Tempo de leitura: 1 minuto(s)

A vida toda a gente segue aprendendo, como na canção do eterno Gonzaguinha. Mas nem todo mundo se coloca nesse lugar, mesmo quem esteja ainda na escola, cursinho ou faculdade. Quem ensina e quem aprende?

A vida é um jogo eterno das aprendizagens, os papéis se misturam e se invertem o tempo inteiro. Aprendemos muito com as crianças. E essa abertura é um caminho sem volta, onde não há imposições, e sim a percepção para caminhar junto numa experiência única e efêmera, onde os papéis serão definidos na hora da brincadeira.

IMIP - Lana Pinho-17

É muito raro ouvirmos hoje em dia: “quem manda aqui…”, mas não é invenção, nem ficção. Ainda há médicos que acreditam nesse subterfúgio do conhecimento e se colocam no patamar da inexistência. Eles parecem viver em outro mundo, mas nós não. Muitos pensam que não vemos e não ouvimos por estarmos de palhaço, mas a realidade é que vemos e sentimos mais, como uma lente de aumento, como um ouvido supersônico, como se o mar enchesse e secasse constantemente. 

Era dia e a enfermaria estava cheia esperando a hora da visita do médico. E na cama ao lado, compartilhando uma presença inexistente, pudemos ouvir:

- Por que não está tomando o remédio?
- A enfermeira que tirou!, respondeu a mãe.
- Quem manda aqui sou eu! 

Foi difícil ver e ouvir, difícil esquecer e ter que continuar. A sua afirmação fazia sentido para ele. Respirei e tentei seguir, sabendo que os ponteiros do tempo caminham diferente para cada um. Mas era inacreditável ter presenciado aquela cena e contando parece até coisa inventada, mas não foi: era real como respirar. E se mentisse ao ponto da invenção, era porque mesmo que surreal pareça, isso ainda é uma prática comum de uns tantos poucos médicos. 

IMIP - Lana Pinho-48

A mãe ouviu o que ele disse e comentou em um olhar cúmplice conosco, como se estivéssemos no mesmo barco da indiferença sem poder gritar. Passada a situação e tentando dar conta do acontecido, saímos seguindo com o poder que nos cabe, aprendendo que ser ainda é um caminho longo a ser percorrido, sem recair na armadilha da imposição.

Mas há quem use dos seus artifícios para ser ouvido e respeitado, como a dose certa de achar que é o correto. 

Luciano Pontes, conhecido como Dr. Lui,
escreve do Hospital da Restauração, em Recife.