BLOG
 

Mãe é tudo igual? Conheça estas do hospital

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Já ouviram aquela: “Mãe é tudo igual”? Pois bem, as mães que encontramos nos hospitais merecem um estudo aprofundado. E foi o que fizemos.

Acreditem: cada ala do hospital tem sua mãe característica. Em comum, elas têm força e dedicação. Algumas nos provocam, outras desconfiam, muitas nos pegam emprestado e brincam feito crianças. Em homenagem ao Dia das Mães, vamos apresentar quatro tipos mais frequentes que estudamos.

Mãe da neonatal

Tem cara de sono e dorme na primeira oportunidade. Se a gente não tomar cuidado, pode dormir no meio do atendimento. Não entendemos o motivo, pois aqueles anjinhos vivem dormindo, não choram, não comem feito pintinhos, não fazem caquinha na fralda, não dão o menor trabalho… 

Barão de Lucena - Lana Pinho-133

Mãe da enfermaria

Divide espaço com outras diversas mães. Todas se chamam pelo nome (“Olha, Ana, os palhaços estão mangando de tu!”), conhecem as preferências umas das outras (“Toca sofrência, palhaço, que ela gosta!”) e entendem muito de Psicologia Social (“Foi aquela ali que falou, palhaço! Ela é barraqueira!”).

Foto_65

Grajaú - Lana Pinho-102

É a mais animada, falante, dançante e implicante. Não sabemos bem como ela desenvolve essa capacidade, mas consegue simultaneamente arrumar o cabelo, passar sermão no marido, trocar fralda, falar ao celular com a comadre, prestar atenção no que estamos fazendo e, se desconfiar que estamos falando dela, pode, do nada, correr atrás da gente. Ou seja, precisamos estar sempre alertas!

Mãe do canguru

Está sempre às voltas com as seringas de leite. Típica mãe do “coma só esse pouquinho, meu filho”. Todas as vezes que chegamos lá, está alimentando o bebê. Agora sabemos de onde vem essa coisa das mães sempre acharem que os filhos estão magrinhos e precisando comer mais: vem lá do canguru. 

Auto de Natal - Doutores - Lana Pinho-59

Barão de Lucena - Lana Pinho-34

Ah, sim, todas as “canguretes” amam usar um sutiã gigante especial onde carregam os bebês. Já virou moda por lá.

Mãe da UTI

A mais silenciosa… Quando está lá dentro.

Itaci - Lana Pinho-180

RT_040_180320

Contudo, outro dia encontramos com a… Bem, vamos poupar a sua identidade, chamaremos de Celinha. Encontramos a Celinha sentada em uma cadeira, apartada de todos, num canto da UTI. Estava de castigo, entendemos logo. Fizemos exames e liberamos a Celinha para o convívio social! Quando estão do lado de fora, as mães da UTI se juntam em grupos que parecem reunião de bazar.

Mãe quebrada

É a mãe que acabou de perder seu filho. Não sabemos outro nome para designar essa mãe, porque quando a olhamos podemos ver um vaso partido, quebrado em mil cacos. Por uma força inominável, ela não se desfaz. Não sabemos narrar essa mãe, temos ausência de palavras.

IMIP - Lana Pinho-114

Mas Eliane Brum, escritora e jornalista, achou palavras no escuro do silêncio:

“Só naquele momento, ao apalpar a dor das mulheres cujas crianças viveram mais no seu desejo do que na vida, alcancei a soleira da dor da minha mãe por aquela filha (já morta). Maninha não tinha vivido apenas cinco meses, já que o tempo de um filho não se mede por dias, meses ou anos. Um filho é mundo sem tempo. Eu estava diante de mulheres empaladas pela dor. O resto era mal-entendido. Há mal-entendidos demais numa vida humana.” (Meus Desacontecimentos, de Eliane Brum).

Uma homenagem a todas as mães. Iguais ou não.

Eduardo Filho, mais conhecido como Dr. Dud Grud, e Greyce Braga, a Dra. Monalisa, escrevem do Hospital Barão de Lucena, em Recife.

