Tempo de leitura: 1 minuto(s)

É nos corredores do Hospital da Restauração que a emergência pediátrica está instalada há algum tempo, com macas e crianças em cima delas. Este é mais um local de atuação pra nós, besteirologistas. É difícil imaginar as pessoas ali à noite, sem nenhum conforto…

Esperamos que o poder público reveja sua atuação diante da saúde pública do nosso país e aproveitamos para informar que existe um site onde todos nós podemos registrar como andam as coisas nos hospitais do Brasil: www.caixapretadasaude.org.br.

Atuar ali é um prazer, mas para aquelas pessoas uma emergência desconfortável e sem estrutura não tem graça nenhuma.

Outro dia

Outro dia estávamos realizando um momento solene para a entrega da tão almejada “alta” besteirológica ao garoto que iria embora no dia seguinte e a L., uma impaciente de sete anos, nos disse: 
- Eu também vou embora, viu? 

Com essa notícia, nós dois, dr. Cavaco e dra. Mary En, começamos a chorar e espernear dizendo: 
- Mas é muito cedo! Nem nos conhecemos direito! Não vai, não! Por favor! 

Mesmo contrariados, demos a alta e dissemos a solene fase: 
- Até mais nunca, não volte mais para o hospital! Só se for para trazer um presentinho pra mim! 

E fomos embora pensando que nunca mais iriamos vê-la. 

No outro dia, chegamos à enfermaria e quem estava lá? A garota! Disse que não tinha ido embora, mas que com certeza iria no dia seguinte. Fizemos novamente aquele chororô e no final demos alta. Na outra visita, lá estava ela, sorridente que só! Disse que iria no dia seguinte com certeza absoluta. Choramos mais uma vez, tudo de novo, e isso aconteceu novamente várias vezes.

Quando chegou o dia em que a alta médica oficial seria dada, uma médica residente nos disse que escutou L. falando no telefone com sua mãe de Serra Talhada, sertão pernambucano: 

- Ô mãe, tem ovo de Páscoa aí pra mim? Por que se não tiver eu vou ficar aqui no hospital, prefiro aqui do que em casa. Aqui eu brinco, tem palhaço, aqui é mais legal. 

Nesse dia a nossa despedida foi a mais verdadeira, e até hoje sentimos saudade de seu sorriso de orelha a orelha, que víamos quando ela nos avistava chegando na porta da enfermaria…

Dr. Cavaco (Anderson Machado) e dra. Mary En (Enne Marx)
Hospital da Restauração – Recife