BLOG
 

Além dos hospitais: uma nova visão sobre o preconceito racial

Nos primeiros capítulos da série sobre o preconceito racial, demos um panorama da sociedade brasileira e trouxemos histórias de pessoas da esfera da organização Doutores da Alegria. 

Hoje, Dia da Consciência Negra, seguimos com uma reflexão histórica e teorias bastante novas que vêm surgindo no meio acadêmico. Que este 20 de novembro seja um dia essencial para que mais pessoas tomem conhecimento de que o preconceito racial não é natural, e sim político, imposto como forma de dominação. E que possamos exigir políticas públicas que o enfrentem. 

eduardo-kobra-mural-grafite-com-limao-06-620x350Parte de mural grafitado por Eduardo Kobra

“Há negros de todas as cores. Existem, porém, muitos negros que não sabem que são negros. Mais do que necessária, a consciência negra é uma condição para impedir que nossa sociedade racista aponte do pior jeito a cor da nossa pele, nossos traços ou nossa origem. Neste país, todo negro é um sobrevivente. Sobrevivemos a toda sorte de adversidade, ao descaso, à violência, à miséria, às doenças, às piores condições de trabalho, aos piores salários, à falta de assistência, à discriminação. Sobrevivemos à escravidão, ao massacre da nossa cultura, à perseguição da nossa religião, a humilhações históricas e cotidianas. Precisamos do Dia da Consciência Negra para que todos os brasileiros possam pensar no país que querem construir. Precisamos deste dia para simplesmente celebrar o orgulho do povo negro: o orgulho de ter sobrevivido!”
Rodney de Oxóssi, antropólogo, escritor e babalorixá que há mais de 20 anos pesquisa relações raciais, racismo e religiões de matriz africana 

Trazendo luz à história africana do ponto de vista dos negros, diversos movimentos e coletivos sociais vêm se mobilizando para exigir políticas públicas que possam frear a discriminação em todas as esferas de poder, sobretudo pautadas na educação de base.

+ leia o capítulo 1 da série: Um retrato do que bate à nossa porta
+ leia o capítulo 2 da série: Um relato sobre uma vida de luta na pele negra

Neste sentido, convidamos o filósofo Ricardo Benedicto, mestre em Filosofia pela PUC-SP e doutor em Educação pela USP, que já esteve em nossa sede em março com a palestra “Reflexões Contemporâneas sobre o Racismo”, para contribuir com a superação de ideias equivocadas sobre o racismo. O objetivo é que este seja corretamente compreendido e enfrentado. 

O racismo como um sistema social,
por Ricardo Matheus Benedicto

“Não é, pois, na sequência de uma evolução dos espíritos que o racismo perde a sua virulência.” Frantz Fanon

A despeito dos excelentes estudos sobre o racismo realizados por Carlos Moore (2007), Racismo e Sociedade, e por Vulindlela Wobogo (2011), Cold Wind For the North, ainda persistem no imaginário dos afro-brasileiros entendimentos equivocados sobre este complexo fenômeno. Este breve texto pretende contribuir para a superação destas concepções com o intuito de que o racismo seja corretamente compreendido e enfrentado.

Antes de tratarmos destas visões errôneas, é preciso definir nosso objeto de análise. De acordo com Moore, o “racismo é um fenômeno eminentemente histórico ligado a conflitos reais ocorridos na história dos povos” (MOORE, 2007, p. 38). Para o etnólogo “desde seu início, na antiguidade, o racismo sempre foi uma realidade social e cultural pautada única e exclusivamente no fenótipo, antes de ser um fenômeno político e econômico pautado na biologia” (MOORE, 2007, p. 22). Já para Wobogo “o racismo branco é o abuso racialmente motivado baseado no reconhecimento do fenótipo ou ancestralidade praticado por brancos/europeus, suas instituições e seus aliados.” (WOBOGO, 2011, p. 23).

Os autores concordam, a despeito das diferenças existentes em suas definições, que o racismo pode ser compreendido como um sistema social estruturado para distribuir privilégios políticos, econômicos, culturais ao grupo racialmente hegemônico. Concordam também que este sistema produz ideologias que, para justificar esta modalidade de dominação, desumanizam o grupo considerado racialmente inferior.

Agora que definimos nosso objeto, podemos tratar dos equívocos mais comuns que ocorrem na análise e compreensão desta chaga que assola a humanidade. O primeiro deles consiste na explicação tradicionalmente aceita sobre origem do racismo. Esta explicação sustenta que o racismo é uma ideologia que nasceu na modernidade com o objetivo de justificar a escravização dos africanos e o imperialismo europeu. Para os defensores desta tese, o racismo teria vindo a luz por causa de razões meramente econômicas ditadas pelo desenvolvimento do capitalismo.

Esta tese, no entanto, não se sustenta, visto que não consegue explicar, por exemplo, algumas sentenças do Rig-Veda – escritas há pelo menos um milênio antes de Cristo –  como as que seguem: “o Indra protegeu seus súditos arianos durante as batalhas, subjugou a gente sem leis para o bem de Manu e conquistou a pele negra”; “você Indra, matador de Vrittra, destruidor das cidades, tem dispersado os dasyu gestados por um ventre negro”; “a cor negra é ímpia” (MOORE, 2007, p. 52). Também não pode explicar a referência abaixo retirada dos escritos dos sábios do Talmude escrita no século VI depois de Cristo: 

E já que você me desrespeitou […] fazendo coisas feias na negrura a noite, os filhos de Canaã nascerão feios e negros! Ademais, porque você torceu a cabeça para ver minha nudez, o cabelo de seus netos será enrolado em carapinhas, e seus olhos vermelhos; outra vez, porque seus lábios ridicularizam a minha má fortuna, os deles incharão; e porque você descuidou da minha nudez, eles andaram nus e seus membros masculinos serão vergonhosamente alongados! Os homens dessa raça serão chamados de negros, seu ancestral Canaã os mandou amar o roubo e a fornicação, se juntar em bandos para odiar os seus senhores e nunca dizer a verdade.* 

* Citação extraída da obra de Elisa Nascimento Pan-Africanismo na América do Sul, São Paulo: Vozes, 1981, p. 26. 

