Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Aconteceu algo muito curioso com um de nossos pacientes.

“G” é um menino de 11 anos que havia atropelado um carro, e por isso estava sob nossos cuidados. Tentamos de tudo com ele: extrair pulga atrás da orelha, colocar óleo nas juntas e… nada! Nem um sorriso, nem um olhar um pouco mais curioso.

Foi aí que, em uma manhã de um dia desses, tivemos a brilhante ideia de tentar o transplante de nomes. A primeira tentativa foi “Pororoca”, mas ele achou um pouco indigesto. Tentamos então “Greta” e adivinhem só… o encaixe foi perfeito!

Foi dada a largada para a cirurgia: um G pra cá, o A pro outro lado, costura no R, corta o T, introduz o M e pronto, transplante realizado com sucesso! “G” passou a se chamar “Gretomberg” (também conhecido por “Guti”) e a Dra. Greta, que quase ficou sem nome, passou a atender por “Gutemberga”.

O resultado do transplante foi sentido nos primeiros minutos do primeiro tempo. Gretomberg foi mostrando seus dentes, um por um, até armar um gostoso e rasgado sorriso, provando que bobeira boa nunca é demais.

por Dra. Greta Garboreta e Dr. Charlito