Dezembro traz consigo os últimos momentos de 2011. É hora de olhar para trás e ver todas as nossas realizações, as nossas conquistas e desejos. Também é hora de ver o que não deu pra fazer e o que a gente pode melhorar.

O registro mais completo de tudo isso é representado pelo nosso queridíssimo Balanço 2011, mas enquanto ele não fica pronto, a gente faz um mini-Balanço – ou um quase-Balanço. E pra começar, uma mensagem do Wellington Nogueira, fundador e coordenador geral dos Doutores da Alegria:

“2011 foi o ano em que começamos a nos ver como um grande organismo, formado por artistas, administração, parceiros, amigos, doadores, público e hospitais. Um ano em que realizamos a Conferência de Busca de Futuro com toda nossa equipe e convidados especiais de diferentes áreas de atuação para nos ajudar a escolher que caminho trilhar em direção a uma cultura de alegria.

A partir desse evento não era mais possível fazer nada em separado, mas manter o espírito de grupo: tivemos a participação de todos os atores na construção do projeto de Lei Rouanet 2012; sinergia das sinergias, e quando nos colocamos no caminho certo, as coisas acontecem, o universo conspira e fomos contemplados com o planejamento estratégico da parceria Ashoka McKinsey, que nos ajuda a materializar os passos e ações para esse futuro de alegria – vem novidade por aí, aguardem! – a cumplicidade ainda maior com os profissionais de saúde nos hospitais nos ajudando a entregar um trabalho melhor para as crianças; o novo público das Plateias Hospitalares que estamos conhecendo: adultos, idosos e jovens e o público externo, com quem compartilhamos esses saberes através dos eventos. Se esse mundo está enfermo, é preciso tratá-lo, e isso começa em cada um de nós. Portanto, se você acredita num futuro de alegria, venha fazer parte dessa construção!”

No início do ano realizamos a Conferência de Busca do Futuro, um evento que contou com a presença de amigos e parceiros e onde discutimos os novos rumos para a instituição. Foram três dias intensos que nos trouxeram muitas novas descobertas e desafios.

 

Belo Horizonte
Depois de muita “caça”, agregamos mais um palhaço à nossa trupe – o Dr. Chicô Batavô (Nilson Domingues) – e iniciamos os trabalhos no Hospital da Baleia.

O Menor Festival Mineiro de Palhaços do Mundo, encenado pela trupe de BH, saiu pela primeira vez da sede e fez parte da programação do Festival Mundial de Circo em setembro. Ô trem bão!

Rio de Janeiro
O projeto Plateias Hospitalares, que encara o hospital como espaço de vida e, portanto, de arte, deixou de ser piloto e ultrapassou a marca de 160 apresentações no Rio de Janeiro.

São Paulo
A temporada do espetáculo Cuidado! Palhaços trabalhando, apresentada por jovens palhaços, encerrou-se em novembro com uma bela apresentação na Oficina cultural Oswald de Andrade. Junto com ela, também terminou a formação da quarta turma de jovens palhaços dos Doutores da Alegria. Está aberto o edital para a quinta turma.

O programa Palhaços em Rede, lançado em 2007, ultrapassou neste ano a marca de 550 grupos cadastrados por todo o país. São palhaços amadores e profissionais que procuram a qualidade do que é levado para a criança ou adulto hospitalizado.

Recife
A unidade Recife está de casa nova: mudou-se para a Rua Bispo Cardoso Ayres, em Boa Vista.

O musical Poemas Esparadrápicos, encenado pela trupe de Recife, percorreu quinze cidades do interior paulista. A unidade Recife também levou para os palcos, pela primeira vez, a sua versão da Roda Besteirológica.

.

Alguns números


Neste ano, mais de 80 mil crianças hospitalizadas foram visitadas pelos besteirologistas. Pelos espaços culturais de todas as unidades passaram quase 1.000 pessoas e mais de 11 mil assistiram aos espetáculos dos Doutores. A Escola levou a linguagem do palhaço a mais de 70 alunos e 26 jovens artistas se formaram na arte do palhaço em um curso com duração de dois anos.

No Rio de Janeiro, o Plateias Hospitalares alcançou 9 mil pessoas nos hospitais públicos do Estado e as Oficinas Boas Misturas – muitas delas tendo acontecido no Rio – chegaram a 348 profissionais de saúde. O Bloco do Miolo Mole, tradicional no pré carnaval recifense, levou às ruas do Recife Antigo mais de 2.300 pessoas, mostrando que “cabeça dura tem cura”.

E já que não é preciso quebrar o pé para ver os Doutores da Alegria, quase 30 mil funcionários entraram em contato com a cultura da alegria por meio de palestras e intervenções em empresas.

Aos nossos parceiros, patrocinadores e doadores, um muito obrigado do fundo do coração por acreditar em nosso trabalho e torná-lo possível.

Aqui no Blog, até agora, já foram 89 postagens neste ano. A você, paciente leitor, a nossa mais pura narigada – e aguenta aí que o ano ainda não acabou. O Blog continua na ativa até o final de 2011, espalhando muita, mas muita alegria!

equipe São Paulo

Obrigado! :0)