Além do mais, Moore demonstra que a origem do racismo é histórica e não ideológica, ou seja, seu surgimento não está relacionado com o pensamento de um – ou mais –  determinado autor, mas sim com conflitos reais pela posse de recursos ocorridos na história dos povos.

2parte da obra Mulheres Facetadas, de Di Cavalcanti

O segundo equívoco consiste em reduzir o racismo às manifestações discriminatórias que ocorrem no âmbito das relações interpessoais. Esta posição é incorreta, pois, além de confundir os conceitos de racismo e discriminação, ignora ou nega toda estrutura de poder historicamente existente nestes sistemas organizados para distribuir privilégios com base no fenótipo. Além do mais, este entendimento estimula a crença ingênua – ou nem tanto – de que o racismo, entendido não como um sistema social, mas como ato discriminatório praticado apenas por indivíduos, ainda existe por causa de pessoas ignorantes, sem instrução e que, desse modo, tende a desaparecer com o avanço educacional e científico no país.

Para mostrar que esta crença não tem fundamento, basta lembrar que Rui Barbosa[1] e José Veríssimo[2] defenderam a política nacional de branqueamento, que Fernando de Azevedo[3] defendeu e implementou no país um sistema educacional fundamentado na eugenia, que Anísio Teixeira[4] considerava as culturas africanas primitivas e que Darcy Ribeiro[5] considerava que no Brasil nunca houve barreiras de ordem cultural e linguística reforçando, assim, o mito da democracia racial. Estes pensadores, que ao longo da história do país deram sustentação ao sistema de dominação racial – ainda hoje vigente no país[6] – estão longe de serem pessoas ignorantes e sem instrução. Por fim, parece muita ingenuidade acreditar que um fenômeno que surgiu há mais de três milênios tendo, portanto, que se ajustar a diversas mudanças sociais, políticas e econômicas ao longo da história vá simplesmente desaparecer devido ao avanço da educação como se os sistemas educacionais oriundos de sociedades racistas, aqui vale recordar a definição de Wobogo, não estivessem comprometidos com este sistema social. 

Diante destas considerações, é urgente abandonar estas concepções simplistas sobre o racismo afim de que, inspirados nas tradições africanas e afro-brasileiras, possamos organizar instituições econômicas, sociais, culturais e políticas, pois somente desta forma poderemos enfrentar adequadamente o sistema racista vigente.”

O vídeo completo da palestra, que traz argumentos sobre a tese:

Notas de rodapé:
- artigo A Convenção Fatal: Dois Pontos de Vista. In: A Imprensa. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde, Vol. XXVI Tomo VII, 1899, p. 94. E seu Discurso pronunciado na sessão cívica de 28 de maio de 1917, no Teatro Municipal. Rio de Janeiro: Fundação Casa de Rui Barbosa, 1999, p. 35-36.

- obra a Educação Nacional Rio de Janeiro: Topbooks; Belo Horizonte: PUC Minas, 2013 e o artigo O País Extraordinário In: Jornal do Comércio, 04 de dezembro de 1899.

- obra Da educação física: o que ela é, o que tem sido e o que deveria ser. São Paulo: Melhoramentos, 1960.e a obra de Jerry Dávila Diploma de Brancura Política Social e Racial no Brasil 1917-1945. São Paulo: UNESP, 2006.

- artigo Educação e unidade nacional. In: Educação no Brasil. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1976, p. 326.

- obra Nossa Escola é uma Calamidade, Rio de Janeiro: Salamandra, 1984, p. 22 e seu artigo A América Latina existe? In: Ensaios Insólitos. Rio de Janeiro: Ludens, 2011.

- Charles Mills em sua obra The Racial Contract escreve: “A supremacia branca é o sistema político não nomeado que fez do mundo moderno o que ele é hoje. Você não encontrará este termo em textos introdutórios ou avançados de teoria política. Um curso padrão de graduação em filosofia começará com Platão e Aristóteles, talvez diga algo sobre Agostinho, Tomás de Aquino e Maquiavel, seguirá em direção a Hobbes, Locke, Mill e Marx, e então termina com Rawls e Nozick. O curso apresentará noções de aristocracia, democracia, absolutismo, liberalismo, governo representativo, socialismo, capitalismo de bem-estar, e libertarianismo. Mas, embora ele cubra mais de dois mil anos do pensamento político ocidental e trate ostensivamente de uma variedade de sistemas políticos, não há menção ao sistema político básico que moldou o mundo nos últimos séculos. E esta omissão não é acidental. Ao contrário, ela reflete o fato de que os livros de referência e os cursos foram escritos e planejados por brancos que tomam seu privilégio racial como natural e não o veem como político, como uma forma de dominação. Ironicamente, o mais importante sistema político da história global recente – o sistema de dominação pelo qual os povos brancos têm historicamente governado e, de certo modo continuam a governar os povos não brancos – não é visto como sistema político (MILLS, 1997, p.1-2).

Referências:

FANON, Frantz. Racismo e Cultura. In: Em Defesa da Revolução Africana. Lisboa: Livraria Sá da Costa Editora, 1980, p. 32-48.

MILLS, Charles W. The Racial Contract. Ithaca: Cornell University Press, 1997.

MOORE, Carlos. Racismo & sociedade: novas bases epistemológicas para entender o racismo. Belo Horizonte: Mazza Edições, 2007.

NASCIMENTO, Elisa L. Pan-africanismo na América do Sul: emergência de uma rebelião negra, São Paulo: Selo Negro, 1981.

