Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Aconteceu uma coisa muito especial e potente entre a dupla de besteirologistas Mingal e Pororoca e a equipe de médicos e enfermeiros do Itaci, em São Paulo.

Recebemos as incríveis missões de dar duas boas notícias aos nossos pacientes: a alta médica (passe livre para voltar para casa) e a pega que deu certo (transplante de medula óssea que foi sucesso e a medula pegou).

Vamos voltar um pouquinho para entender essas histórias.

O mapa da Mina

Mina é uma menina que estava em isolamento e com a imunidade muito baixa, por isso nossa relação acontecia através do vidro que separa o quarto de uma ante-sala, onde a gente ficava.

Mina é muito ativa, falante e propositiva e queria de todas as formas que a gente entrasse no quarto. Mas nada é tão simples para uma dupla de palhaços, e nunca conseguíamos entrar no quarto, fazendo da impossibilidade de entrar, causada pelo isolamento, um pretexto para problematizar a entrada no quarto.

Itaci - Lana Pinho-166

Sempre das maneiras mais diferentes e malucas, saíamos da ante-sala que dava acesso ao quarto pela porta errada – a que não levava para dentro do quarto, mas sim para o corredor do hospital. Até que Mina teve a brilhante ideia de fazer um mapa com o caminho certinho e beeeem explicadinho de como finalmente entrar no quarto.

O jogo de tentar entrar e nunca conseguir era divertido e gerava muitas imagens e situações, mas por outro lado, a repetição por tantos encontros estava gerando em Mina uma certa angústia, porque ela acreditava piamente que a gente não conseguia entrar por pura paspalhice.

Mas eis que numa manhã tudo mudou. Recebemos a solicitação para não só entrar no quarto de Mina, mas para também dar a tão sonhada notícia que ela estava de alta médica. Ficamos tão surpresos e felizes que não cabíamos em nossos narizes vermelhos! 

Orientados pelo mapa da Mina, Pororoca e Mingal finalmente conseguiram entrar no quarto. E ela ficou maravilhada e surpresa:

- Mãe, olha o sapato deles!, disse olhando fascinada para nossas pernas e pés, afinal ela só conhecia a gente da cintura para cima. Depois da exibição dos sapatos e de bastante festa pela tão esperada entrada no quarto, em um coro muito afiado, entoamos a boa nova.

- MINA, VOCÊ ESTÁ DE ALTA! PODE IR PARA CASA!

Itaci - Lana Pinho-168

Que alegria ficaram essa menina e essa mãe, que alegria ficaram esses palhaços, que alegria ficaram médicas e enfermeiras espiando a cena pelo vidro na ante-sala!

Ao nos conceder a missão de dar a notícia da alta hospitalar para uma paciente há tanto tempo internada e em isolamento de contato severo, a equipe médica revelou um respeito profundo por nosso trabalho, colocando em outra dimensão o conceito de parceria entre nossos ofícios.

A história da alta dessa paciente ficou famosa e as outras equipes, da UTI e Enfermaria, souberam do caso e vieram falar conosco. Outras equipes quiseram repetir a prática e, poucos dias depois, fomos incumbidos de dar outra boa notícia…

Pegação

Sassa, uma paciente já mais mocinha, tinha realizado um transplante de medula e tinha pegado, ou seja, tinha dado certo… 

Entramos no quarto falando “pega, pega, pega daqui, pega dali, que a gente queria pegar e coisa e tal”. Sassa começou a achar meio estranha essa coisa de falar tanto em “pega”. Depois de um pouco de mistério, que é bom pra dar emoção, revelamos:

- A MEDULA PEGOU!

Sassa deu um grito junto com sua mãe! Elas riram, se emocionaram e a festa começou. Foi muito gratificante dar essa outra boa notícia.

Itaci - Lana Pinho-148

Mais uma vez, a equipe hospitalar nos concedeu a oportunidade de dar uma notícia/diagnóstico, estreitando nossa relação e intensificando a parceria, fazendo uma fusão bonita entre a arte e a ficção (médicos palhaços) e a medicina.

Dra Pororoca (Layla Ruiz)
Instituto de Tratamento do Câncer Infantil – São Paulo