Dois pais, dois bebês e uma TV que precisava de cirurgia

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Parecia um dia normal de consultas e exames besteirológicos na rotina de Dr. Sandoval e Dr. Valdisney. Mas apenas parecia…

Entram os dois os dois médicos besteirologistas num quarto da Pediatria. Lá estavam dois pais, dois bebês e uma televisão. E tinha um clima de frustração no ar, assim como uma TV, fora do ar.

Os pais fizeram uma vaquinha para comprar um aparelho que aparentemente faria funcionar o sinal da TV, que estava ruim, para poderem assistir a desenhos animados (os bebês!) e jogos de futebol (os pais!). Tentaram de todas as formas, mas nem a TV e nem o aparelho funcionavam. Eis então a grande ideia: cirurgia na televisão.

IMG_8297

Sim, Sandoval e Valdisney fizeram pequenos exames de avaliação na paciente televisão. Valdisney entrelaça seus cabelos à antena da TV. Nada. Sandoval dá pequenos tapinhas delicados. Nada. Diversos procedimentos sem sucesso. Enquanto isso, os pais observam, esperançosos e intrigados, as ações dos besteirologistas. 

Então começa a parte mais delicada da cirurgia: desmontar tudo e religar o aparelho à TV. O silêncio toma conta do quarto e o suor toma conta de Valdisney e Sandoval, pois estava um calor danado! Não foram 1 ou 2 minutos dedicados à saúde e melhora da TV, e sim 10 minutos de tentativas incansáveis. Tudo religado, cabos devidamente encaixados, antena posicionada, agora bastava fazer o teste. Ligamos a TV e… Nada, nada e nada de imagem e som. 

De repente, próximo à mesa onde servem o almoço para os pacientes, Valdisney avista o controle da TV. Rapidamente passa para as mãos de Sandoval. Começa mais um procedimento. Corrida contra o tempo, pois o programa de futebol iria começar a qualquer instante. A paciente televisão não reagia, será que estaria tudo perdido? Pausa dramática!

IMG_8202

Valdisney faz mais uma troca de cabo e Sandoval segura o controle da TV apertando, incansavelmente, todos os botões. E eis que o que parecia impossível vira realidade: a bendita televisão funciona e se recupera bem após a cirurgia.

Todos se abraçam e comemoram a volta da TV como se fosse um gol do Brasil na Copa do Mundo! Dr. Sandoval e Dr. Valdisney talvez sejam os primeiros besteirologistas a operarem, com sucesso, um aparelho de televisão. 

Sandro Fontes, mais conhecido como Dr. Sandoval, escreve do Hospital do Campo Limpo, em São Paulo.

Quem cuida de nós enquanto os médicos adoecem?

Tempo de leitura: 3 minuto(s)

Quem cuidará de nós, na condição de pacientes, quando os médicos estiverem doentes?

Essa pergunta pode parecer incoerente, uma vez que a figura médica é frequentemente vista como impedida de apresentar sinais de fragilidade humana. Mas acontece. E a doença pode se dar de forma sutil, às vezes imperceptível – como o estresse ou a depressão –, ou de um sobressalto, como a síndrome de burnout (esgotamento) e o suicídio.

Desde a entrada na faculdade, o profissional de Medicina já carrega um fardo pesado, que alia uma rotina intensa de estudos à maturidade forçada para lidar com a vida e a morte. No início da carreira, muitas vezes precisa se sujeitar a jornadas de plantões, pressão por produtividade, poucas horas de descanso e afastamento do seu círculo social. 

Doutores da Alegria - M_Boi Mirim - Créditos para Nego Júnior © 2018 - IMG_3906

“Entre os profissionais hospitalares, o médico é visto como personagem revestido de muito poder, crítica e racionalidade. Seu poder – consolidado ao longo da história e de difícil revisão – emana justamente das decisões cruciais que toma.”, conta a psicóloga Morgana Masetti no livro Boas Misturas, A Ética da Alegria no Contexto Hospitalar. O oncologista Drauzio Varella, em um artigo para a Folha de S.Paulo sobre os últimos 50 anos da Medicina no país, ajuda a entender: “A lógica de mercado invadiu o sistema de saúde. Administradores alheios à profissão trouxeram palavras de ordem às quais [nós, médicos] não estávamos habituados: produtividade, racionalização da mão de obra, economia de escala, lucratividade, fusões, corporações, capital de risco.”