WOBOGO, Vulindlela. Cold Wind From the North: The Prehistoric European Origin of Racism Explained by Diop’s Two Cradle’s Theory. Charleston: Books on Demand, 2011.

8 coisas que deveriam nos parar durante o dia

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Quero pedir desculpa, mas tenho que ser rápida. Parei agora pra escrever. Na verdade, parei agora para pensar o que vou escrever. Só que também não tenho muito tempo pra pensar e começo a escrever antes do pensamento.

Tenho notado uma aceleração interna. Em mim e no outro. Mas vou me ater a falar de mim, já que o outro não está aqui para se defender e dizer se concorda ou não com o que estou dizendo. Quero falar muitas coisas, mas já são 18h17 e, às 20h, tenho ensaio. 

Sabemos que tudo tem sua hora, mas nunca tinha passado pela minha cabeça que a CULPA tinha hora marcada. E ela escolheu o travesseiro para nos tirar da vertical, dos pés no chão. Durante o dia corremos freneticamente para resolver nossas muitas coisas, mas é à noite que, deitados, damos descanso ao corpo e voz aos pensamentos. 

Primeiro, lembro de respirar. Agradeço! E me arrependo por não ter parado durante o dia para fazer isso. Penso que na hora que fui ao banheiro, tinha que ter sentado, feito o que tinha que fazer e só quando acabasse é que deveria pegar o papel higiênico. Mas assim que entro, já logo pego o papel pensando em terminar, achando que aquela necessidade é desnecessária e estou perdendo tempo.

Culpa de ter passado pela minha cabeça a vontade de dar um abraço apertado, mas como tinha que ir ao dentista, dei um abraço frio de protocolo. Queria ter sentado com meu filho para montar seu quebra cabeça. Mas a minha cabeça estava noutro lugar. Queria ter dito “eu te amo” para minha mãe, mas estava procurando a chave do carro e achei melhor deixar para depois. Depois. Depois? Depois… 

Elenquei 8 coisas que deveriam nos parar durante o dia:

1. Perceber a respiração

HU - Lana Pinho-151

2. Abrir a janela

Barão de Lucena - Lana Pinho-119

3. Abraçar

Restauração -  Lana Pinho_-49

4. Sorrir

Itaci - Lana Pinho-47

5. Ver de que cor está o céu

Restauração -  Lana Pinho_-46
6. Ligar para dizer que está com saudade

IMG_6192

7. Ouvir o outro e perceber o quanto ele é você

Itaci - Lana Pinho-148

8. Chegar em casa 
IMG_0800

E antes que hoje já seja amanhã… Quero falar sobre a alegria que é encontrar todos no hospital. Falar da importância da parceria diária com os profissionais de saúde, de como cada encontro nos torna melhores, mais sensíveis e mais fortes. Agradecer a cada “mico” que vocês pagam quando a gente se esbarra nos corredores e vocês dançam com a gente.

Esse tempo é precioso e necessário. Nos sentimos vivos e bobos. Eita, tá chegando a hora do ensaio. Mas antes…. Vou ali dar um abraço demorado. 

Luciana Pontual, conhecida como Dra. Svenza,
escreve do Hospital da Restauração, em Recife.

Você também pode gostar:

Pequenas grandes coisas

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Às vezes, coisas grandes parecem tão distantes e, às vezes, coisas pequenas até parecem impossíveis.

Hoje, no quarto do L., aconteceu uma pequena grande surpresa. O que para muitos pode ser um pequeno gesto para a realidade, para ele foi uma grande conquista: ele bateu palmas!

Barão de Lucena - Lana Pinho-147

Pode até parecer tão pouco, mas para a realidade dele foi um verdadeiro aplauso. O L. vive num mundo que é bem dele e até mesmo para nós, besteirologistas, não é fácil atravessar essa fronteira. Na verdade, não sabemos onde começam ou terminam os limites desse mundo, mas o simples fato de ele bater palma mostrou-se como um grande aplauso, pois por um instante o muro que separa o mundo dele abriu suas fronteiras e nos permitiu a migração para um breve encontro.

Simples assim.

Num mundo cada vez mais dividido, esses momentos mostram de fato que o instante é breve e que tudo vale a pena. Há sempre uma preparação nessa vida para pequenas e grandes coisas, todas necessitam de um preparo. Nós nos preparamos para atender nossos pacientes e, a partir de cada encontro, pode surgir um mote para os próximos atendimentos, e isso vai fortalecendo os vínculos e criando possibilidades.

Mas tem dias que somos surpreendidos. Foi o que aconteceu com a P. 

Em uma de nossas passagens pelo ambulatório, ela descobriu que o Dr. Eu tem medo de um ratinho de estimação do Dr. Micolino. A diversão estava garantida. Passaram-se alguns dias e a P. estava numa enfermaria. Como de costume, chegamos, pedimos licença, entramos… E já dava pra perceber que havia algo no ar: a menina e a mãe dela cruzavam olhares, com um sorriso de canto de boca. O que poderia acontecer?

- Temos uma surpresa para os Doutores!, disse a mãe. 

Restauração -  Lana Pinho_-59

Elas falaram que era um livro e que o Dr. Eu precisava ler uma estória. Ele mal conseguia disfarçar a ansiedade, era sorriso de canto a canto. Nem sabia de que lado segurar o livro, que foi entregue nas mãos dele pela própria menina. Estava bem fechadinho e já marcado na página onde deveria ser aberto para a leitura!

Elas começaram uma série de recomendações: para abrir com muito cuidado, que era frágil, e que abrisse devagar, etc e tal. Nossa, quanta coisa pra uma leitura rápida de uma estória! E as duas sempre trocando olhares, o riso quase saltando.

