Tempo de leitura: 1 minuto(s)

No mês de novembro tivemos um evento muito especial em nossa sede. A diretora e os protagonistas do documentário “Circo Paraki” bateram um papo com o público após a exibição do filme. Foi uma noite emocionante, regada a boas histórias, recordações e o sentimento de que o circo não pode parar, esteja onde estiver.

A diretora Priscila Jácomo contou de onde surgiu a ideia de produzir o documentário, que conta com depoimentos dos artistas circenses, ex-moradores do estacionamento de trailer. A história começou quando vários circenses estacionaram seus trailers em um terreno vazio, próximo ao Anhembi, zona norte da cidade, em meados dos anos 80.

 

Tempo depois a prefeita Luiza Erundina decidiu construir o Sambódromo naquele espaço e ofereceu outro terreno, às margens da Marginal Tietê, na altura do jornal O Estado de São Paulo. O sonho dos circenses que para lá se transferiram era que aquela terra se transformasse não apenas num estacionamento para trailers, mas também em um Museu do Circo, uma Escola de Circo e um Retiro de Artistas. Em um segundo momento, eles se viram rodeados de não circenses que invadiram o espaço. Com a favelização do local e a construção de prédios do Projeto Cingapura, nos anos 90, muitos dos antigos circenses saíram de lá. Mas um grupo de dez famílias ficou.

A partir daí, a história se configura e dá forma a um belo documentário. Há mais informações no site http://circoparaki.wordpress.com.

“O circo me permitiu conhecer o Brasil inteiro. Não existe vida melhor que a vida do circo”, contou a artista circense Amercy Marrocos. Veja um trecho de “Circo Paraki”: