nada, fazer com que os meus colegas, médicos, enfermeiras, auxiliares, técnicos, faxineiros, todos e todas voltassem a ser criança, especialmente nos dias de segunda e quarta-feira quando estivermos por aqui. Isso tornaria nossas vidas bem mais leves.
Dr. Ado – Dr. Eu, vamos a um ping pong. Um sonho…
Dr. Eu – Sonho de valsa.
Dr. Ado – Um lugar…
Dr. Eu – Cabedelo.
Dr. Ado – Uma frase…
Dr. Eu – “É dos carecas que elas gostam mais…”, não que eu seja careca, mas gosto da melodia dessa frase.

COLUNA SOCIAL: FESTA DA APÊ MUDA ROTINA DO HOSPITAL

Aconteceu no mês de maio, no auditório do HR, a festa mais badalada das bandas de cá. A paciente Apê, da UTI, fez 15 anos e ganhou uma das mais lindas festas que já vi por aqui. Muitos convidados importantes, como o diretor do hospital, Dr. Américo, muitos médicos, enfermeiras (entre elas a chefe Zuzu), familiares, intrusos, imprensa e, claro, nós, os besteirologistas. Há anos conhecemos a Apê e não podíamos ficar ausentes num momento tão importante como esse, e com tantas guloseimas deliciosas. Fomos convidados, mas não pudemos ficar muito tempo porque tínhamos uma cirurgia de miolo mole marcada com urgência no 4º andar. Que sorte que a Adeilda encheu as tupperwares que levamos de presente pra Apê com o que havia de mais gostoso na festa. Parabéns, Adeilda!… Ôps, quero dizer, Parabéns, Apê!

PÁGINA POLICIAL: DESAPARECIDOS

Queremos aproveitar este espaço para fazer uma denúncia muito grave. Os nossos relatórios do mês estão sumindo dos seus setores antes mesmo de serem lidos pelos nossos leitores. Ih, até rimou! Mas a verdade é que gostam tanto das mal traçadas linhas que escrevemos todo mês, que os relatórios não permanecem nos murais nem por uma semana. E os nossos leitores andam reclamando da falta que sentem deles. Portanto, leiam os relatórios e fiquem atentos. Caso presenciem alguma situação suspeita, usem o disque-denúncia: 0800-meiameiasemsapato. Se conseguirmos pegar os culpados, você receberá a recompensa: um pão dormido que o Dr. Ado ganhou da avó na década de 80.

COMPORTAMENTO: MEU PÉ ESQUERDO, O FILME DA VIDA REAL

Todo mundo já devia estar careca de saber que precisamos estar bem atentos para o que acontece à nossa volta. Só mesmo estando de olhos bem abertos é que percebemos pequenos sinais que fazem a diferença. Há alguns anos, assistimos a um filme chamado Meu Pé Esquerdo e ficamos muito tocados com a história do artista Christy Brown. O que relataremos agora daria um bom filme, mas aconteceu na UTI desse hospital. O nosso paciente Om…ário, garoto de uns 4 anos de idade, que conhecemos ainda no 4º andar antes de sua cirurgia, parecia estar em estado contemplativo, distante de tudo e de todos, indiferente a tudo a sua volta. Logo ele que sempre foi tão caloroso com a nossa presença, agora parecia alheio, calado, distante. Ledo engano! Bastou tocarmos sua música preferida para seu pé esquerdo começar a mexer. A princípio, pensamos que seria um movimento involuntário, mas, como bons médicos que somos, resolvemos averiguar. Falamos ao Om…ário da nossa alegria em tocar pra ele e pedimos para nos ajudar embalando seu pé no ritmo da música, caso nos escutasse. Ele não pensou duas vezes e ao primeiro som do violão desatou a dançar. Ficamos tão animados com sua reação que convidamos a Dra. Ana para compartilhar esse momento conosco. Ficamos os três de queixo caído diante da disposição surpreendente do Om…ário. Seu corpo completamente imóvel, mas o seu pé esquerdo e logo em seguida também o direito obedientes ao comando da dança da vida. E nós festejamos com ele esse momento.

Dr. Ado (Arilson Lopes) E Dr. Eu_zébio (Fábio Caio)