Quando o livro foi aberto, dentro estava um ratinho de borracha! Dr. Eu mudou de cor, o choro ficou preso enquanto os risos da P., da mãe dela e do pai ecoavam soltos pelo quarto! E quanto mais o palhaço chorava, mais eles riam…

Restauração -  Lana Pinho_-42

E assim, de surpreendedores, passamos para surpreendidos. Essa história nos faz acreditar que vale a pena deixar que as pequenas coisas nos surpreendam, pois assim elas podem tomar um grande sentido em nossas vidas. 

Marcelino Dias, mais conhecido como Dr. Micolino, escreve do IMIP, no Recife.

Além dos hospitais: um relato sobre uma vida de luta na pele negra

Tempo de leitura: 6 minuto(s)

Quando optamos por estar em hospitais periféricos, sabíamos que nos depararíamos com uma realidade bem diferente do que encontramos em hospitais privados nos grandes centros urbanos. 

Estas áreas de fronteira são habitadas, em geral, por uma população negra e pobre, destituída de seus direitos básicos. Pessoas que atravessam a cidade, todos os dias, para trabalhar em empregos refutados pela população mais privilegiada. E neste cotidiano sofrem com a discriminação velada, por vezes negada, em função da cor de sua pele. 

HU - Lana Pinho-32

“As diferenças entre brancos e negros estão nas estatísticas sobre educação, saúde, emprego e várias outras áreas, mas em nenhum outro lugar ela é tão clara como na geografia e na distribuição de raças. A casa grande e a senzala seguem firmes e fortes, mas agora aparecem como centro e a periferia”, conta o repórter Rodrigo Bertolotto em matéria especial sobre racismo.

E mesmo alcançando posições de prestígio na sociedade, estas pessoas precisam lutar para reiterar suas conquistas. Dando continuidade à série sobre racismo, convidamos o ator, diretor, dramaturgo e educador Heraldo Firmino, coordenador do Programa de Formação de Palhaço para Jovens da nossa Escola, para falar sobre essa experiência – ou, como ele mesmo diz, “sobre essas marcas profundas, que vão sendo reeditadas na pele todos os dias”. 

Pra quem se interessar pelo tema e pela luta, no próximo dia 11 de novembro, sábado às 15h, Heraldo participa de um evento sobre a presença negra na comicidade no Sesc Santo Amaro, em São Paulo. Mais informações aqui.

heraldo firmino

“A tempo”, por Heraldo Firmino

Neste escrito fui misturando, propositalmente, o que sinto e o que sentimos.
No fim, é um pouco da história dos negros e negras em luta. Por apenas ser, só isso. 

A tempo de perceber, após 50 anos de existência, alguns porquês. A pele negra nos fez e faz passar por tantas coisas cruéis, injustas, desnecessárias, desagradáveis. “Aquilo que não mata, fortalece”. Sim, e deixa mais cascudo, bravo, com raiva, beligerante.

A sensação cotidiana é de estar em um lugar que não lhe pertence ou, pelo menos, que não querem que pertença. De olhar em volta e não se reconhecer ou tentar um reconhecimento onde não há. Ter uma condição ruim normatizada pelo sistema e reproduzida até por aqueles que nos querem bem, mas que também não enxergam. Assim é durante muito tempo, ficamos quietos e muitas vezes aceitando calado o destino, à sombra da sociedade, comendo pelas beiradas e continuando a viver. Viver? 

Durante muito tempo nos enganamos pensando que fazíamos parte, que éramos da turma, que estávamos na onda. Ilusão. A arte, aqui, nos aponta um caminho, nos coloca frente a frente com a situação. Questionei e questiono agora até esta arte. Há algum tempo fui beber na fonte dos derrotados, dos esquecidos, dos de menos valia. O conhecimento em curso me coloca em cheque, convicções caem às pencas, livros lidos agora são uma grande face maquiada que perde a cor, desbota, está bem borrada. É catastrófico por que é tudo o que sei, tudo o que aprendi. Por outro lado, abre um novo mundo de possibilidades. 

Agora, me cabe recuperar este mundo sequestrado de maneira tão vil, deixar emergir dentro de mim o melhor dos dois mundos. Uma tarefa dificílima, já que os meus pares simplesmente ignoram ou, por tão sensíveis que são, estão no máximo empáticos a esta atualização. Não falam, mas percebemos a estranheza com que somos ouvidos, as atitudes, a vontade de falar determinados assuntos e ter sempre uma comparação com alguma situação vivida por outro, como se esta situação tivesse alguma semelhança. Eu percebo que, quanto mais me aprofundo, mais distante vou ficando. É sufocante, não consigo explicar o que é inexplicável, só quem é, sabe. 

Sei que tentar entrar neste mundo pode ser muito dolorido, porque talvez as pessoas sintam um pouquinho do que temos que carregar diariamente. Nunca saberão, mas poderiam tentar, tenho certeza que é mais confortável ser favorável à causa porque, para muitos, é uma questão de princípios. Mas, ao virar a esquina, nossos mundos se separam. Sei que muitos nem estarão com outros como nós. Amanhã, talvez, quando nos encontrarmos em um fraterno abraço de bom dia. 

A tempo, continuo me aprofundando, entendendo que este não é um problema de negros e negras, ele é de toda sociedade. E visto deste lugar, porque tantos soldados apostos, e tão poucos dispostos a ir para o campo de batalha? Cansaço. Acho que a palavra mais apropriada neste momento. Não somos exóticos, aparentamos ter a idade que temos, vivemos nos mesmos espaços que você, mas somos tratados de maneira diferente. Seu olhar condescendente não ajuda, de diferença também não. Tampouco achar que somos iguais perante a sociedade, os governos, as instituições, o mundo. Saiba que não queremos nada, na verdade, só igualdade, só escuta sem interrupção, sem julgamentos. 

A cada esquina que viramos, tem uma pessoa que muda de calçada. Durante o dia, com o sol rachando, as pessoas nos olham passeando com nossa família e logo vem alguém oferecendo comida ou uma roupa velha para nossos filhos. Somos mal atendidos nos restaurantes, seguranças se movimentam e falam no rádio quando entramos em um mercado, banco ou qualquer um destes lugares. Ou somos parados pela polícia, na frente da nossa própria casa, e somos indagados sobre o que estamos fazendo ali. 

Ser tratado como bandido, e ter que fazer o jogo do policial porque não tem ninguém vendo, “ninguém vendo”, e posso ser rapidamente jogado dentro de um camburão porque eles não foram com a minha cara. Desde criança tenho medo da polícia. Fui maltratado naquela época, depois e agora ainda corro este risco e meus filhos também. É um lugar bem ruim de ficar, sempre alerta e sempre alerta mesmo! Dia desses, meu filho foi chamado de negrinho porque olhava uma vitrine, um brinquedo… Um brinquedo… A vontade era de… Ficou no pensamento… O ódio não pode ser a resposta para o ódio. Um gosto amargo fica na boca, quando parece que vai sair, acontece de novo, e de novo, e de novo… 

A tempo, sei que há vinte e cinco séculos esta opressão racista vem sendo construída e que está longe de ter uma solução. A desconstrução vai muito além de querer discutir posições neste momento. Atenção aos fatos, acredito que seja um bom caminho.

Um grande roubo da dignidade, dos afetos, das crenças, da arte, da cultura, das origens. E o que não é extinto, é absorvido sem dar a menor importância aos verdadeiros criadores, coisas banais que foram dadas ao mundo como a filosofia e o início do mundo “civilizado”. As mentes mais brilhantes que já andaram na terra vêm do Egito antigo, e eles eram negros. 

A tempo de perceber a grande alegria de ser, onde ser, com quem ser, sem ser invisível, sem ser vulnerável, ser menosprezado, sem ser julgado pelo fenótipo (aparência). A tempo de olhar nos olhos e ver que alguns (muito poucos) começam a enxergar, e a proximidade cria uma espécie de irmandade que é percebida em uma troca de olhares.

A tempo de perceber que é uma desconstrução difícil, porque o mundo é constituído assim, e que a maioria das pessoas vai achar muito cansativo, dolorido, psicologicamente aterrador, e talvez seja mais simples fingir que não aconteceu, não está acontecendo e não vai acontecer. 

Mas existe a ciência de saber e a escolha de esquecer, e você sabe! Sabe, porque não se importa se seu filho vai à escola “paga” e lá não haverá os filhos da diáspora africana, não se importa de viver num ambiente de trabalho e não ter parceiros de trabalho que tenham pigmentação da pele mais escura que a sua, e também acha normal que, quando eles aparecem, estão na condição de serviçais e são praticamente invisíveis. “Na boa”,um sorriso e bom dia, apenas, não muda muita coisa. Talvez não se importe, porque passou por muitas coisas na vida também e tem muita história triste pra contar. É a vida,e todos passaram por isso, mas ouvir isso não ameniza a falta de dignidade com que somos tratados toda vez em que tentamos contar o que nos acontece diariamente. 

Tem gente brigando por direitos, nós brigando pelo direito de ter direitos. Talvez, pra você ter uma ideia desta condição, pegue algumas dessas histórias tristes e, num exercício de empatia, coloque uma ou duas em todos os dias de sua vida. Talvez, então, comece a entender o que falo. Depois deste exercício, se tiver coragem de fazê-lo, talvez pense: pra viver assim tem que ser forte, determinado, viver um psicológico muito abalado, ter muito medo, vegetar, viver em abuso, sofrer e chorar, chorar muito. Mas um conselho: não chore na frente dos outros, pois vai levar mais porrada. Ser ignorado, preterido, trocado, vendido, explorado, ser objeto, invisível, saco de pancada. Desabafo? Não, constatação de alguém que as lágrimas escolhem por quem cair. Sou filho do acaso, do descuido institucionalizado, do olhar da mediocridade, em nosso simulacro fazemos o jogo de cena, seguimos nossos caminhos e vamos chegando, mas não nos garante nada. Podemos ser destituídos rapidamente dos lugares em que conseguimos chegar. Não foi fácil, não é fácil, não vai ser fácil. 

Os meus são todos, e não é nenhum. Pertenço, não sei. Tanta coisa subtraída que só nos resta seguir em frente e buscar o encontro. E eles acontecem, aos poucos, lentamente, na força e na sutileza. É duro pensar que o tempo está acabando, sinto isso, quero aproveitar mais, mas na minha jornada muitos olham e se identificam. Fiz parecer muralha, fiz parecer porto seguro, fiz parecer segurar tudo com retidão, mas a tempo de perceber que outros vem, como eu vim, e outros virão depois de mim. Vale e faria tudo novamente. Talvez desse mais tempo para mim, talvez! 

UBUNTU! É uma filosofia, fala da grandiosidade do ser humano, do poder matriarcal, da xenofilia, do coletivo. Talvez um caminho para acalmar a alma. O corpo pede dança e quando faz é feliz, quando canta é feliz, quando ama é feliz, quando goza é muito feliz. Corpo que ri muito, que brinca muito, precisa de espaço, cativa, festeja, abraça e beija, que recebe bem, cuida de alguém, eleva a alma, entra em êxtase com som de tambor, que joga capoeira. Erudito e popular? Para nós existe apenas o movimento. E todos esses atributos pertencem a uma cultura, “cultura do ser humano”, não à guerra.

Palhaços acompanham procedimentos médicos em Israel

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Ao redor do planeta, há muitas iniciativas diferentes de palhaços que atuam em hospitais. Elas nascem de uma ideia genuína ou inspiradas em projetos que prosperaram e se adaptam à cultura local e, como é de se esperar, ao sistema de saúde. 

Uma destas iniciativas se chama The Dream Doctors Project, e nasceu em Israel há quinze anos. Por lá, mais de 110 palhaços se revezam em 29 hospitais e centros médicos com uma incumbência: atuar junto aos profissionais de saúde durante os procedimentos médicos.

Clown+Doctors+In+Jerusalem+VJLwSPw6lhYx

Os palhaços se envolvem em mais de 40 procedimentos, acompanhando crianças em exames como tomografia, ressonância magnética, quimioterapia, radioterapia, fisioterapia e reabilitação; além de procedimentos dolorosos e complexos, como injeções nas articulações, terapias de queimaduras e acompanhamento de cirurgias.

A presença dos Dream Doctors, como são chamados, reduz o estresse e aumenta o bem-estar da criança, facilitando o diagnóstico pela equipe médica. A organização investe em pesquisas científicas para avaliar o impacto das suas ações nos hospitais. Eles já provaram, por exemplo, que o trabalho diminui a dor e alivia a depressão – e pode até tornar desnecessária a utilização de sedação em alguns casos.

Penny-Hanuka

Em 2011, a organização promoveu uma conferência para falar sobre suas pesquisas.Dream Doctors Project First International Conference on Medicine and Medical Clowning atraiu 250 participantes de 22 países a Israel. Em 2013, membros da equipe estiveram no Brasil junto a outras iniciativas, a convite de Doutores da Alegria, para discutir o futuro deste trabalho.

Na ocasião também esteve Michael Christensen, ator americano pioneiro em levar o palhaço a atuar sistematicamente em hospitais. “Os palhaços do Dream Doctor são totalmente e completamente inspiradores. Eles têm a integração mais profunda com a palhaçaria dentro do sistema médico de qualquer programa que eu já visitei – e essa integração tem incentivado a todos nós, como artistas, a se esforçar para esse mesmo tipo de unidade, respeito e comunicação”, afirma ele.

E se Wellington Nogueira, fundador do Doutores da Alegria, já dizia que a Besteirologia é profissão de futuro, o Dream Doctors Project trabalha ativamente para obter um reconhecimento oficial da profissão do palhaço que atua em hospitais, com padrões estabelecidos e reconhecidos pelo Ministério da Saúde de Israel.

17796872_1598885190129563_6221782351098279051_n

Mais recentemente, a organização criou um programa de intervenção em locais com emergências e desastres naturais, prevenindo o desenvolvimento de pós-trauma.

Esta iniciativa de Israel desenvolveu um modelo de atuação único. E embora tenham o palhaço como figura central, as iniciativas ao redor do planeta se diferem em seus objetivos e ações, mas convergem em uma certeza: a de que a arte inserida no universo da saúde veio para ficar.

O espetáculo que criou um hospital dos nossos sonhos

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Chegamos ao final da temporada de estreia do Numvaiduê, o espetáculo de comemoração dos 25 anos de Doutores da Alegria. 

NUMVAIDUÊ 3 - DNG

Ficamos em cartaz em setembro e outubro no Teatro Eva Herz, em São Paulo, com 11 palhaços em cena. Foram dois meses de apresentação com, felizmente, casa lotada.

Além disso, passamos por dois meses de intensa criação e ensaios. E, antes disso, muito tempo para conseguirmos apoios e projetos para que o espetáculo saísse do papel para as nossas cabeças. 

Confesso a vocês que algumas vezes tive receio da estreia.

O processo de criação requer tempo e muitas coisas criadas são descartadas no produto final, um trabalho de abandono do ego de cada um dos palhaços, um eterno pensar no bem de um todo, e não só no individual. Aliás, fiquei muito feliz com o produto que resultou desse trabalho. Reflete e muito, na minha opinião, o que fazemos no hospital.

NUMVAIDUÊ 1 - DNG

Em nosso trabalho pontual, deixamos a graça de lado, algumas vezes, para vivermos momentos graciosos, onde o que interessa não é o riso por si só, mas um riso que possui qualidade na relação com o outro. No teatro, apresentamos para 200 pessoas e, no hospital, muitas vezes apenas para paciente e mãe.

A arte ajudando a entender a vida, em Bora.ai/Estadão
- Doutores voltam ao palco com elenco impecável, em Revista Crescer
- Numvaiduê, em Revista Veja
- Doutores da Alegria é indicação de críticos infantis, em Folha 

Como transportar esse encontro do leito para o palco? 

NUMVAIDUÊ 3 - DNG

Essa era a minha apreensão e acredito que de todos que participaram do processo. Como representar 25 anos de trabalho de todos os palhaços que já passaram pela instituição Doutores da Alegria? Como transportar para o palco as nuances das mudanças de 25 anos de trabalho? A delicadeza, o poético e o gracioso juntos, sem cair no piegas…? 

Acredito que conseguimos. No palco, saímos um pouco da graça do picadeiro, sem desvalorizá-la, e habitamos a graça hospitalar. Sensível, sem pressa, cuidadosa, com olhar apurado e música. 

NUMVAIDUÊ 3 - DNG

O hospital está lá: em cada seringa, garrote, máscara, luva, enfermaria, berçário, sala de espera…

Por sinal, como retratar uma sala de espera de hospital de uma forma leve, poética e teatral? Eu e Dr. Zequim nos trocamos todas as segundas e quartas em uma salinha colada à “triagem”, onde costumamos falar que se tivéssemos um botão de invisibilidade para passar por lá seria sensacional!

Sabemos que as pessoas que lá estão talvez não queiram nem ver uma dupla de seres estranhos. Dor e apreensão imperam no ar. E respeitamos isso, sem nunca desrespeitar quem tem interesse naquela dupla que por lá passa. Isso requer uma escuta e um olhar apurado e treinado para isso e, principalmente, calma.

Mas não só calma. Todos os dias visitamos as alas que passaremos antes de nos caracterizarmos. Isso nos permite saber se a “triagem” está cheia, vazia, confusa, violenta… E acredito que em Numvaiduê, a presença da “sala de espera” e/ou “triagem” é fundamental. E lá está ela, em duas cenas! 

NUMVAIDUÊ 3 - DNG

E não tem como deixar de agradecer a todos do Hospital M’boi Mirim que foram nos ver no teatro: médicos, enfermeiros, pessoas da Administração e muitos outros setores. Aos que não puderam ir, não se sintam tristes, pois foram muito bem representados.

E bem, há de haver uma nova temporada ano que vem!

Duico Vasconcelos, conhecido como Dr. Pysthollinnha,
escreve do Hospital do M"boi Mirim, em São Paulo.

O que vai ter nesse mundo tão azul?

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Você imagina um ser humano pesando menos de um quilo? 

Bem, não é fácil de imaginar, não. Um ser humano que pesa menos que o prato do almoço da Dra. Juca! Mas sim, estas pequenas pessoas existem e muitas delas estão lá no berçário do Hospital Universitário. Ou no berçário do Hospital Barão de Lucena, em Recife.

Barão de Lucena - Lana Pinho-135

Todas as semanas as vemos crescer, engordar, aprender a mamar e, muitas vezes, aprender a respirar sozinhas! São pequenos heróis e heroínas que saem das barrigas das mamães antes do previsto e precisam lutar muito pra sobreviver.

E para isso, contam com uma equipe de profissionais de saúde que, além de muito carinho, possui um conhecimento e uma habilidade enormes para lidarem com essa batalha pela vida. Pais e mães também estão lá diariamente na luta com seus pequenos. Ah, eles ainda contam conosco, besteirologistas! 

Barão de Lucena - Lana Pinho-36

E é incrível vê-los crescer e sair do aquário, quero dizer, da incubadora… É que gostamos de chamar as incubadoras de aquário, ainda mais quando elas estão azuis e nossos pequenos usando óculos escuros. Muito lindos! 

Aproveitamos para fazer uma homenagem a estes pequeninos e aos profissionais de saúde no espetáculo Numvaiduê, que está em temporada até 29 de outubro no Teatro Eva Herz, em São Paulo. A música da cena é mais ou menos assim:

Como vai ser? O que vai ter nesse mundo tão azul?
O que será que tem detrás daquela porta
Uma estrada reta ou uma estrada torta?
Como vai ser? O que vai ter nesse mundo tão azul?

Tenho medo e tenho vontade
E a barriga da minha mãe já dá saudade
Como vai ser? O que vai ter nesse mundo tão azul?

Eu ouvi que nada é perfeito
Mas colo é colo, beijo é beijo e peito é peito!
Como vai ser? O que vai ter nesse mundo… Multicor?

NUMVAIDUÊ 3 - DNG

Juliana Gontijo, mais conhecida como Dra. Juca Pinduca, escreve do Hospital Universitário da USP, em São Paulo.

Onde já se viu palhaço no hospital?

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Batemos na porta do quarto. Abrimos. O menino nos olha e diz:

- Eu não gosto de palhaço!
- Nós também não!
, respondemos. Onde já se viu palhaço no hospital? Que falta de absurdo! Ridículo! O que palhaço vai fazer no hospital?

E a conversa segue nesse ritmo. O menino não entendendo e acompanhando o raciocínio, se é que existia algum, nos olhando com cara de espanto e alegria.

IMG_0745

No primeiro dia fomos embora com o gosto do “não” na boca, no ar. Na outra visita já chegamos dizendo pra todo mundo que estava no quarto:

- Olha gente, ele ODEIA PALHAÇO, não gosta mesmo. 
O menino com cara de espanto. Continuamos:
- Mas o Dr De Derson e o Dr Valdisney… Ele adora!

O jogo foi entendido. De fato, o menino gosta muito de não gostar de palhaço. E, bem, a gente adora falar que ele gosta da gente. Com cara feia e carinho, cada encontro é um acontecimento.

Val Pires, conhecido como Dr. Valdisney no Hospital Santa Marcelina, em São Paulo.

Você também pode gostar:

Além dos hospitais: um retrato do que bate à nossa porta

Tempo de leitura: 3 minuto(s)

O que entra pela porta de um hospital público é o reflexo da comunidade. Falta de saneamento básico, descuido com a alimentação, poucos espaços de lazer, violência doméstica, sexual, de identidade, intelectual: está tudo ali. 

HU - Lana Pinho-32

E o que entra pela porta da sede do Doutores da Alegria, há precisamente 14 anos, também é um retrato da cidade de São Paulo. 

Todos os dias, pouco mais de 20 jovens de diversos cantos desta metrópole se encontram aqui para ter aulas profissionalizantes de palhaço. O curso é gratuito e focado em jovens com o sonho de ganhar o mundo com seu nariz vermelho. Adolescentes, quase adultos, que não têm garantidos os direitos mais básicos nas comunidades em que vivem, mas apostam numa formação de qualidade e na arte como seu ofício. 

Foto_198

E se o que entra pelo hospital se torna matéria prima para o palhaço besteirologista, o que entra pela porta da nossa sede é alimento para Doutores da Alegria enquanto instituição. Pois bem, um destes estudantes trouxe uma experiência que faz parte da rotina de jovens e pobres da periferia: uma abordagem policial. Eis o seu relato: 

“Hoje fui abordado pela polícia e tinha tudo pra ser uma enquadro “normal”
Perguntou onde eu moro, onde trabalho e o que estava fazendo ali.
Respondi tudo da melhor forma possível
O policial me revistou, revistou minha mochila deixou uma zona.
Até que ele pediu para ver meu celular e pediu para eu desbloquear para que ele visse em que nome o iMei do celular estava.
Perguntou de quem era o celular 
Eu disse que era meu 
Ele perguntou quem me deu já que eu não trabalho 
(Pobre e preto de iPhone é uma ofensa)
Eu disse que comprei
Ele perguntou como
Eu tive que explicar que trabalhei 
Perguntou em que loja eu comprei
Eu disse que comprei de um amigo
Ele insinuou que meu amigo roubou e foi para o carro 
Chegando lá ele viu que o celular não foi eu que comprei, que foi comprado por outra pessoa 
Foi em minha direção pegou meu punho de uma forma grosseira e ignorante ao ponto de fazer meu relógio sair do pulso
Ele pisou no meu relógio ao ponto de quebrar e arranhar 
Me colocou no porta mala da viatura disse que eu iria para delegacia 
Eu implorei perguntando se eu poderia ligar ou mandar msg para a pessoa que comprou. 
Ele disse para eu mandar msg na frente dele
Eu mandei meu amigo respondeu rapidamente 
O policial foi para o rádio e confirmou o cpf 
Depois de um tempo ele me liberou como se nada tivesse acontecido. 
Meu relógio quebrado não era meu maior problema. 
O problema é que amanhã vou passar nessa rua novamente e sei como vou ser lembrado por aquelas pessoas que viram.”
 

É sabido que jovens e negros são as principais vítimas de violência no país. 

O Brasil registrou*, em 2015, quase 60 mil homicídios. Foram 60 mil assassinatos em um ano. Os homens jovens (15 a 29 anos) continuam sendo as principais vítimas: mais de 92% dos homicídios representam essa parcela da população. A cada 100 pessoas assassinadas no Brasil, 71 são negras, sendo que os negros possuem 23,5% mais chances de serem assassinados em relação a brasileiros de outras raças, já descontados os efeitos da idade, escolaridade, do sexo, estado civil e bairro de residência.

[* dados do Atlas da Violência 2017, produzido pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada em parceria com o Fórum Brasileiro de Segurança Pública. ]

Os números e casos como o deste estudante ilustram uma realidade que às vezes esquecemos ou tentamos fingir que não está ali, mas que bate à porta todos os dias. A violência contra a população jovem e negra cria marcas profundas que vão sendo reeditadas na sua pele todos os dias. A situação é ainda agravante para as mulheres negras, que sofrem com o racismo e com o machismo em nossa sociedade.

HU - Lana Pinho-151

A história do Brasil é carregada de violência contra a população negra, desde a violência que foi socialmente aceita, como a escravidão e as políticas de branqueamento da população (a serem tratadas no próximo capítulo), até a violência implícita que se dá através do preconceito racial. Negros ocupam os maiores bolsões de pobreza do país, são maioria nas penitenciárias e sofrem por não ter representatividade. 

A nossa sociedade precisa agir de maneira efetiva para diminuir estas pequenas e grandes tragédias. Movimentos sociais e coletivos se mobilizam para exigir políticas públicas para frear a discriminação em todas as esferas de poder, sobretudo pautadas na educação de base, trazendo luz à história africana do ponto de vista dos negros. 

A arte é outro campo que pode contribuir com este movimento, desconstruindo conceitos e questionando a visão eurocêntrica. A Escola dos Doutores da Alegria se ocupa em formar artistas engajados, com capacidade de ler a realidade em que estão inseridos e propor uma intervenção crítica. 

Foto_52

E se inspirar políticas públicas é nosso dever como organização, é preciso beber da fonte de movimentos sociais e dialogar com estes jovens. O caminho para uma sociedade responsável e de relações saudáveis já bate à porta de todos nós.

O que é ser enfermeira

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Andei pensando muito sobre algumas semelhanças entre os palhaços e os profissionais de Enfermagem. 

HU - Lana Pinho-166

Enfermeiros e enfermeiras enfrentam batalhas intensas no seu dia a dia e nem sempre saem ilesos. E não digo só fisicamente, mas digo da alma e do coração.

Tem um poema muito lindo do grande mestre palhaço Picolino (Roger Avanzi) que diz o que é ser palhaço. Resolvi fazer uma homenagem aos profissionais de saúde, então mudei e adaptei algumas palavras. Depois de pronto, dei uma olhada novamente e me espantei com a semelhança dessas duas profissões tão distintas em alguns aspectos…

HU - Lana Pinho-163

Não vou dizer mais nada, esse poema vai falar por mim. Aliás, por vocês. 

Peço licença poética pois às vezes algumas palavras não rimam. Espero que gostem, pois é de coração e admiração! Ah, quero dedicá-lo à minha esposa enfermeira, Íris Lima.

 

“Eu quero explicar a vocês
O que é ser uma Enfermeira
O que é ser o que eu sou
E fazer isso o que eu faço
Ser Enfermeira é saber distribuir
Cuidados e bom humor
E com esforço auxiliar
O paciente espectador

Muita gente diz Enfermeira
Quando quer chamar alguém
E esse nome pronunciam
Com escárnio e desdém

E ao ouvir esta palavra
Outros sentem até pavor
Como se Enfermeira fosse
Criatura inferior

Mas de uma coisa fiquem certos
Para ser uma boa enfermeira
É preciso alma forte
E também nervos de aço

E além de tudo é preciso
Ter um grande coração
Para sentir isso o que eu sinto
Grande amor à profissão

   

A Enfermeira também tem
Suas noites de vigília
Pois lá na sua casa
Ela tem a sua família

Enfermeira, meus amigos,
Não é nenhum repelente
Enfermeira não é bicho
Enfermeira também é gente

Falo isso em meu nome
E em nome de outros enfermeiros e enfermeiras
Que muitas vezes trabalham
Com a alma em pedaços

Ser enfermeira
É saber disfarçar a própria dor
É saber sempre esconder
Que também é sofredor

Porque se a Enfermeira está sofrendo
Ninguém deve perceber
Pois a enfermeira nem tem
O direito de sofrer”

 

  

 

Sandro Fontes, mais conhecido como Dr. Sandoval,
escreve do Instituto da Criança, em São Paulo.