O direito de ir para casa

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Uma decisão histórica, tomada nesta semana, afetará o delicado início de vida de centenas de bebês.

Barão de Lucena - Lana Pinho-129

Mulheres presas preventivamente e adolescentes internadas que estejam grávidas, amamentando ou que tenham filhos com até 12 anos, agora têm direito de ir para a prisão domiciliar. O habeas corpus se estende ainda a mães adolescentes em medida socioeducativa e a mães que tenham sob sua guarda pessoas deficientes, independentemente da idade.

O ministro Ricardo Lewandowski, relator da ação,destacou que apenas 34% das prisões femininas contam com dormitório adequado para gestantes, só 32% dispõem de berçário e 5% de creche. “Partos em solitárias sem nenhuma assistência médica ou com a parturiente algemada ou, ainda, sem a comunicação e presença de familiares. A isso soma-se a completa ausência de cuidado pré-natal, a falta de escolta para levar as gestantes a consultas médicas, não sendo raros partos em celas, corredores ou nos pátios das prisões, sem contar os abusos no ambiente hospitalar, o isolamento, a ociosidade, o afastamento abrupto de mães e filhos, a manutenção das crianças em celas, dentre outras atrocidades”, afirmou.

O argumento da Defensoria Pública foi o de que o ambiente carcerário impede a proteção à criança, admitindo que o ambiente insalubre dos presídios brasileiros, em sua grande maioria, é prejudicial mesmo ao ser humano mais saudável, e em especial para as gestantes.

“Pesquisas recentes da neurociência apontam que tanto crianças em ambientes como os das prisões, como aquelas em abrigos ou desacompanhadas de suas mães podem sofrer de um gravoso estresse tóxico, condição capaz de alterar negativamente as estruturas neurais do cérebro, limitando decisivamente o desenvolvimento de suas capacidades e deixando marcas para toda vida, como dificuldade de aprendizagem, doenças crônicas e o desenvolvimento incompleto de suas habilidades e potências. Tais efeitos negativos impactam também toda a sociedade, em um nefasto ciclo de violência e desigualdade de oportunidades desde o nascimento.”, disse Pedro Hartung, coordenador do Prioridade Absoluta, durante sua fala na Corte, ao lado de outras entidades que atuam pela garantia de direitos.

É importante dizer que mulheres já condenadas e que cumprem pena e também aquelas que, mesmo sem condenação, são suspeitas de crimes praticados com violência ou grave ameaça, contra os próprios filhos ou em situações “excepcionalíssimas”, não poderão deixar a prisão.

A decisão nos fez relembrar de uma história que aconteceu em 2013, no Hospital do Mandaqui, em São Paulo.

As artistas que ali atuavam ficaram tocadas com a vida de uma criança de apenas seis meses. Por problemas respiratórios, ela esteve no Hospital do Mandaqui, mas a verdade é que ela morava em um presídio com a mãe.

“A menina ouvia tudo com grande atenção e um olhar curioso.
A Dra. Xaveco arriscou um toque em sua mão. Ela agarrou o seu dedo sem querer soltar e a Xaveco não queria desgrudar porque sabia de sua carência. Após tantas visitas, a pequenina descobriu que se chorasse quando as palhaças começassem a ir embora do quarto, elas voltavam e cantavam mais um pouquinho.

Até que chegou o dia em que entramos no quarto e ela não estava mais lá.
Que bom que ela saiu do hospital!, dissemos uma para a outra.
E logo em seguida nos lembramos: Ah. Ela foi para o presídio.”

+ clique aqui para ler a história completa

Barão de Lucena - Lana Pinho-91

A reflexão, na época, era de que estar no hospital talvez fosse, para a pequenina, estar mais bem cuidada do que encarcerada. A partir deste ano, ainda bem, crianças como ela terão a oportunidade de retornar para a sua casa após a alta.

Você também pode gostar:

Você lembra da primeira vez em que viu um palhaço?

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Ver um palhaço ou palhaça pela primeira vez é uma experiência inusitada.

HU - Lana Pinho-97

Talvez o circo seja o lugar que mais foi palco do encontro entre crianças e palhaços. Mais recentemente a televisão, com seus personagens memoráveis, ocupou este espaço de encontro. E ambos os lugares têm em comum a distância: da cadeira na plateia ao sofá de casa, palhaços e crianças permanecem afastados, interagindo somente por meio da risada conquistada com uma gag clássica. Um ou outro pequenino tem a chance de dividir o palco, se unindo às trapalhadas do palhaço de circo.

No hospital, o palhaço se aproxima da criança, vai ao seu encontro.

Neste movimento, precisa se livrar da maquiagem e do figurino pesados (que, bem, são ótimos para quem os enxerga à distância!) e compor um personagem menos caricato, que possa se aproximar de um leito de hospital sem causar tanto estranhamento. Muitos dos palhaços do Doutores da Alegria, com suas origens no circo, passaram por este processo antes de incorporar o elenco. Surge o besteirologista, uma figura inusitada naquele ambiente.

HU - Lana Pinho-9

E é assim que alguns milhares de crianças (e adultos) tomam contato pela primeira vez com um palhaço: no hospital. Podemos dizer que a situação de adversidade traz esse “privilégio”? A possibilidade de um encontro potente, olho no olho, em um momento em que as emoções estão à flor da pele, carrega uma vivência única e sublime.

Palhaços e crianças estão, ali, mais próximos do que nunca. À distância de um toque. 

HU - Lana Pinho-58

O resultado desta união pode ser uma experiência de alegria. Mas também pode ser uma descoberta, uma pulga atrás da orelha, um momento poético ou até um choro contido – como muitas das histórias contadas neste Blog revelam.

E você, lembra-se do seu primeiro contato com um palhaço ou palhaça? Conte pra gente como – e onde! – foi.