Profissionais de saúde e palhaço: formação é fundamental

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

A relação com profissionais de saúde foi tema da mesa “Outras formas de atuação” durante o Encontro Nacional de Palhaços. A discussão foi além e abrangeu a formação básica para que um palhaço atue em hospital.

Mauro Fantini, coordenador do grupo Narizes de Plantão, forma estudantes da área da saúde. Ele trouxe uma pesquisa que fez com estes alunos antes e após as intervenções nos hospitais. A ideia era entender se a experiência de palhaço acrescentava algo a quem atuava com saúde.1 - 2016-11-13-PHOTO-00000014

“O que é palhaço pra você?” era a pergunta. Frases como “Eu achava que aprenderíamos a contar piadas, a sermos engraçados e estarmos sorrindo o tempo todo” e “Achei que aprenderíamos truques e números ensaiados para usarmos no hospital” apareceram muito. Entre as palavras, surgiram: alegria, despreocupação, brincar, personagem, inocência, rir, amor, diversão.

Depois de passar pelo processo de formação, os alunos voltavam a responder ao questionamento. Entre as respostas: “Aprendi a lidar comigo mesmo, com as coisas em que sou bom e com as que tenho dificuldade. Aprendi a lidar com meus erros e a aceitar os erros dos outros” e “Eu lido com pessoas o tempo todo, desde pacientes doentes até colegas competitivos. Agora eu consigo aceitar melhor o que a outra pessoa está me propondo”.

E as palavras se ampliaram e se modificaram totalmente: encontro, sentimento, desprendimento, momento, ser, criança, essência, descoberta, escuta.

2016-11-13-PHOTO-00000028

Alexandre Penha, do grupo voluntário Terapia da Alegria, oferece formação a estudantes de áreas da saúde em todo o país. Por ser formado em Artes Cênicas, ele traz este olhar para formar os jovens.

Ele iniciou questionando quantas pessoas haviam se formado de forma tradicional. “Não há universidade focada no palhaço no Brasil. O que usar em formação então?”, disse ele. A solução foi avançar com o que chamou de pedagogia da descoberta, que serviria para democratizar o acesso ao palhaço em todo o país – principalmente para pessoas que nunca tiveram contato com Artes Cênicas, como estudantes da área da saúde.

A mesa seguiu com uma ampla discussão sobre diferentes maneiras de formar um palhaço para atuar no hospital. Formadores da Escola dos Doutores da Alegria se juntaram à mesa para discutir o tema e mostrar o que temos oferecido. Muito foi falado sobre a escassez de cursos abrangentes no país, e sobre o oferecimento de oficinas curtas que não aprofundam a linguagem. Os grupos deram seus depoimentos sobre como qualificam o trabalho que é oferecido aos hospitais. 

O que fazer no hospital? Mesa discute diferentes experiências

Tempo de leitura: 3 minuto(s)

O dia amanheceu frio e chuvoso em São Paulo, mas os grupos que vieram ao Encontro Nacional de Palhaços deixaram a preguiça de lado para refletir e trocar suas experiências.

A mesa “Diferentes práticas – O que fazer no hospital” abriu uma discussão sobre formação e estratégias para atuar junto a diferentes públicos nos hospitais. Pessoas de diversos grupos fizeram parte da plenária e compartilharam seu modo de trabalho.

15036264_10154765816072009_1487543823892538563_n

Alexandre Penha trouxe a prática do Terapia da Alegria (Curitiba, Paraná), grupo voluntário que atua em todas as alas de cinco hospitais. Atualmente o grupo está se profissionalizando e vem oferecendo formação a estudantes de áreas da saúde em todo o país. O grupo também faz visitas pontuais a hospitais psiquiátricos e hospitais com crianças com problemas de motricidade – e tem experimentado ir além destas fronteiras, já tendo atuado em regiões de consumo de drogas e em um prostíbulo.

Alexandre também levou o Terapia da Alegria ao Haiti, onde há muitas crianças órfãs; ao Vale dos Incas, no Peru, a Burkina Fasso, no deserto da África, e a áreas de refugiados sírios. “Temos experimentado o palhaço e ele realmente pode entrar em outros lugares. O trabalho do hospital pode se refletir em outros lugares”, comentou Alexandre.

A mesa seguiu com Débora Kikuti, coordenadora do curso de contadores de histórias do MadAlegria (projeto de extensão da USP). Ela falou sobre a potência que as histórias têm em nos trazer bem estar e a importância de estar preparado, de investir em um repertório, afinal são muitas visitas a pacientes, e às vezes as pessoas passam um tempo longo no hospital.

