Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Quantas coisas passam despercebidas ao longo do dia. 

A janela aberta nos ofertando paisagens e soprando brisas. O passarinho cantando no portão, até que ouvi, mas nem olhei e já esqueci. O café da manhã feito às pressas. Olhando a TV nem percebi que já comi, será que estava bom? Bom, não dá tempo de repetir. O vizinho deu bom dia, mas passei com o vidro fechado e o fone de ouvido alto. 

Barão de Lucena - Lana Pinho-5

Pego o caminho da praia, lembro-me de apreciar no primeiro minuto, depois me perco em pensamentos e acelero. A hora não espera e na fila do elevador ninguém conversa, os olhos estão interessados em outras vidas habitadas em redes sociais.

E lá vamos nós dando início aos likes de cada dia. Estou perdendo o controle, sinto necessidade de pegar o celular e gastar tempo, hipnotizada por esta tela que me diz mais dos outros do que de mim. Faz muito tempo que visitamos a UTI e sempre encontramos alguns pacientes que moram lá. 

E talvez por isso eu via, mas não enxergava algumas coisas. 

Barão de Lucena -  Lana Pinho_-23

Depois de tantas visitas, parando no leito e falando, pela primeira vez eu enxerguei os olhos dela, uma garotinha de uns três anos. Foi em um desses segundos que tudo congela e fiz questão de gastar meu tempo olhando para aqueles olhos, e pela primeira vez nos conectamos. 

Senti vergonha por não ter parado naquele olhar antes. Percebi que ela tem olhos verdes e a pupila dilatada. Da íris à alma. Sim! A partir desse encontro, mesmo sabendo antes que existia vida ali, fui levada para além do que pode ser visto. Uma menina que há muito tempo mora ali, cuja rotina se limita a sentar e deitar, cuja paisagem são outras crianças, muitas paralisadas.

Não tem esconde-esconde, amarelinha, seu rei mandou. 

Pequenina, vou pedir à dona Chica que ela não atire mais o pau no gato, e que seu rei mande o rato parar de roer suas roupas. Que a Bela Adormecida desperte e venha brincar com você. Quem sabe Aladdin empreste o tapete voador para darmos umas voltinhas no País das Maravilhas e, por favor, pequena, não vamos aceitar nenhuma maçã!

Sim, existem pessoas nesse mundo e no encantado que não são tão boas… Precisamos estar atentas. Quando estiver ficando escuro, a gente dorme e sonha e amanhece para sonhar mais. Que a vista da janela lhe oferte sempre arco-íris. E que seus olhos grandes e contadores de histórias estejam sempre brilhando, dizendo tanto de você.

Barão de Lucena - Lana Pinho-53

Prometo não mais passar sem antes enxergar aquela que habita por dentro do olhar. 

E mesmo só nos olhando, é tanta conversa calada, e mesmo sem falar muita coisa, eu sei tanto dela e ela de mim. Pequena, com você aprendi a parar e contemplar; e enxergar e calar dizendo muito. Porque conversa boa também pode ser conversa calada.

Dra Svenza e Dr. Lui,
mais conhecidos como Luciana Pontual e Luciano Pontes,
direto do Hospital da Restauração, em Recife.