Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Agosto foi um mês mais curto para nós dentro dos hospitais. Isso se deve ao fato de termos nos ausentado para seguir uma formação profissional ligada ao nosso ofício. Sim, senhoras e senhores, palhaçada se aprende e tal aprendizado necessita de manutenção e renovação.

E o que era basicamente um exercício técnico durante nosso curso, graças à adaptação dos palhaços e à colaboração das crianças, se tornou uma inventiva cena que se reproduziu várias vezes durante o mês no Hospital do Mandaqui. Imaginem vocês:

Eu, Dr. Zequim Bonito, ao perceber que os jovens pacientes ostentam figuras de super-heróis estampados em suas camisas, bonés, toalhas, chinelos etc, decidi mostrar à garotada e à minha parceira, Dra Emily, que eu sou um super-herói de verdade!

Vesti minha ridícula cueca rosa por cima da calça e comecei a levantar um haltere em mímica. A mímica é bem realizada, afinal passei duas semanas treinando tal exercício durante a formação. Aí, para a minha raiva e para o deleite da meninada, Dra Emily retira o peso das minhas cansadas mãos utilizando apenas… A ponta dos dedos! Era o golpe que faltava em minha dignidade!

Depois disso, cada menino também quis pegar o peso da forma mais provocativa possível: com a ponta do nariz, com a língua, com a orelha, com o sopro… Minha tentativa de ser mais forte e melhor do que os outros foi por água abaixo. Sai cabisbaixo do quarto sem entender o porquê de tamanho fracasso.

Vejam vocês, duas semanas de treinamento profissional, uma mímica perfeita, e tudo isso para “fracassar” no final. É, senhoras e senhores, nesse mundo onde todo mundo quer ser mais do que o outro, é sempre bom lembrar que somos falíveis, humanos e, no fundo, muito parecidos.

Dr. Zequim Bonito (Nereu Afonso)
Dra Emily (Vera Abbud)
Hospital do Mandaqui – SP
Agosto de 2012