BLOG
 

Eu te via, mas não te enxergava

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Quantas coisas passam despercebidas ao longo do dia. 

A janela aberta nos ofertando paisagens e soprando brisas. O passarinho cantando no portão, até que ouvi, mas nem olhei e já esqueci. O café da manhã feito às pressas. Olhando a TV nem percebi que já comi, será que estava bom? Bom, não dá tempo de repetir. O vizinho deu bom dia, mas passei com o vidro fechado e o fone de ouvido alto. 

Barão de Lucena - Lana Pinho-5

Pego o caminho da praia, lembro-me de apreciar no primeiro minuto, depois me perco em pensamentos e acelero. A hora não espera e na fila do elevador ninguém conversa, os olhos estão interessados em outras vidas habitadas em redes sociais.

E lá vamos nós dando início aos likes de cada dia. Estou perdendo o controle, sinto necessidade de pegar o celular e gastar tempo, hipnotizada por esta tela que me diz mais dos outros do que de mim. Faz muito tempo que visitamos a UTI e sempre encontramos alguns pacientes que moram lá. 

E talvez por isso eu via, mas não enxergava algumas coisas. 

Barão de Lucena -  Lana Pinho_-23

Depois de tantas visitas, parando no leito e falando, pela primeira vez eu enxerguei os olhos dela, uma garotinha de uns três anos. Foi em um desses segundos que tudo congela e fiz questão de gastar meu tempo olhando para aqueles olhos, e pela primeira vez nos conectamos. 

Senti vergonha por não ter parado naquele olhar antes. Percebi que ela tem olhos verdes e a pupila dilatada. Da íris à alma. Sim! A partir desse encontro, mesmo sabendo antes que existia vida ali, fui levada para além do que pode ser visto. Uma menina que há muito tempo mora ali, cuja rotina se limita a sentar e deitar, cuja paisagem são outras crianças, muitas paralisadas.

Não tem esconde-esconde, amarelinha, seu rei mandou. 

Pequenina, vou pedir à dona Chica que ela não atire mais o pau no gato, e que seu rei mande o rato parar de roer suas roupas. Que a Bela Adormecida desperte e venha brincar com você. Quem sabe Aladdin empreste o tapete voador para darmos umas voltinhas no País das Maravilhas e, por favor, pequena, não vamos aceitar nenhuma maçã!

Sim, existem pessoas nesse mundo e no encantado que não são tão boas… Precisamos estar atentas. Quando estiver ficando escuro, a gente dorme e sonha e amanhece para sonhar mais. Que a vista da janela lhe oferte sempre arco-íris. E que seus olhos grandes e contadores de histórias estejam sempre brilhando, dizendo tanto de você.

Barão de Lucena - Lana Pinho-53

Prometo não mais passar sem antes enxergar aquela que habita por dentro do olhar. 

E mesmo só nos olhando, é tanta conversa calada, e mesmo sem falar muita coisa, eu sei tanto dela e ela de mim. Pequena, com você aprendi a parar e contemplar; e enxergar e calar dizendo muito. Porque conversa boa também pode ser conversa calada.

Dra Svenza e Dr. Lui,
mais conhecidos como Luciana Pontual e Luciano Pontes,
direto do Hospital da Restauração, em Recife.

Você também pode gostar:

Dançando no escuro

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Muito bom começar o trabalho com o pé direito. Dentre tantos encontros especiais, pedimos licença para falar de M.

É uma paciente de uns 12 anos. Encontramos a menina sentada na cama com sua bengala; ela é deficiente visual. Chegamos perto e nos apresentamos como besteirologistas.

E então pedimos para que ela colocasse a mão em nosso cabelo, em nosso nariz e, de quebra, em nosso “popô”. Quando descobriu, vejam só, disse que ia lavar as mãos!

IMIP - Lana Pinho-19

- Você quer dançar?, perguntamos.
- Se minha mãe deixar…
- Deixa, mãe, deixa! Dançar não é coisa que se negue, que se proíba!
, dissemos formando uma torcida desorganizada. 

Sua mãe sorriu e permitiu que dançasse. Não demorou nada para que M. saltasse da cama e mexesse ao som do carimbó.