5 - 2016-11-13-PHOTO-00000017

É muito bacana quando entramos em um quarto só com o jaleco e não carregamos nada, nenhum adereço ou figurino. Eles ficam tentando entender se somos palhaços ou contadores de histórias”, contou Débora. Ela finalizou a mesa contando uma história que fez todos a aplaudirem de pé.

A experiência do palhaço com adultos foi compartilhada por Fabiana Leitão, do grupo Doutores Palhaços, de São Paulo. “Percebemos que alguns palhaços tratavam os adultos como crianças, e isso trazia uma rejeição ao trabalho”, disse ela, que é historiadora e fez um resgate da história do palhaço para os grupos. “Na Renascença, o palhaço fazia brincadeiras com conteúdo sexual ou fazia críticas ao governo da época. Era um palhaço que tinha adultos como público”, continuou.

Fabiana abordou a formação que ela traz para os integrantes do Doutores Palhaços: “Temos formação continuada e encontros mensais. As pessoas vão se formando e entendendo o palhaço durante as visitas”.

O próximo a partilhar com os grupos foi Olivier Terreault, do Teatro do Sopro (Rio de Janeiro) e do Jovia (Canadá). Ele abordou a metodologia do “empatilhaço”, empatia através do palhaço, uma técnica que utiliza há mais de 15 anos na área da saúde.

Olivier também falou sobre o arquétipo do palhaço que trabalha em suas formações. “Temos uma sombra do que queremos esconder e uma sombra do que queremos pretender. A máscara e a fantasia do palhaço revelam ou escondem o artista?”, questionou ele.

15055719_10154765815002009_3326084072551254475_n

A partir da experiência com idosos, ele trouxe dados de pesquisas que indicam que, em 50 anos, haverá mais idosos do que crianças no Brasil. Isso exigiria uma readequação do nosso sistema de saúde, desde os ambientes hospitalares até a formação dos profissionais, incluindo o palhaço. No dia 13, Olivier oferece uma oficina sobre o “empatilhaço” para os grupos participantes do Encontro Nacional.

Mauro Fantini seguiu a discussão. Ele é coordenador do Narizes de Plantão, grupo inserido no Centro Universitário São Camilo e formado por estudantes da área da saúde. Ele seguiu a discussão contando uma história por trás da visita ao hospital – uma história de fracasso, como ele chamou.

15032682_10154765815037009_4957092009621132813_n

“O hospital nos recebeu muito bem, mas houve problemas com alguns profissionais de saúde. Depois de um tempo, fomos suspensos. Isso poderia não ter acontecido se várias camadas do hospital soubessem o papel do grupo antes”, contou ele.

Mauro ressaltou a importância de alinhar expectativas com o hospital. Pode ser que o hospital queira bondade, caridade, doação, entretenimento, show; e o grupo trabalhe para levar arte, trabalhar a humanização, a relação com os estudantes da área da saúde. “É preciso sempre discutir a relação com o hospital”, finalizou.

Irene Sexer e Silvina Sznajder, do grupo argentino Alegria Intensiva, recentemente estiveram na sede do Doutores da Alegria e puderam entender a realidade do trabalho no país.

Na mesa, elas apresentaram o seu trabalho e comentaram a promulgação da lei que recentemente instituiu a presença obrigatória de palhaços atuando nas pediatrias da Argentina. A lei determina que hospitais públicos da província de Buenos Aires serão obrigados a ter artistas especializados na arte do palhaço para a reabilitação de pacientes. 

A mesa finalizou com uma intervenção surpresa de Marcia Strazzacappa, professora da Unicamp e mestre em Educação e Dança. Ela surgiu como uma faxineira que retrata a figura dos profissionais de saúde de um outro ângulo. Depois, ela sentou à mesa para responder a questões dos grupos.

Gosto muito de pensar no estado de arte, mais do que arte como uma linguagem. E nesse estado, não lugar, a gente alcança a subjetividade, e gosto de trabalhar no hospital com essa perspectiva. Não acho que a arte está a serviço de nada, acho que acontece e provoca reflexões, emoções e outros olhares”, disse ela.

15078594_10154765814607009_8816650284307128761_n

Como se forma uma rede? Inspirações para o Palhaços em Rede

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

O primeiro dia do Encontro Nacional seguiu com uma discussão sobre formação de redes.

Fátima Pontes, coordenadora da Escola Pernambucana de Circo e presidente da Rede Circo do Mundo Brasil, trouxe inspirações para aprimorar e aumentar o engajamento da rede de palhaços nos próximos anos.

Ela partiu do histórico da Rede Circo, que surgiu em 2000 com cinco instituições que tinham o desejo de trabalhar com a pedagogia do circo social. “Como faz pra dizer o que é circo social? Quem diz que trabalha com circo social trabalha mesmo? Muitas questões surgem com a constituição de uma rede”, explicou Fátima Pontes.

