Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Nos hospitais, as portas nem sempre ficam abertas. Às vezes, nem tem portas. 

E antes ou depois de uma porta tem um ambulatório lotado. Para nós, palhaços, está mais para um laboratório besteirológico, onde fazemos várias experiências.

IMIP - Lana Pinho-71

Além das consultas gerais, nos ambulatórios fazemos atendimentos focados, porque tem sempre alguém que apresenta um faniquito no pé, um riso frouxo precisando de aperto.

Lá também tem duas enfermarias. E as portas vivem sempre abertas, facilitando a entrada e a saída. Acontece que toda vez que estamos lá, às terças e quintas, fechamos as portas e só entra quem bate! Explicamos em alto e bom som:

- Tomamos essa decisão por medida de precaução quase “adestradora”, pois soubemos que entraram uns palhaços no hospital e não queremos ser confundidos, entendem?

IMIP - Lana Pinho-73

No começo tudo foi estranhado, mas depois bater na porta virou brincadeira. E todos passavam pelo procedimento: pacientes, médicos, enfermeiras, pessoal da limpeza, acompanhantes… Às vezes, quando alguém não batia na porta, até voltava para bater!

Intervir no hospital é acreditar na capacidade de gerar movimento, mudanças e sutilezas a partir de outro olhar sobre coisas que geralmente não fazemos.

Bater na porta antes de entrar em qualquer lugar é até normal, mas no hospital… Vem! É só bater para saber!

Dr. Lui (Luciano Pontes)
IMIP – Recife