Braços pra cima, braços pra baixo
Só falta bater a mão, batendo também o pé ♪♫

Barão de Lucena - Lana Pinho-146

A menina simplesmente arrasou. Sua mãe tentava conter o vazamento que há pouco havia começado em seus olhos. Tão bom ter conhecido M.!

Quando fechar os olhos, vou lembrar da menina que, de olhos abertos no escuro, enxergava o arco-íris.  

Dra Svenza e Dr. Lui,
conhecidos fora dos hospitais como Luciana Pontual e Luciano Pontes,
direto do Hospital da Restauração, em Recife.

Você também pode gostar:

Lembrança de uma ala adulta

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Aconteceu mês passado, durante o São Joãozinho. Passávamos pelas alas do Hospital do Campo Limpo em um cortejo musical. Nove palhaços-cangaceiros, instrumentos musicais, forró no pé.

Fomos abordados por uma médica com um pedido: que fôssemos à ala adultaTratava-se de um adolescente que estava com muita dor, em cuidados paliativos. Topamos.

E passamos por áreas nunca antes adentradas, como o PS adulto. O que de início era só uma visita a uma ala desconhecida virou um belo encontro com pessoas diversas!

20160517124026_IMG_3857

Desbravamos grandes enfermarias com muitos leitos e procura daqui, entra ali, chegamos ao leito do adolescente. Estava separado em um quarto pequeno, bem estreito. Eu, Dra Manela, entrei primeiro. Com dificuldade para chegar ao outro lado da cama, me virei de lado e cheguei até a cabeceira da cama.

Lá estava ele. Cheguei até seus olhos. Cumprimentei, me apresentei e disse que estava muito feliz de poder conhecê-lo. Percebi que ele não falava, pois estava com traqueostomia e a mobilidade não era a usual. O menino foi se comunicando à sua maneira, arregalava os olhos.

Fui chamando palhaço por palhaço e aquele quarto minúsculo de repente estava tomado por besteirologistas! E mais sanfona, violino, zabumba, triângulo, viola… Perguntei se ele gostaria de escutar uma música e ele mostrou que sim. Estávamos prontos para começar a cantar quando fui interrompida:

- Cuidado! A Manela pode soltar um pum aqui dentro!

Ele sorriu. Disse a ele que era invenção dos colegas e que não ligasse para o que falavam. Mantendo contato visual, reiniciei a música. E lá veio outro se aproximando do campo de visão do garoto.

- É verdade, a Manela sempre faz isso antes de cantar!

20160516115852_IMG_3255

E foi assim: cada palhaço entrava no campo de visão do rapaz e falava que era a mais pura verdade… E cada vez que outro entrava, piorava a minha situação, dizendo coisas horríveis a meu respeito! Acabou que difamaram a minha vida, e então me despedi dizendo que não era mais possível ficar mais ali. Ele gostou, era nítido.

Ao sairmos do quarto mantive contato sonoro com ele, pois sabia que ele não conseguiria se virar para nos ver, e disse ao grupo que agora estava aliviada pois acabara de soltar meu pum e, ufa, poderíamos cantar! E lá de fora cantamos e saímos ao som do Xodó do mestre Gonzagão. Coisa boa!

02_IMG_6866

Foi emocionante ver do lado de for a equipe nos agradecendo por mais essa! Coisas que vêm de dentro emocionam mesmo. Não sabia que meu pum emocionava tanto assim!

Dra Manela (Paola Musatti)
Hospital Municipal do Campo Limpo – São Paulo

Um dia a cada dia

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

A enfermaria está lotada de criança. Umas têm faixa na cabeça, outras estão amarradas no fio do soro. Tem criança com gesso no braço e tem criança dormindo no colo da mãe.

um dia a cada dia (4)

Tem pequenino que está careca, com dor de barriga, e aquela que caiu da árvore. Tem criança que fala palavras carinhosas e tem aquelas que xingam. E agora, com essa moda de celular, tem criança que nem olha no nosso olho.

Encontramos com R., de aproximadamente 12 anos. Ele é esticado, toma quase toda a cama. Logo no primeiro encontro, mandou a gente calar a boca.