15094502_10154765814977009_3471900998311958551_n

Em 2004 aconteceu o primeiro encontro nacional. A visibilidade da Rede Circo do Mundo Brasil aumentou com a exposição de grupos como o Cirque du Soleil e com os resultados obtidos com a rede. Hoje ela é uma federação constituída, com estrutura administrativa, e 20 instituições participantes, além de sócios e educadores.

Toda rede precisa ter uma causa, é o que une os seus membros”, comentou. Segunda ela, uma rede forte e engajada aumenta muito o impacto do trabalho, pois com sua força pode influenciar políticas públicas e ampliar os resultados das ações dos membros envolvidos. Outros benefícios são a troca de experiências, o relacionamento com parceiros e a mobilização de recursos para a causa.

14980676_10154765814617009_2492902069541404522_n

Fátima terminou a apresentação propondo questionamentos aos grupos do Palhaços em Rede. “Todos os membros têm consciência dos objetivos da rede? Estão na mesma sintonia? Hoje são mais de 1000 grupos na rede, fora os grupos pelo país. Queremos uma rede tão grande?”

A experiência e os desafios propostos por ela foram muito inspiradores para que esta rede de palhaços seja cada vez mais efetiva e focada em levar um trabalho de qualidade aos hospitais.

Como vim parar aqui?!

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Depois de 20 anos atuando no Doutores da Alegria resolvi parar, olhar para trás e fazer uma retrospectiva artística. Senta que lá vem história!

pai-aços(na foto: Raul Figueiredo e seu filho João Gabriel)

VINDO DO INTERIOR

Venho de uma família religiosa que trabalhou por muitos anos como voluntária em uma associação que atendia cerca de 150 mulheres em condições de vulnerabilidade social na minha cidade natal, Catanduva, interior do Estado de São Paulo. 

Toda semana, minha mãe ensinava às moças como se deve cuidar de uma casa, dava noções de higiene, dicas sobre alimentação, aulas de bordado e crochê. Meu pai também ajudava, em um domingo por mês, conversando com os maridos das mulheres e regularizando sua situação. Muitos deles eram desempregados, ex-presidiários, sem carteira de trabalho, título de eleitor ou certificado de reservista. 

Aos sábados percorríamos as ruas do bairro recolhendo jornais pela vizinhança, que depois eram estocados na garagem da minha casa para serem vendidos aos comerciantes e feirantes. Esse dinheiro era usado para a manutenção do trabalho voluntário da instituição e para minha mãe comprar tecidos e costurar pijaminhas para as crianças, filhos dos casais assistidos por eles. 

raul

Vivi essa realidade dos 10 aos 16 anos e sempre que estava de férias ou em casa sem tarefas da escola, ia com a minha mãe à associação e ficava tocando violão para as crianças na creche. Também fui tocar violão em asilos com meus pais e isso foi inspirador para mim. Sempre pensei em fazer o mesmo quando crescesse!

POR QUE RESOLVI SER PALHAÇO

Depois de passar pela música (piano e violão), pelo canto e pelas Artes Cênicas (ator), vi no palhaço a possibilidade de abraçar todas as Artes, pois o palhaço é tragicômico, melodramático, nonsense, lúdico e exige muita habilidade física e mental. Exercitar-se como palhaço é reconhecer-se a cada dia, ampliando os horizontes da imaginação, deixando o impossível cada vez mais possível.

Pergunto-me: será que dava para ser outra coisa?

IMG_7089

CHEGANDO A SÃO PAULO

Em 1992 terminei o curso de Artes Cênicas na UNICAMP e vim morar em São Paulo. Comecei a atuar em algumas companhias paulistanas de teatro e conheci o trabalho dos Doutores da Alegria em 1995 por meio da atriz Alexandra Golik, que atuava comigo e já fazia parte do elenco. 

Nesse mesmo ano fiz teste e fui selecionado para entrar na ONG

NO DOUTORES DA ALEGRIA

Atuei por 11 anos como o besteirologista Dr. Zappata Lambada em todos os hospitais que o programa atende e atendeu em São Paulo, e também em outras unidades da ONG.

Estive nas montagens de espetáculos infantis (“Vamos brincar de médico” e “Senhor Dodói”), ambos premiados e com excelentes críticas e aceitação do público, e atuei como músico substituto no infantil “Poemas esparadrápicos”, produzido pelo elenco da unidade de Recife.

Também estive em outras apresentações como o saudoso “Midnight Clowns”. Em empresas, participei de muitas palestras institucionais, inúmeros RISOs 9000 e outras ações. 

foto39

Durante esse período de atuação comecei a dar algumas oficinas de música e jogos para o elenco de palhaços, em nossos treinamentos às sextas-feiras. Essa experiência rendeu um convite para integrar a equipe de formação da organização. Desde 2007 dou aula na Escola dos Doutores da Alegria, mas lá em 1999 eu já ajudava na construção de conteúdo. 

