Tempo de leitura: 1 minuto(s)

De tropeço em tropeço… Assim caminha o palhaço.

Entre um tropicão e outro escreve sua história, constrói imagens, sonha, salta, voa e cai.

Cai mas levanta. Levanta mas cai.

De um passo firme a um tropeção.
De um grand plié a um escorregão.
De palavrinha a palavrão.

É frente e verso. É direito e avesso. É fora e dentro. É tudo e nada.

Talvez por sentir que não cabe direito nesse mundo, essa inadequada figura dá passo maior que a perna; quer ver gente, quer brincar, quer olhar, quer falar, mas tropeça nas próprias palavras, nas próprias idéias.

E foi de tanto tropicar nos próprios pés, no almoço e nas voluntárias que acabamos nos desencontrando de nós mesmos, dos enfermeiros, médicos, pais e crianças do sexto andar do ICR e assim o palhaço virou incômodo.

Peraí! Bobo, trouxa, desengonçado, troncho, feio, esquisito e engraçado tudo bem, mas INCÔMODO?! Não era essa a intenção.

Então, conforme orientação da nossa Guru, Beatriz , marcamos uma reunião com a equipe do sexto andar para falar sobre isso. Um café da manhã. Levamos pão, suco, salgadinhos, queijo, bolo e outras delícias. É claro que elas não levaram a sério o nosso convite para o café da manhã e não levaram nenhum petisco para contribuir. Acharam que nós íamos chegar com frango de borracha, ovo de plástico e nem ligaram. E digo mais: só apareceram na reunião porque tinham que estar lá mesmo para trabalhar. Mas que bom que apareceram. Fizemos a festa. Foi uma confraternização, um banquete carnavalesco. Entre mordidas, goles e sabores, conversamos sobre nossa presença no sexto andar e entramos num acordo quanto ao melhor horário para nossas visitas.

Essa comunhão nos colocou em condições de igualdade. Unidos pelo que existe em todos nós: a fome e a vontade de comer; nos vimos humanos, gente de carne, osso, emoção, alma e espírito. Palhaço também é gente. Médico e enfermeiro também são. Estamos juntos nesse barco. Queremos essa troca, essa conversa, esse diálogo constante e estamos abertos a isso.

Nosso trabalho se constrói a cada encontro. Queremos o encontro apesar dos desencontros. E os desencontros nos impulsionam para outros encontros e…

Assim caminha o palhaço.

Ass: Lola/Luciana Viacava

[img:Lola.jpg,resized,centralizado]