Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Foi na UTI que conhecemos o J.O pela primeira vez. Como ele estava dormindo, fizemos uma música para embalar o seu sonho. O Dr. Lui, no refrão da música, começou a descrever o dia:

João, o dia hoje está ensolarado, com possibilidades de grandes confusões.

Já eu, Dr. Marmelo, pedi para o menino decorar a música; assim, quando ele acordasse, poderia cantar com a gente.

Da segunda vez que o reencontramos, o J.O estava acordado mas não quis papo. Chegamos perto e ele ligou o tal do alarme que vaza água pelo olho. Eu tratei de dizer:

João, você é o chefe, a gente pode ir embora se você quiser… Ou podemos ficar cheirando a parede, dormir, dançar. Você é quem manda!”

Mas não teve conversa…

Em nosso terceiro encontro, o menino já estava de olho na gente. Fomos chegando perto da cama dele e perguntamos se ele lembrava da música que fizemos pra ele. Não falou nada, não se mexeu e nem piscou o olho. Achamos que ele tinha ficado hipnotizado!

Foi quando o Dr. Lui, desconfiado da situação, pediu para ele colocar a língua pra fora para vermos se não era língua presa. Quando o J.O colocou a língua pra fora igual a um sapo, tivemos um susto tão grande que demos um pulo. Surgiu um risinho de leve.

E depois disso foi língua pra tudo que é lado. O nosso quarto encontro já não foi na UTI, foi na Enfermaria. Fomos ao seu encontro com uma bela música e ele, deu de língua pra mim! Reagi jogando meu corpo pra trás. Ele abriu um sorrisão.

Logo dei língua para o Dr. Lui, que deu para o pai do J.O, que deu para mim, que passei para enfermeira, que deu língua para a mãe do leito ao lado, que deu para sua filha e contaminou toda a enfermaria. Saímos cantarolando com… A língua pra fora!

Dr. Marmelo

Dr. Marmelo (Anderson Machado)
Dr. Lui (Luciano Pontes)
Hospital da Restauração (Recife)
Abril de 2012