Atualmente sou professor de música no segundo ano do Programa de Formação de Palhaço para Jovens e auxilio na criação da trilha sonora do exercício cênico. 

Foi em 2007 que também criamos o programa Palhaços em Rede, do qual sou tutor desde o seu início. Nessa função tive o prazer de viajar pelos quatro cantos do país dando oficinas de orientação e formação para grupos de palhaços com diferentes formas de atuação que visitam hospitais. 

IMG_7793

DBR_3413

Trocamos ricas experiências em nome de um movimento: a arte estimulando a mudança, promovendo a qualidade das relações humanas e cultivando a saúde.

Quase 21 anos… Doutores da Alegria é uma parte de mim. E já que vim parar aqui, daqui não saio, daqui ninguém me tira!

Payazos en rede

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Em outubro, fui para uma imersão besteirológica de cinco dias em Buenos Aires. 

Junto com a artista formadora Roberta Calza, levamos a metodologia da Escola dos Doutores da Alegria para o grupo Alegria Intensiva, que atua em oito hospitais locais. 

IMG_5198

Além das oficinas artísticas, acompanhamos alguns palhaços e coordenadores do grupo em dois hospitais. Discutimos muito sobre a natureza do trabalho, os programas de formação que temos no Brasil (Formação de Jovens, Palhaços em Rede) e sobre a promulgação da lei que recentemente instituiu a presença obrigatória de palhaços atuando nas pediatrias da Argentina. 

Neste texto quero falar sobre esse último tópico.

A lei determina que hospitais públicos da província de Buenos Aires serão obrigados a ter artistas especializados na arte do palhaço para a reabilitação de pacientes. 

A questão é muito delicada, pois envolve um trabalho que de fato é pouco conhecido com profundidade pela sociedade. Somente após a promulgação da lei, dois grupos foram chamados para pensar o treinamento e a seleção de todos os artistas que atuarão em hospitais. 

pulseras-rojas-alegria-intensiva2

Estão previstos dez meses de formação para o início das atividades e os perfis de intervenção divergem. Assim como no Brasil, há grupos profissionais e grupos voluntários atuando com diferentes abordagens. O Alegria Intensiva seleciona palhaços profissionais com formação (3 a 15 anos de experiência) para seu elenco; o Payamédicos, por exemplo, é composto por voluntários que visitam pacientes internados sem formação artística e sem treinamento contínuo, recebem apenas uma orientação. Há muitas questões a serem discutidas e articuladas. 

Qual o perfil desse palhaço? Qual a sua função artístico-social? Ele faz a paródia do médico (autoridade) ou entra sem jaleco (homem comum)? Qual é o seu roteiro no hospital e que tipo de informação troca com a equipe de plantão? Há uma formação artística e uma orientação básica para a atuação no hospital? 

hr -  Lana Pinho-2

O desejo do Alegria Intensiva é o de garantir essa formação para os interessados; sua preocupação é em como regulamentar essa atuação adequada e dentro do conformes previstos na lei. 

Para isso, querem iniciar diálogos com outros grupos que atuam na Argentina e discutir quais as necessidades desse trabalho por lá. Recomendei a eles que participem do Healthcare Clowning International Meeting 2016, um congresso com lideranças internacionais que discutirá, ano que vem em Lisboa, o trabalho do palhaço em hospital.

Um olhar para dentro e outro para fora! E o intercâmbio com Doutores da Alegria certamente foi um passo nesse sentido.

Mais encontros

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Uma das recompensas do nosso trabalho é ver grupos caminhando conosco em busca de uma atuação qualificada na área da saúde, que privilegie o acesso à cultura pautado na ética.

Cirurgiões da Alegria, de Limeira, é um amigo querido dos Doutores da Alegria, e suas escolhas e ações contribuem nessa travessia.

A organização trouxe para o interior paulista a 4ª edição do seu Encontro Nacional de Palhaços em Limeira com foco no tema “A Arte como Profissão e o Futuro do Terceiro Setor”. Trouxe uma programação de qualidade, que aliou mesas de discussão e workshops de formação durante o primeiro final de semana de agosto.

Fomos convidados a participar de uma das discussões, que envolvia uma conversa delicada e ao mesmo tempo relevante para a sobrevivência das organizações: a captação de recursos e a evolução do terceiro setor. Luis Vieira da Rocha, nosso diretor executivo, discutiu o tema com Anderson Previatti (Sorria ou Sorria), João Gonçalves (Doutores Coloridos), Marcos Lima (ACARTE Limeira), Giba Rizzo (Amigos do Nariz Vermelho) e João Ambrosecchia (Cirurgiões da Alegria).

