Notícias
 

Dia V 2007: Nosso jeito de mudar o mundo

Respeitável público!

No dia 9 de agosto, a partir das 19 horas, o Conselho de Cidadania Empresarial do Sistema FIEMG fará o lançamento oficial do Dia V 2007, quando todos os interessados terão a oportunidade de conhecer todas as formas de participação e engajamento. O evento contará com a presença de Wellington Nogueira, Coordenador Geral dos Doutores da Alegria, e Fernando Escrich, Coordenador de Expansão, que falarão sobre suas experiências no terceiro setor.

Fome, miséria, doenças, degradação do meio ambiente, desigualdade social, violência. Todos esses problemas são comuns em várias partes do mundo e a humanidade tem o desafio de enfrentá-los. Foi por isso que em setembro de 2000 a ONU aprovou a Declaração do Milênio, e o Brasil, junto com mais 191 países, estabeleceu um compromisso com a sustentabilidade do planeta.

A Declaração do Milênio elegeu 8 objetivos para combater os grandes problemas que afetam toda a humanidade, definindo metas para que sejam solucionados até 2015. Por isso foram denominados 8 Jeitos de Mudar o Mundo. É o esforço dos governos, das empresas e da sociedade organizada. É a agenda de cada um de nós:

1. Acabar com a fome e a miséria
2. Educação de qualidade para todos
3. Igualdade entre sexos e valorização da mulher
4. Reduzir a mortalidade infantil
5. Melhorar a saúde das gestantes
6. Combater a AIDS, a malária e outras doenças
7. Qualidade de vida e respeito ao meio ambiente
8. Todo mundo trabalhando pelo desenvolvimento

Mas, o que podemos fazer em nosso dia-a-dia para melhorar o mundo? Podemos começar com uma ação voluntária. Podemos começar participando do Dia V. Por meio das ações voluntárias do Dia V, vamos estar reunindo esforços para combater estes males que também assolam o nosso estado e o nosso país.

O Dia V nasceu para isso, para incentivar o maior número possível de pessoas para que exerçam sua cidadania, participando ativamente da construção de um novo mundo, tornando-se voluntárias em suas comunidades. Não dá mais para ficar de braços cruzados, assistindo ou criticando os outros. É preciso participar, agir, transformar.

<Voltar