1º encontro

O menino disse que estava querendo silêncio e que não era pra gente tocar violão. Foi uma confusão. 

um dia a cada dia (1)

– R., a gente promete que nunca vai tocar uma música na sua presença. Mas a gente quer mostrar uma música que a gente fez pra você. Podemos?
– Não!, respondeu o garoto, não quero vocês tocando nenhuma música. Vão embora e não cheguem perto de mim.
– Mas é uma música tão bonita. Fala de flor. Mas, como você não quer ouvir, a gente promete que nunca vai cantar essa música pra você.

Aí, cantávamos a música.

– Porque a gente tem noção das coisas e não vai tocar. Mas, se a gente não tivesse bom senso, com certeza tocaria essa música.

Então, tocávamos novamente. E saímos da enfermaria tocando a música só pra mostrar pra ele que nunca a gente vai tocar aquela música ali.

– Ei, mas vocês estão tocando!gritou o menino. 

2º encontro

Percebemos que seu travesseiro tinha uma estampa florida.

– Nossa, R.! Quantas flores na sua cama. Podemos levar uma pra gente?
– Não.
– Mas, olha pra essa flor, está caindo. Olha! Peguei... A flor é sua. Cuida dela! É só colocar meia gota de água três vezes ao dia. 

O menino segurou a flor e a jogou no chão. 

3º encontro

Quando o R. nos avistou de longe cobriu o rosto com o cobertor. Paramos ao seu lado e vimos que a flor estava ao lado da cama. Sua mãe tinha apanhado do chão e guardado.

um dia a cada dia (3)

– R., por que você virou todo o seu corpo pra gente? 

Ele devia estar aprontando alguma coisa. Sem esperarmos ele solta um pum muito forte!

– NOSSA! SOCORRO!e saímos correndo da enfermaria. O garoto só ria!

4º encontro

Ele dormia. Deixamos um recadinho:

Querido R.,
Passamos aqui hoje e vimos que você estava dormindo.
O seu pum foi quase como uma bomba nuclear. Mas sobrevivemos.
 

um dia a cada dia (2)

5º encontro

Um belo dia, atendendo na UTI, vimos que um dos leitos estava sendo por um garoto grande, que tomava quase todo o espaço. Quando chegamos perto vimos que era o R.

Tinha feito uma cirurgia. Estava dormindo.

– Oi, R.! Aqui é Dr. Marmelo e Dr. Euzébio - e cantarolamos uma música pra ele. Quando acordou, olhou bem fixo pra gente.
– Cadê minha mãe? Eu quero minha mãe - disse com sua voz calma e baixa.
– Sua mãe está ali fora. Ela vai entrar já, já. 

6º encontro

Em um dos plantões besteirológicos, andando pela enfermaria, vimos que o garoto tinha saído da UTI. Estava deitado na cama, com sua mãe ao lado.

O garoto sorriu quando acenamos e nos cumprimentou. Ficamos em silêncio. Esperávamos uma bronca!

A mãe dele sorria. Ela sempre se divertia vendo a gente correndo com medo do R. Talvez já estivesse esperando a saída maluca dos besteirologistas pela porta da enfermaria, mas dessa vez foi diferente.

Diferente dos dias que se passaram. Assim como é na vida. Todo dia um dia. Nos olhamos. O menino olhou pra o Dr. Euzébio:
– O senhor trocou de roupa. Cadê sua camisa amarela?

… 

Dr. Eu_zébio (Fábio Caio) e Dr. Marmelo (Marcelo Oliveira)
Hospital da Restauração – Recife

Você também pode gostar:

Um pouco menos incolor

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

A arte ajuda a expressar, a dizer o que não se consegue dizer. E quando ela encontra ambientes ásperos, parece adquirir potência para traduzir afetos e sensações únicas que são vividos nesses lugares.