_MG_8396

Acreditamos que os encontros sempre trazem trocas, reflexões e evoluções. E que venham mais! 

foto: Hiago Vilar

Oficina Palhaços em Rede no Rio Grande do Sul

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Em setembro do ano passado, o grupo Esquadrão da Alegria participou de uma oficina de orientação dos Doutores da Alegria com o objetivo de aprimorar sua presença no hospital. O grupo atua nas cidades de Santa Maria, Canoas, Porto Alegre e São Borja, todas no Rio Grande do Sul.

Encontrei um grupo bastante disponível, que comprava as propostas e as provocações. Trouxeram na bagagem muitos jogos para trabalhar e fortalecer a relação entre eles.”, conta Raul Figueiredo, tutor do programa Palhaços em Rede, que viajou até a região Sul para ministrar o curso.

O formador trabalhou conceitos que a Escola dos Doutores da Alegria desenvolve, como o olhar, o jogo, a escuta, o trabalho em dupla. Havia palhaços com diferentes níveis de formação. “A mistura foi bacana, uns puxavam cenas na estruturação e outros surpreendiam pelo frescor da primeira vez, da descoberta…”, conta Raul.

Para o Esquadrão, a experiência foi muito rica também. “O Raul nos mostrou que a descoberta do nosso palhaço pode ser doce, emocionante e suave. Que a simplicidade, a sensibilidade e o carinho empregado naqueles minutos interagindo com algum paciente, acompanhante ou profissional da saúde marcam para sempre a vida daquelas pessoas e por isso devemos estar sempre de coração aberto para dar nosso melhor.”, disse Sendi Spiazzi, integrante do grupo.

O grupo, que atua desde 2007 na região, é composto por 70 integrantes e acredita na formação constante na máscara do palhaço, tendo participado de diversos cursos de capacitação e também do 3º Encontro Nacional de Palhaços que Atuam em Hospital, em 2014.

A oficina veio coroar esse momento que o Esquadrão da Alegria está vivendo. Foi um sonho trazer nossos inspiradores pra nos dar um curso.”, contou Luciano Mai, presidente do grupo.

A função do Palhaços em Rede é justamente incentivar e apoiar grupos pelo Brasil. Compartilhar para aprimorar! Saiba mais sobre o programa e sobre oficinas pelo e-mail rede@doutoresdaalegria.org.br.

Obrigado, até o próximo Encontro!

Tempo de leitura: 5 minuto(s)

Depois de quatro dias de imersão no Encontro Nacional de Palhaços que Atuam em Hospital, é hora de voltar pra casa. 

adeus encontrao

O evento trouxe muita reflexão, debates e oficinas de orientação para participantes que vieram de todos os cantos do país. A ideia era discutir o trabalho dentro do hospital e a qualidade do que é levado para os pacientes. Raul Figueiredo (dr. Lambada), tutor do programa Palhaços em Rede e um dos idealizadores do Encontro, conta um pouco do que aconteceu por lá:

- veja o resumo do primeiro dia
- veja o resumo do segundo dia
- veja o resumo do terceiro dia

“É com muita alegria que escrevo para agradecer a todos que participaram do 3º Encontro Nacional de Palhaços que Atuam em Hospital e contar um pouco o que aconteceu nos quatro dias de evento, no meio do feriado da consciência negra! Creio que esse encontro abriu a consciência de muita gente para uma nova realidade, do que se espera e se exige para continuarmos atuando nos hospitais com potência e qualidade. 

Parabéns a toda equipe de profissionais dos Doutores da Alegria, das diversas áreas, que atuou na produção; aos artistas formadores que deram as oficinas de habilidades – música, jogo, improviso e mágica, assim como a oficina institucional – e aos palhaços que atuaram na Roda Besteirológica. Um agradecimento especial à Mirna e à toda a equipe do Liceu Santa Cruz, que abriu as portas, janelas, armários, geladeiras e ainda estendeu um tapete vermelho para nos receber com carinho e respeito durante todo o evento. 

Uma alegria receber mais de 100 participantes vindos de 13 estados brasileiros: Acre, Alagoas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Mato Grosso do Sul, Minas Gerais, Paraná, Paraíba, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo representados por 40 grupos: Anjos da Alegria, Arte Cura, Atos & Palhaços, Cia ETC & Clown, Circulo do Riso, Cirurgiões da Alegria, Compartilhando Riso, Clown Fusão, Doutores + Palhaços, Doutores da Pá Virada, Doutores do Coração, Doutores Sorriso, Doutorzinhos, Dr. Vascão, Esparatrapo, Esquadrão da Alegria, Expresso Riso, Fisioterapia com Alegria, G-Palhaços, Gema da Alegria, Hospitalhaços, Instituto Ha Ha Ha, Medicômicos, Narizes de Plantão, Núcleo Artístico GEMA, O olhar do Palhaço, Operação Alegrarte, Operação Arco Íris, Palhaços de Plantão, Palhamédicos, Plantão Sorriso, Presente da Alegria, Projeto Sorrir, Raros da Alegria, Sopradores da Alegria, Sorriso de  Plantão, SOS Alegria, Terapeutas do Sorriso, Trupe da Saúde, Trupe d"Alegria e Viver de Rir.

Agradeço aos nossos convidados médicos: Dra Maria Aparecida Basile e Dr. Luiz Fernando Lopes, e ao filósofo Emílio Terron por abrilhantarem nossas discussões com reflexões sobre o cuidar. Como eu me cuido para entrar no hospital, como cuidar do meu paciente, dos seus acompanhantes e dos profissionais que atuam conosco lado a lado nos corredores, salas de espera e nos quartos… 

Ao Wellington Nogueira e à Morgana Masetti por nos colocarem na linha do tempo e mostrar a importância do que estamos construindo; de qual palhaço somos representantes, temos uma linhagem e em que modelo de hospital atuamos? Como inserir o palhaço no movimento de humanização sem banalizar suas atribuições questionadoras e reflexivas? Como responder artisticamente às provocações que passamos e enfrentamos em nossos atendimentos hospitalares? 

Por fim, aos apoiadores, patrocinadores e aos ouvintes que acompanharam as mesas de discussão, palestras e cabarés! 

IMG_9915

Na abertura do evento tivemos a Roda Besteirológica dos Doutores da Alegria com cenas que saíram dos quartos de hospital e chegaram ao palco. Participaram Marcelo Marcon e Nilson Rodrigues (Dr. Mingal e Dr. Chicô) com Aula de Besteirologia, Layla Ruiz e Raul Figueiredo (Dra. Pororoca e Dr. Lambada) com Firuliru e Asa Branca, Val de Carvalho e Sueli Andrade (Dra. Xaveco e Dra. Greta) com Boneca Tayná, Wellington Nogueira (Dr. Zinho) com Ora, Bolhas!, Márcio Douglas e Du Circo (Dr. Mané e Dr. Pinheiro) com Atendimento – Encontro da Criança e novamente Raul Figueiredo e Val de Carvalho com Trilhares, relembrando uma cena criada em 2006 pela dupla. 

Na segunda noite de cabaré recebemos cenas de diversos grupos que participaram do evento: Eliseu Pereira (Dr. Gaguelho, Cirurgiões da Alegria) com Leôncio, o Gato Louco, Dênis Menezes e Annelise Caneo (Délcio Garapa e Arlinda Pestana, Cirurgiões da Alegria) com Música Havaiana, Sem Nome da dupla Bruno e Micheli Madalozo (Esparadrapo e Tibúrcia, Doutores Palhaços), Bruno Mancuso (Pelúcia, Trupe da Saúde) com Carlinhos Ganha um Ferrorama e várias cenas do Espetáculo Vitamina com os palhaços da Trupe da Saúde. Também nos divertimos com uma dublagem de Alex Mazzanti (Xurumi, Operação Arco Íris) e Renato Garcia (Dr. Gracinha, Gema da Alegria) nos apresentou a canção da bailarina.

Na terceira noite recebemos os artistas do documentário Circo Paraki e sua diretora Priscila Jácomo, que apresentou brilhantemente seus convidados: Pepin e Florzita, Loren e Marília de Dirceu. Que noite incrível tivemos, não? Quem ficou até o final e participou da conversa com certeza entendeu que o palhaço é a alma do circo e fez com que assumíssemos um forte compromisso com esse ofício… Emocionantes os depoimentos do quarteto e o respeito com a plateia. Tiramos o chapéu e aplaudimos de pé!

O Encontro só aconteceu nesse formato por que a rede de palhaços que atuam em hospitais atendeu à nossa provocação para discutir este ofício e contribuiu com questões que os impedem de realizar um trabalho melhor. Juntos pudemos trazer profissionais que nos ajudaram a pensar numa forma de construir um modelo de atuação visando a criação de uma nova profissão, para que em breve ouçamos nossos filhos e netos nos comunicarem que irão prestar vestibular para a faculdade de Besteirologia! 

A Escola dos Doutores da Alegria preparou as oficinas e o conteúdo tendo em vista as necessidades apresentadas na enquete realizada no grupo do Facebook do programa Palhaços em Rede. O que vimos foi um amadurecimento nas discussões e a compreensão do que nos propomos a fazer. A questão sobre quem começou primeiro – Michael Christensen ou Patch Adams – foi esclarecedora para que os participantes entendessem a real diferença entre um palhaço que faz a paródia do médico e o médico que se veste de palhaço. Para um, o palhaço é um fim, uma meta, um objetivo na vida; para o outro, um meio, uma ferramenta para acessar seu paciente. Não basta o amor ao próximo, é necessário estudar… Patch estudou por vários anos a Medicina antes de vestir-se de palhaço… Ele conhece o lugar onde vai atuar… 

O hospital não é um lugar qualquer. Precisamos estar preparados para enfrentar os desafios propostos lá dentro tanto nas questões da saúde como nas questões artísticas, quando nos propomos a vestir a máscara do palhaço, pois ela também requer estudo, assim como vestir a máscara do médico. Parece que isso ficou claro para os participantes! A importância em estudar e aprimorar o conhecimento: “Quem somos, o que fazemos e onde atuamos?”

Vamos fortalecer essa rede com nossas discussões, apontamentos de filósofos, artistas, profissionais da saúde e da nossa sociedade! Foi lindo, tocante, reflexivo, divertido, exaustivo, conflitante, confiante, empolgante, emocionante, relaxante e elegante! Enfim, foi o que deveria ser!

E tudo isso foi filmado pelo Sérgio Nogueira, da Bamboo, acompanhado da sua fiel escudeira Pietra, e o registro fotográfico ficou a cargo da querida Nina Jacobi.

Saímos satisfeitos desse terceiro encontro e deixamos uma provocação para os participantes:

Inspirados em tudo o que vivemos e desfrutamos nesses quatro dias, o que vocês acreditam que possam fazer de imediato já na próxima visita ao hospital? 

No meio do caminho tinha um palhaço…
Tinha um palhaço no meio do caminho
E agora José? Para onde ele vai?
Qual será seu fim?
Qual o meio para chegar a esse fim? 

Daqui a dois anos tem mais! Que em 2015 possam acontecer fóruns regionais conduzidos pelos grupos da rede para que em 2016 as discussões sejam ainda mais esclarecedoras. Que o comprometimento com o trabalho seja um valor alcançado por todos.”

Nós fomos: Congreso de Payasos Hospitalarios

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Dia desses chegou um convite para que participássemos do 2º Congreso de Payasos Hospitalarios em Cali, na Colômbia, organizado pela CaliClown. Quem representou a gente foi o Raul Figueiredo, ator, palhaço e tutor do programa Palhaços em Rede.

Congreso de Payasos Hospitalarios

Além de participar das palestras, ele ministrou uma oficina para mais de vinte pessoas – e tudo em espanhol! Acompanhe o diário de viagem do Raul:

“Assim que cheguei ao congresso, acompanhei as apresentações de Tsour Shriqui, do Dream Doctors de Israel, e de Wendy Ramos, do Bolaroja do Peru. Johana Barreneche, ex-aluna da Escola dos Doutores da Alegria, fez uma tese sobre o nosso trabalho e a apresentou no primeiro dia do congresso. Também tive boas conversas com Moshe Cohen (EUA), Luis Silva (Clown em Vie – Suíça), Magdalena Dragicevic (Clown Celula Roja – Chile e Equador), Juan Carlos Salazar (Titiriclaun Fundación Com-tacto – Colômbia) e com Ilana Levy (CaliClown – Colômbia).

No sábado e no domingo ministrei a oficina de palhaço para hospital. O lugar era uma antiga casa reformada. Um espaço cultural onde à noite estava acontecendo um festival de cinema. Muito bacana!

Na oficina haviam 24 pessoas, sendo cinco alunos de Medicina, dos quais quatro nunca tinham tido nenhum contato com teatro ou palhaço! Por outro lado havia palhaços com muitos anos de atuação em hospital. Assim, optei por exercícios que dialogassem com esse público tão diversificado. Mesclei as dinâmicas com os comentários sobre o palhaço e a atuação em hospital, criando os links para que pudessem entender a transposição do que fazemos em sala de aula para o atendimento.

Após um exercício, um aluno desabafou:

- Eu sempre entrei para ganhar, todas as outras oficinas falavam isso. Essa é a primeira vez que eu perco o jogo, mas entendi que a plateia ganhou com isso, se divertiam quando eu me equivocava.

Tivemos uma boa conversa após o improviso com objetos: o que precisamos de fato para a nossa atuação no hospital?Apresentei a música “Chapéu tem 3 pontas” e perguntei se eles tinham algo parecido. Uma das alunas cantou “Mi barba tiene 3 pelos” e criei na hora uma coreografia para brincar com ela trabalhando: memória, escuta, percepção e constrangimento.

No segundo dia estavam mais atentos, mais rápidos e precisos, com o corpo dilatado, tônus e olhar aceso. Falamos sobre maquiagem e figurino para hospital, sobre a autoridade, as competências, como o palhaço trabalha as suas habilidades, citei alguns palhaços que se esforçavam em fazer direito e como isso era engraçado, gostamos de torcer pelos mais fracos.

Todos foram muito generosos nos comentários e agradecimentos. Esperam que voltemos no próximo encontro. Muitos disseram que o conteúdo da oficina serve para além do palhaço, que utilizarão no seu trabalho e na vida!

Congreso de Payasos Hospitalarios

Obrigado pela oportunidade e nos vemos em uma próxima! HASTA LUEGO!!

O Raul também ministra oficinas na Escola dos Doutores da Alegria, em São Paulo. Quer saber mais? Escreva nos comentários do Blog ou envie um e-mail para doutores@doutoresdaalegria.org.br.

Você quer falar de quê?

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Neste ano quisemos ouvir o que os outros grupos que trabalham em hospitais querem discutir sobre o trabalho no 3º Encontro Nacional de Palhaços que Atuam em Hospitais, que acontecerá de 20 a 23 de novembro em São Paulo.

3 encontro nacional de palhacos

Nada mais justo, afinal a rede é horizontal e a ideia do programa Palhaços em Rede é estimular as trocas. Para tal, contatamos os grupos, estabelecemos um fórum e deixamos as seguintes questões para alimentar a reflexão:

- Quais são os grandes desafios para a humanização nos hospitais?
- Como o seu grupo se relaciona com estes desafios?
- E como se prepara para lidar com eles?

Muita gente boa soltou o verbo e mandou ideias. Foi sensacional!

Após coletar todas as sugestões, Raul Figueiredo, tutor do programa, associou as ideias e conceitos parecidos, inquietações e dúvidas que de alguma forma “conversassem” entre si e redigiu uma proposta, um ponto de partida para a definição das mesas de debate e das oficinas do encontro. A programação final do evento será divulgada em breve.

TEMAS PARA DEBATES: PALESTRAS, MESAS E OFICINAS
GESTÃO: ONG"s E OSCIP"s – ASPECTOS LEGAIS, PONTOS POSITIVOS E NEGATIVOS

Estratégias de captação de recursos para os grupos que atuam em hospitais. Talvez elaborar uma oficina que estimule os empreendedores sociais a pensar em outras maneiras de levar a arte do palhaço a outros ambientes e as formas inovadoras de manter o projeto financeiramente.

ARTÍSTICO: O FUTURO DO PALHAÇO NO HOSPITAL

Trazer consciência sobre a responsabilidade que esse trabalho requer nos hospitais e a importância da formação dos palhaços para que o trabalho seja bem feito. Como “regulamentar” nossa atividade? É palhaçoterapia? É risoterapia? É besteirologia? Que diferença faz? Pra quem faz diferença?

Como sair da rotina e reinventar novas formas de atuação, sair da mesmice das ações e formas de reinventar. Como preparar a formação deste palhaço num ambiente que naturalmente se torna o cotidiano dele. E como trazer a consciência do trabalho para as diversas frentes que trabalham no hospital, além da parceria com a Humanização?

Quais são pontos importantes para mantermos uma boa relação com o hospital e sentir o momento de encerrar a parceria?

“SEGURANÇA DO TRABALHO”

Discutir os diversos momentos de “choque” a que estamos suscetíveis em nosso trabalho. O palhaço frente à morte, dor, procedimentos que geram sofrimento, histórias tristes e que nos tocam, mexendo com o nosso emocional. Como interagir com profissionais da área da saúde?

PALHAÇO DE HOSPITAL X TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO

Como transformar os dados das visitas em informações. Que dados buscar? O número de visitas por período, eventos, palestras, festas, aparições, quantidade de pacientes visitados?

Como alimentar essas informações em planilhas para apresentação em patrocinadores e governo? Isso ajuda a realizar contrapartidas, assim como o “balanço anual”?  Desenvolver um sistema único onde os grupos registrados neste sistema alimentem cada um, por região, pra mostrar quanto o “palhaço de hospital” como um todo atende o Brasil.

PROFISSIONAIS DE SAÚDE – REVISÃO CURRICULAR NAS UNIVERSIDADES / FACULDADES

O palhaço transforma o ambiente hospitalar, mas o palhaço transforma o artista? O que essa experiência artística pode trazer para um futuro profissional de saúde, que treina muitas habilidades técnicas na faculdade, mas nem tantas habilidades interpessoais.

Com o surgimento de grupos de palhaços nas Universidades, como associar a vida acadêmica ao seu palhaço?

MAQUIAGEM E FIGURINO

Um curso sobre figurinos, acessórios e maquiagens adequadas, o que nunca usar e o que quando usar. Fundamentos da música para o hospital, jogo – o palhaço nas atuações e uma oficina de comédia física.

Você tem mais sugestões? Escreva nos comentários! Obrigado a cada um que participou!