E como evidenciamos nos hospitais em que atuamos, a crise na saúde pública compõe mais um capítulo desta história. Médicos e médicas lidam com condições de trabalho inadequadas para oferecer atendimento aos pacientes, como falta de materiais básicos, aparelhos, remédios, leitos. No Hospital Universitário da USP, que vem sofrendo sucateamento nos últimos anos, mais de 25 médicos pediram demissão, sem reposição de profissionais. Serviços foram cortados e os horários de atendimento dos prontos-socorros adulto e infantil foram restringidos, além da redução de 21% no número de leitos.

RT_017_180320

Uma matéria especial do UOL Tab tratou do suicídio de estudantes e profissionais de Medicina – um assunto tão delicado e cercado de preconceitos que a própria classe tem dificuldade de compreender. “O suicídio por si só já é um tabu. Na classe médica, é mais ainda. É muito comum esses médicos não serem atendidos adequadamente nos serviços de emergência porque há um certo desrespeito pelas tentativas. Por ser um ato intencional, é como se a pessoa tivesse liberdade plena da escolha que fez. Muitas vezes, não têm. No momento que faz a escolha, ela tem uma distorção da percepção”, explica Alexandrina Meleiro, doutora em Psiquiatra do Instituto de Psiquiatria da USP.

Excluídas as mortes por causas externas, como doenças, tirar a própria vida foi a segunda causa da morte de médicos paulistas entre 2000 e 2009, só ficando atrás de acidente de carro: o suicídio é a causa da morte de 18% dos homens e 21% das mulheres. O levantamento foi feito pela Unifesp (Universidade Federal do Paraná) e Uniad (Unidade de Pesquisa em Álcool e Drogas), com o apoio do Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo). 

Segundo a matéria, universidades, conselhos regionais de Medicina, sociedades e associações médicas têm promovido palestras e simpósios sobre o tema, com a perspectiva de reduzir o anseio e a vergonha dos profissionais em debater sobre sua própria saúde. E para nós, artistas, que habitamos os hospitais e nos relacionamos com diversos profissionais de saúde, fica a tarefa de compreender a fragilidade humana por trás de um jaleco e uma postura mais séria.

A linguagem do palhaço cria uma atmosfera empática: mães e pais de crianças hospitalizadas estabelecem uma intimidade imediata com os artistas por meio da brincadeira e da delicadeza da relação imposta pela doença. Extravasar este jogo para a relação com médicos, em nosso dia a dia, é um caminho que já estamos percorrendo há algum tempo e obtendo resultados: quando fica estabelecido um laço de confiança entre palhaços e profissionais de saúde, este elo se amplia para todas as relações que se dão no ambiente hospitalar, criando uma condição de convivência mais potente entre todos ali.

Talvez este seja um pequeno grande passo que revela que somos todos humanos, temos todos nossas fragilidades e somos todos capazes de cuidar uns dos outros.

GAC-PROCAPE-   Lana pinho-112

Congresso Internacional de Palhaços em Hospital: estivemos lá

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

A intervenção do palhaço no hospital sob a ótica da cultura, da saúde e da ciência foi o tema discutido em um congresso internacional na cidade de Viena, na Áustria.

Thursday Plenary Session

O Health Clowning International Meeting, organizado neste ano pela Red Noses Clowndoctors, aconteceu nos dias 4, 5 e 6 de abril e conseguiu atrair organizações (gestores e artistas) do mundo inteiro, além de profissionais de saúde e pesquisadores – 400 pessoas de 50 países trocaram experiências em um empolgante encontro.

As pautas foram as diferenças e semelhanças entre as intervenções de palhaço mundo afora, as ações do ponto de vista dos pacientes, o papel do palhaço na sociedade, o estudo científico da intervenção e os desafios que as organizações devem enfrentar no futuro.

HCIM2018_day1-3-6

Thursday 1400-1545 Parallel Session

Nossos diretores Daiane Carina, Ronaldo Aguiar e Thais Ferrara representaram Doutores da Alegria na companhia da psicóloga e pesquisadora Morgana Masetti. A equipe participou das plenárias, com assuntos diversos e de interesse comum, das sessões paralelas com apresentações de temas específicos e também das oficinas práticas.

