Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Descobrimos que há muitos Wenders no Wender que conhecemos! Explico-me: o Wender, que é de Rondônia, que visitamos todas as semanas, em seu quarto na internação, adora as bolhas de sabão que… bem, que usamos na assepsia! Levanta-se da cama com suas perninhas de dois anos, sorri, tenta alcançá-las e sopra, sopra, sopra… E ri quando o besteirologista Dr. De Dérson toma banho com elas, e quando as engole… na hora do almoço! E descobriu que algumas estouram, e outras não! Passeiam pelas mãos e voam pelo quarto levando o De Dérson junto! E descobriu que as leis que regem umas bolhas não regem outras, e isto é só o princípio de uma vida cheia de descobertas!

E nós, Dr. Montanha e Dr. De Dérson, descobrimos que, muito além de apreciar as bolhas, o Wender dança! De pé, sentado, rindo, balançando os braços, ele dança, muito e muito bem! Compusemos com ele o “Zig rig pof”, um hit que fala de um… de um estranho… algo… meio bicho e meio coisa… coisa assim:

“Olha ele aí!
O Zig rig pof!
Cuidado com ele!
Ele pode cair, ele pode quebrar!
O Zig rig pof!”

E mesmo diante de tanto perigo, o Wender dançou!

E, outro dia, conversou com… um burro… é! Que o De Dérson levou. Bem, confesso… levou pro hospital! (Era rodízio da mula) E também com uma… vaca! E com… um pinguim! Confesso, confessamos! Nesse dia, levamos tudo isso pro hospital, mas por uma boa causa! O Wender não podia ficar só com as bolhas! Nem só com o “Zig rig pof” que, afinal, podia cair e quebrar. Então, levamos uns amigos pra ele conhecer. E ele conheceu. E ele não teve medo e gostou!

E conhecemos a irmã dele. A Caroline, também nascida em Rondônia. É menorzinha ainda que ele! E neste dia, entrou um bicho no quarto. Ele apontava, a gente se assustava, mas ele não. Ele está acostumado com isso em Rondônia. A gente é que é bicho da cidade. Então peguei o bicho num papelzinho, na ponta dos dedos, o braço esticado, o corpo lá pra trás, mas o bicho voou direto pro chapéu do De Dérson, que ficou lívido. Mas o Wender logo apontou pra porta do quarto, disse alguma coisa em rondonês e mandou o bicho embora. E o bicho obedeceu!

E nós, que achávamos que o Wender só gostava de bolha… E ele dança! E não tem medo de pinguim, nem de vaca, nem de burro! Nem… nem… do Zig rig pof! E manda tudo quanto é bicho estranho pra fora do quarto, com um dedinho apontado por braço pequenininho!

Santa Rondônia, Batman!

Dr. Montanha.
(Fernando Paz)