[img:Ferrara_e_Sakura_21_6_2009__32_.JPG,resized,vazio]
foto de Cleia – Hospital do Campo Limpo

Enquanto nossas colegas buscam bacalhau nas águas claras da Noruega, as besteirólogas à disposição (Ferrara e Sakura) e, por que não dizer, com muita disposição, foram visitar o Hospital do Campo Limpo na última terça-feira, dia 2.

Assim que chegaram por lá ficaram de papo para o ar que gelava os corredores dos seguranças, da zeladoria e do…do Hospital inteiro, na verdade. Parecia a…. Noruega!

Ferrara abaixo de zero e Sakura que se tremia toda entraram correndo no Ambulatório do terceiro andar, estavam perdidas de frio, mas por um revés do destino, foram achadas por três meninos que lá se encontravam. Um deles aproveitou para lhes esquentar com uma boa xícara de café.

Continuavam desorientadas e mesmo assim foram ao sexto andar, onde bebês de todos os tamanhos circulavam pelos corredores. Inclusive, foi nesse andar que Ferrara descobriu que não quer ser bisavó (acho que ser bisavó pode parecer para ela que estamos ficando mais velhas, e Ferrara ainda está um cajuzinho, certo, biscoito!?)

O meio do dia foi marcado por muita emoção, com os reencontros do passado.

Com a Ana, do desenvolvimento, que agora desenvolve tudo no Hospital e para quem as Doutoras até pediram umas dicas, afinal sempre se pode melhorar!

E com a Cléia, que tirou fotos tremidas de muito bom gosto!

Mas estavam perdidas mesmo e portanto, partiram de volta ao Ambulatório. Desta vez foram achadas por uma menina que se chamava Laura, ela tinha um passarinho chamado amarelinho. O resto é muita intimidade pra contar aqui, fica entre elas, tá?

E o dia terminou marcado por conversas, corridas e olhares, gelados, pequeninos, chorosos ou, ainda, muito curiosos. Palhaços que encontram olhares assim ficam muito agradecidos, e muito agradecidos mesmo, porque assim a gente ganha mais disposição pra voltar outro dia. E pensando bem, acho que disposição nada mais é que saudade.

Ass.: Dra. Sakura

OBS.: Sakura nunca deveria ter passado para o estado sólido, deveria manter-se líquida dentro daquela garrafinha que fica em cima das mesas de restaurante japonês. Ass.: Dra. Ferrara