Thais Ferrara apresentou a Escola dos Doutores da Alegria em uma sessão sobre modelos de educação e profissionalização. Apresentar a nova governança da associação Doutores da Alegria ficou sob a responsabilidade de Daiane Carina.

1100-1230 Parallel Session Friday

Morgana Masetti falou sobre as mais recentes pesquisas sobre o palhaço na saúde. Já Ronaldo Aguiar conduziu uma oficina cujo tema foi o corpo cômico dentro do hospital.

0900-1030 Parallel Session Friday

1100-1230 Parallel Session Friday

O criador do movimento – o ator americano Michael Christensen, fundador do The Clown Care Unit – também esteve presente: “Isso aqui supera todas as minhas expectativas! Sou muito grato e orgulhoso pelo que nosso movimento se tornou. Este é apenas o começo de algo muito maior, já que o humor pode ser benéfico para muitas áreas fora do ambiente hospitalar.”, expressou ele.

Wednesday Opening Plenary

A convergência entre arte, saúde e ciência se deu nas falas de profissionais de saúde, que dividiram o palco com artistas. Dr. Peter Ahlburg, anestesista do Hospital da Universidade de Aarhus, vê os palhaços como colegas e os consulta regularmente antes de cirurgias na Pediatria. “O aspecto psicológico, emocional, infelizmente, é frequentemente negligenciado no cotidiano do hospital. Médicos e cuidadores não têm tempo e também o conhecimento para isso. Essa é mais uma das razões pelas quais sou muito grato por meus colegas palhaços, pois eles me ajudam e permitem que eu me concentre mais em meu trabalho, criando uma atmosfera relaxada que tem um efeito positivo sobre todos os envolvidos.”, disse ele.

Outra questão levantada foi o impacto do trabalho, assunto de relevância para doadores, patrocinadores, instituições e para a sociedade que apoia as causas. Essa é a razão pela qual mais e mais organizações estão entrando no campo científico e alguns resultados foram compartilhados por Morgana Masetti e pesquisadoras que constituem um núcleo internacional de pesquisa (Itália, Portugal e Brasil).

Thursday 1400-1545 Parallel Session

O tom austríaco se fez presente pela precisão dos horários em cada evento, o que foi temperado com leveza e bom humor, principalmente pelo mestre de cerimônias, extremamente sério e divertido, e as intervenções de três palhaças.

Wednesday Opening Plenary

Além do encontro, um cabaré de palhaços de vários países e um jantar imperial contribuíram para estreitar os laços entre os participantes. Neste último, os convidados aguardavam por um imperador que “não chegava” e, durante a espera, cada organização era convidada a trazer uma lembrança de seu país para a autoridade.

Doutores da Alegria entrou ao som do kazoo, com duas sombrinhas de frevo: Ronaldo e Daiane dançavam, enquanto Thais comandava o kazoo e Morgana levava uma tiara com nosso miolo mole em sua cabeça – que acabou ficando, claro, com o mestre de cerimônias.

HCIM2018_Rathaus2-079

 

HCIM2018_Rathaus2-063

De volta ao Brasil, a equipe ficou com a missão de preparar um documento com as principais conclusões do encontro, que será apresentado em breve.

E, assim como no encontro realizado há dois anos em Portugal, voltamos convictos de que Doutores da Alegria é uma organização forte e referenciada mundialmente, com uma enorme responsabilidade em função disso.

| fotos: Jakob Polacsek, Angelika Goldmann e Luis Harmer |

Doenças graves, reações surpreendentes

Tempo de leitura: 3 minuto(s)

O Instituto da Criança tem uma dinâmica diferente dos outros hospitais que atuamos. Enquanto nos outros temos a sazonalidade das doenças, um período de distúrbios intestinais e outro de problemas pulmonares, no ICr temos uma gama de processos que desconhecemos.

Nos outros hospitais o mais impactante é a situação social das crianças, no ICr é a gravidade das doenças. Muitas vezes não sabemos avaliar, ficamos com muitas dúvidas sobre o estado geral delas e às vezes, por não ter informação suficiente, subestimamos seu estado. Mas neste mês tivemos boas surpresas e quero contar algumas delas.

