É mais ou menos isso que acontece. Tem gente que acha que vida de besteirologista é fácil, mas volta e meia tem gente querendo nos colocar no eixo, ou melhor, fora do eixo.

“- A gente pode entrar?
– Não! (acompanhado de um bico forçado e de um olhar arregalado para demonstrar firmeza.)
– Por favor, Nana, logo hoje que a gente preparou uma música pra você…”

As mãos rapidamente vão em direção aos ouvidos. Mesmo assim começamos a cantar, ela finge não estar ouvindo e com caras e bocas balança a cabeça em tom negativo. Adora ver a gente desconcertado e obedecendo suas ordens.
Quando ela quer, manda entrar, ficar só de um lado, não pode chegar muito perto, só se for pra contar algum segredo do outro palhaço, que de segredo não tem nada, pois ela dedura na cara de pau e faz de tudo pra ter o prazer de ver os dois bobalhões se pegando. Aí sim, ela desamarra o bico e se diverte.
Pra falar a verdade a gente adora obedecer suas ordens e desobedecer também só pra ter o prazer de ver seu bico querendo se desfazer em risos, e quando isso acontece ela vira o rosto pra sua mãe que é sua cúmplice.

As duas balançam a cabeça e entortam o bico, como se tudo que a gente fizesse não fosse levado a sério. Isso sim é revoltante, ela nos trata como se fôssemos dois bobos que ela manipula e quando a gente diz que somos seus médicos ela fala que não (o pior é que somos bobos mesmo!).
Ainda bem que chegou o Preslei, paciente vizinho que desmanda tudo o que ela manda e os dois ficam em pé de guerra e a gente feito loucos pra lá e pra cá, sem saber que rumo seguir.

Dr. Eu_Zébio (Fábio Caio)
Dra. Svenza (Luciana Pontual)