Foto_93

Um olhar diz muita coisa

O B. fica sempre na cama, com movimentos reduzidos. Não é muito reativo, mexe os olhos, mas não fala. Ele tem uma deformação na coluna e uma traqueostomia. 

Já tínhamos entrado em seu quarto antes, mas por conta de um procedimento, apenas fizemos algumas bolhas de sabão e saímos. No outro dia estava dormindo. No terceiro dia, eu e Dr. Dus’Cuais entramos e ele começou a olhar para o violão.

- Quer uma música?, pergunto.

Ele faz um “não” com a cabeça. Tiro o violão da frente e ele olha para um bolso. Mostro o que está no bolso e ele faz outro não. Olha para outro bolso. Mostro o que tem lá. Não! B. olha de novo para o bolso e depois para o teto, repetidas vezes. Entendo que são as bolhas. 

Quando as tiro do bolso, ele abre um sorriso. Faz “sim” com a cabeça. Assim que soltamos bolhas, seus braços, lentamente, levantam para tentar agarrar algumas, com certa descoordenação. Ao pegar umas delas, abre um sorriso inesperado.

_MG_5988

Para mim foi tudo inesperado, pois naquele momento se revelou que ele tinha plena cognição, que se comunica, que se mexe. Da nossa primeira avaliação, bem equivocada, ele deu um salto. 

Pisca pra ela!

Na UTI outra surpresa. Entramos e uma mãe nos chamou:

- Vem ver a G.! Toca pra ela. Ela adora música. 

A menina estava imóvel, com os olhos prostrados. Ficamos na dúvida se estava sedada. Tocamos um pouco, a G. se contorceu e virou para o lado da mãe.

- É dor. Mas ela adora música, né filha? Pode continuar.

Continuamos. E a menina permaneceu com os olhos fixados em nós. A mãe de novo:

- Fala, G., que você gostou. Se você gostou pisca pra eles.

E a menina, que até então não tinha reagido, nos olhou e piscou pra gente.

- Pisca você pra ela, ela entende!, pediu a mãe.

Piscamos. Ela novamente piscou de volta. Demos tchau e nova piscadinha. Surpreendente de novo. O que parecia uma mãe querendo palhaços mais que a filha, pois a princípio a G. não parecia consciente, era uma mãe extremamente atenta com a filha. 

Uma palavra inesperada

O outro é o A., que tem uma cirurgia enorme na cabeça. E uma mãe e uma vó muito carinhosas, espetaculares e presentes. Da primeira vez, não parecia que ele seria tão reativo, mas a vó pediu para tocarmos, pois antes de adoecer o menino tocava violino.

Quando ouviu a música, seus olhos arregalaram e um sorriso torto saiu. 

Aos poucos, os assuntos foram aumentando. Ele adora Star Wars, Toy Story e seu quarto é cheio de bonecos dessas duas histórias. Dr. Dus’Cuais fez aparecer e desaparecer um monte de coisa no quarto e o A. fez cara de surpresa, abriu a boca e colocou a mão na frente, numa reação sincera de espanto. Adorou a mágica.

Em nosso último encontro, numa brincadeira entre os palhaços, perguntei se o Dr. Sandoval estava tirando uma com a minha cara. E ele, pela primeira vez, falou bem claramente, em apoio ao Sandoval:

- Não! 

RT_180409_0031

Bate-papo

E por fim a J., que é uma menina que não vê.

No quarto dela sempre conversamos muito e é das coisas mais interessantes conversar com crianças seguindo seu raciocínio. O assunto era Deus. Algo como:

-  Quem fez você tão bonita?, perguntamos.
-  Meu pai e minha mãe.
-  E quem será que me fez?
-  Ora, foi Deus!
-  E quem será que fez Deus? O pais Deus e a mães Deus?
-  Claro que não! Deus fez ele mesmo!
-  Mas como se ele não existia?
-  Deus fez ele antes de ele existir, oras! 

Estamos tentando entender até hoje.

Vera Abbud, mais conhecida como Dra. Emily, escreve do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas, em São Paulo.

Você também pode gostar:

É rampa, túnel ou passarela?

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

O Hospital Santa Marcelina, que fica na região de Itaquera, é bem grande. São escadas, elevadores, quartos, escritórios, alas, enfermarias, parte externa, banheiros, refeitório e muito mais.

Foto_20

Nós, os besteirologistas da vez, percorremos bastante estes caminhos, sempre espalhando dúvidas e uma certa dose de confusão. Mas também prestamos serviços bastante inúteis, como, por exemplo, ensinar às pessoas como se deve chamar o elevador.

Tolinhos os que pensam que basta apertar um botão. Mostramos que chamando o aparelho pelo nome, em alto e bom som, ele chega bem mais rápido: ELEVADOOOR! Sim, pode gritar a plenos pulmões, e perceba você também a diferença. 

Itaci - Lana Pinho-213

E um detalhe não menos importante tem gerado um certo clima de discórdia entre nós: qual o nome correto para denominar uma “coisa” de concreto que liga o edifício onde existe a enfermaria pediátrica e uma das entradas do hospital?

- É rampa!, diz Dr. Cavaco com certeza absoluta.
- Nada disso, é túnel!, diz Dra. Pororoca com absoluta certeza.
- Tá na cara que é uma passarela…, responde Dr. Dadúvida com dúvida nenhuma.
- É rampa.
- Túnel.
- Passarela.
- Rampa!
- Túnel!
- Passarela!
- Rampaaaaaaaaaa!
- Túnelllllll!
- Passarelaaaaaa! 

_MG_4155

Por favor, dê uma olhada na foto acima e ajude este trio a chegar a alguma conclusão, mesmo que isto não tenha a menor importância em sua vida. Para você, caro leitor: é rampa, túnel ou passarela? 

Dra. Pororoca (é túnel), Dr. Dadúvida (é passarela) e Dr. Cavaco (é rampa) escrevem do Hospital Santa Marcelina, em São Paulo.

Por trás de cada caso que encontramos em um hospital

Se, por um lado, esse começo de ano ainda não apresentou um elevado número de casos respiratórios no hospital, por outro não deixou de nos impressionar com a variedade de diagnósticos.

Da “banal” fratura de uma perna, devido às intensas brincadeiras nas férias, até as tentativas de suicídio mais consequentes, eu e Dra. Manela já fomos apresentados a diferentes quadros clínicos. Também não faltaram atendimentos a casos sociais e, infelizmente, a constatação de um óbito e o consequente desespero da mãe na Observação Infantil.

1611_DOUTORES_142

Listados assim, friamente, esses casos parecem representar apenas uma mostra, desprovida de empatia, do que encontraremos ao longo do ano no Hospital M"boi Mirim, em São Paulo. Mas atrás, e para além da frieza dessa listagem, lembramos que cada caso é por nós encarado em sua singularidade. Se eles se inserem em um panorama estatístico, eles também se inserem em um panorama afetivo ao qual somos fortemente sensíveis.

Se nossa profissão, o palhaço, ensina a nos proteger de certos impactos emocionais, ela também – e paradoxalmente – nos ensina a viver profundamente cada um desses impactos a fim de que a arte e, sobretudo, a humanidade sejam reveladas por tais experiências.

É assim que uma tentativa de suicídio por parte de uma adolescente, o abuso sexual sofrido por uma criança ou a morte precoce de um bebê reverberam em nós tanto quanto – ou certamente mais do que – os eventuais sorrisos conquistados.

E é através dessas experiências que oscilam entre a conquista e a perda que tentamos crescer dentro de nosso ofício.

Nereu Afonso, conhecido como Dr. Zequim Bonito, 
escreve do Hospital M"boi Mirim, em São Paulo.

Você também pode gostar:

Os sonhos que moram nos hospitais

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

“Para quem está no hospital, existe uma dimensão da saúde importantíssima e que não é suprida por medicamentos. Trata-se da capacidade de sonhar.”

O pretexto é da atriz Cris Muñoz, que se apresentou nesta semana no Hospital Estadual Eduardo Rabello, no Rio de Janeiro, pelo projeto Plateias Hospitalares. A partir de uma experiência pessoal muito ligada ao ambiente hospitalar – sua filha nasceu com 27 semanas de gestação, sendo diagnosticada como autista aos dois anos; sua mãe é portadora de Alzheimer há 18 anos – ela enxergou nesta rotina intensa um desejo de transmutar a dor.

41

O desejo foi potencializado pela amiga Flávia Lopes, atriz que também carrega uma experiência intensa entre médicos, exames, procedimentos, SUS: ela acompanha o marido, que teve leucemia e fez um transplante de medula.

“Nós duas temos experiências hospitalares e, como profissionais, há algum tempo queríamos dar outras cores, resignificar afetivamente nosso lugar nisso tudo. Pensamos em quem passa também por experiências semelhantes e tivemos a percepção de que, para quem está em ambiente hospitalar, existe uma dimensão da saúde importantíssima e que não é suprida por medicamentos: trata-se da capacidade de sonhar. Quando alguém perde essa capacidade, invariavelmente, o corpo definha.”, conta Cris.

WhatsApp Image 2018-03-28 at 15.51.54

A peça “Onde Moram os Sonhos”, da companhia As Comediantes, foi escolhida para percorrer sete hospitais do estado do Rio de Janeiro, se apresentando de forma gratuita a pacientes, acompanhantes, profissionais de saúde e comunidades do entorno. Elas contam a história de três aventureiras que aterrissam no espaço hospitalar e ali, através da imaginação, da música e da interação com o público descobrem onde moram os sonhos.

“O trabalho em hospital e, principalmente, na rede pública, fortalece minha crença de que a arte é diretamente fonte de saúde: mental, emocional, psicológica e, também, biológica.”, afirma Cris Muñoz, que tem mais de trinta anos de teatro, dos quais dezoito dedicados ao estudo e à prática da palhaçaria. Hoje, ela é responsável pelo Núcleo de Palhaçaria da mais antiga escola técnica de teatro da América Latina, a ETEC Martins Pena.

ef509ea3-2dd1-4721-b9cd-7c2455230a40

E com tantos anos de teatro, tendo se apresentado para públicos dos mais diversos, o contato com a arte dentro do hospital, para ela e as demais atrizes da companhia, tem um impacto extraordinário:

“É difícil descrever uma experiência que nos coloca num lugar de empatia tão agudo. O público parece ver-se nas personagens e nós neles. É uma experiência de humanidade. Cada lugar nos atravessa de forma diferente, mas em todos nos sentimos gratas demais por poder dizer para essas pessoas: sonha vai, você pode!”.

Um papo cabeça sobre arte e saúde no hospital

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Foi ainda sob os efeitos do calor de 38 graus, em uma rua estreita do Rio de Janeiro, próxima à famosa Escadaria Selarón, que trinta pessoas toparam se encontrar para um bate papo sobre arte e saúde.

Quem conduziu o encontro “Reflexões sobre saúde no mundo contemporâneo” foi a psicóloga hospitalar Morgana Masetti. Há mais de 20 anos pesquisando a arte – especificamente a palhaçaria – no ambiente hospitalar, Morgana trouxe reflexões em torno do entendimento que a sociedade tem sobre doenças contemporâneas, a constante medicalização dos sintomas e o papel da arte inserido na saúde.

IMG_1648

“Hoje, o mal estar social vem sendo tratado como um mal estar individual. Problemas que seriam tratados como coletivos são tratados como pessoais.”, disse. Ela deu o exemplo da situação de violência no Rio de Janeiro, que é um mal estar social gerador de emoções como o medo. O combate muitas vezes se dá no nível individual, com o uso de medicamentos como calmantes.

Esta medicalização de sintomas individuais vem amparada pela catalogação de doenças como as enfermidades do vazio: depressão, insônia, ansiedade. Para cada doença, um bocado de remédios que controlam emoções e desequilíbrios próprios do ser humano. Morgana refletiu ainda sobre as imposições que a sociedade delega ao “eu” como, por exemplo, a obrigatoriedade de se buscar a felicidade e compartilhar isso com seus conhecidos.

Neste sentido, o sintoma pode ser visto como um lugar de resistência, um ponto de interrogação à sociedade terapêutica. A doença e a tristeza, que fazem parte da experiência humana, começam a ser vistas como desnecessárias na humanidade. Elas tentam ser silenciadas. Os sintomas falam alguma coisa da minha ligação com o mundo, e eles precisam ser entendidos, não silenciados.”, explica ela.

Escutar e intervir

A plateia levantou questões como a importância da escuta, principalmente por parte do profissional de saúde. Dio Jaime, palhaço da Cia Sapato Velho, contribuiu: “A escuta é fundamental, porque senão você não escuta a criança que não quer brincar. Você prepara um monte de coisas, músicas, mágicas, e encontra um médico que ganha mal, que perdeu uma criança naquela noite. Você pode piorar o ambiente.”, disse ele.

Itaci - Lana Pinho-138

Ao focar no trabalho de artistas como os palhaços do Doutores da Alegria, Morgana Masetti reforçou a possibilidade de a arte estabelecer vínculos no hospital. “O artista cria uma linguagem para afetos que pedem passagem, fazendo com que o imaginário possa circular novamente. E isso gera uma mobilidade em relações que já estão estabelecidas. Posso brincar dentro de um hospital, estabelecer outra linha histórica, outra realidade que ajude o paciente a atravessar o que está passando., diz a psicóloga.

O papel do artista no hospital foi outro tema relevante. Caberia à classe artística rever sua intervenção neste ambiente, tendo a clareza de que o trabalho não precisa ter como proposta a busca pela felicidade, uma vez que esta pode ser um gatilho para as enfermidades do vazio.

Eliane Fernandes, da Secretaria Municipal de Saúde, trouxe a perspectiva do gestor hospitalar: “Hoje muitos projetos chegam ao hospital sem objetivo, sem metodologia. Eu valorizo o trabalho com afetos, com memórias; não somente alegria. É preciso uma conduta pra entrar em um hospital”, reforçou.

Após a palestra, os participantes abordaram práticas ligadas à intervenção do Doutores da Alegria. No Rio de Janeiro, a organização atua por meio do projeto Plateias Hospitalares, abrindo espaço para que artistas de rua e de palco possam intervir em hospitais públicos.

Posso fazer um ultra som?

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Na nossa primeira semana de trabalho, no começo do ano, conhecemos um garoto. Foi um encontro rápido e potente.

Eu (Dr. Lui) e o Dr. Marmelo entramos na enfermaria. Tinha uns leitos vazios e outros ocupados por crianças que dormiam. O lugar não tinha muita luz, mas a que tinha era suficiente pra deixar o ambiente visível. Paramos na porta, fitamos toda a enfermaria e vimos que apenas um leito tinha acompanhante, pois as mães e pais das crianças tinham ido almoçar. Fomos direto para lá.

_MG_6424

Lá estavam sua mãe e uma técnica de Enfermagem. A mãe ajudava a técnica com os seus afazeres e a técnica arrumava o soro da criança, que estava de olhos fechados, deitado. O menino tem aproximadamente 8 anos, vive no mundinho dele, como toda criança. E este mundo é bem próximo do mundo do palhaço, onde nada é o que é, as coisas são o que a gente quiser.

Eu tenho um violão. Posso fazer um ultra som?, perguntou o Marmelo com voz suave.

Pra quem não sabe ainda, o nosso “ultra som” nada tem a ver com o exame de imagem. Na Besteirologia, ultra som é um diagnóstico feito com música. A mãe e a técnica deram um sorriso de canto de boca, autorizando a gente a cantarolar a música. Dr. Lui logo perguntou se podia ajudar e sacou do bolso um triângulo de cor prata.

- Estou pronto!, disse o Lui.

Dr. Marmelo arrumou o jaleco, organizou a calça, o cabelo, apoiou a perna, testou a voz, reorganizou o jaleco, foi para onde tinha luz, desistiu, voltou, deu calor, pegou novamente o violão, coçou o nariz…

- E essa música é pra hoje?, perguntou a mãe.

Restauração - Lana Pinho-21

Começamos a cantar. Não saiam palavras, apenas sons da nossa boca: vogais, sílabas, pa, pipa, teca, pi ri pi… O menino abriu um sorrisão daqueles. E elas – a mãe e a técnica se juntaram no riso.

- Olha, ele riu!, falou a mãe.
- Nunca vi esse menino dar uma risada…, confirmou a técnica.

Pronto, mais um ultra som com diagnóstico positivo.

Marcelo Oliveira (Dr. Marmelo) e Luciano Pontes (Dr. Lui) escrevem do Hospital da Restauração, no Recife.