A artista síria Diala Brisly encontrou um novo lar para suas pinturas em campos de refugiados na Líbia e na Turquia. Seu país de origem, o Líbano, enfrenta uma guerra civil há cinco anos e quase quatro milhões de pessoas deixaram o país em busca de uma vida mais digna.

crédito: Hypenessfonte: Hypeness

A ONU classificou os sobreviventes da guerra civil síria como a maior população de refugiados de uma guerra civil nesta geração. Veja as fotos desta série. Há mais de um ano, Diala trabalha junto a crianças, pintando barracas com cores vibrantes que transpiram vida.

crédito: Diala Brisly

crédito: Diala Brisly

crédito: Diala Brisly

crédito: Diala Brislyfonte: página da artista no Facebook

crédito: Diala Brislyfonte: BrasilPost

Nos campos, os pequenos não têm acesso à educação e trabalham por longos períodos para ajudar no sustento de suas famílias. Vivem em barracas e sofrem com a alimentação insuficiente, entre outros problemas graves. Para Diala as pinturas têm o poder de “criar novas memórias para os jovens refugiados e transcender as realidades miseráveis dos campos. De outra forma, o campo é incolor“.

Assim como no hospital, a arte tem a capacidade de transformar as relações e trazer o foco para o lado saudável que nos habita. O encontro do palhaço com a criança hospitalizada e o encontro de Diala com as crianças sírias são provocadores, inspiradores e com incrível capacidade de gerar um combustível potente para a vida: a alegria.

crédito: Diala Brislyfonte: página da artista no Facebook

Você também pode gostar:

Empatia e a capacidade de ouvir o outro

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

A prática da Medicina tem por motivação inicial a relação entre o médico e o paciente. Essa conexão envolve acolhimento, confiança e empatia.

No dicionário, empatia significa “a capacidade psicológica para sentir o que sentiria outra pessoa caso estivesse na mesma situação vivenciada por ela”. Neste caso, antipatia seria um distanciamento e indiferença do médico em relação ao paciente, e foco exclusivo na doença.

A Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas (FCM – Unicamp) vem desenvolvendo um projeto de pesquisa que propõe a empatia para melhorar a relação médico-paciente, uma vez que se constatou que a maioria dos alunos do último ano não se sentia à vontade com seus pacientes.

“A faculdade dá conhecimento técnico, mas não ensina a ser médico, a lidar com pessoas, a essência da profissão”, conta o coordenador do projeto, Marco Antonio de Carvalho Filho, que notou uma tendência de perda da empatia durante o curso de graduação em Medicina.

O projeto caminha em direção a uma Medicina mais humanizada e abrange novas práticas em sala de aula: simulação de consultas com casos clínicos complexos, debates reflexivos e treinamento de habilidades interpessoais e de comunicação.

15133445

“O processo pedagógico é baseado no reforço positivo, não sendo raro os alunos se emocionarem durante a intervenção. Para alunos e professores, a atividade resgata a motivação inicial que os levou a escolher a profissão”, conta Carvalho Filho.

A proposta vai ao encontro dos esforços da ONG Doutores da Alegria. A faculdade propõe o ensino da empatia para seus jovens alunos, enquanto Doutores utiliza a arte para qualificar as relações nos hospitais. Ambos acreditam que a capacidade de ouvir o paciente é uma das peças chaves da empatia – assim, médico e palhaço se colocam a serviço do outro.

empatia
empatia

Mais de 500 alunos já passaram pelo projeto, que foi analisado pelo médico e pesquisador Marcelo Schweller em sua tese de doutorado. A pesquisa de Schweller, que envolveu diversas práticas, constatou que 94% dos estudantes acharam que a capacidade de ouvir o paciente estava melhor. 

E foi além: 91% acreditam que a capacidade de ouvir outra pessoa também está melhor…

Você também pode gostar:

Quando a vida real invade a ficção

Tempo de leitura: 2 minuto(s)
Pororoca está grávida. Verdade ou mentira? 

Uma palhaça grávida. Existe isso? Palhaço tem filho? Vida lá fora? Palhaço é gente? 

Quando uma pista da nossa vida real se torna evidente, é impossível que essa informação não invada o jogo, não permeie os encontros e as relações que construímos no hospital. Nos últimos meses tem sido assim. Dra. Pororoca, gravidíssima, caminha pelos corredores do Hospital Universitário exibindo um barrigão protuberante e deixando um rastro de interrogação cravado na testa de pais, acompanhantes, crianças e profissionais da saúde, limpeza e segurança.

pororoca esta gravida

Verdade ou mentira? Primeira grande questão.
Quem é o pai? Dr. Mané? Outra dúvida frequente.
Menino ou menina? Perguntam em coro.
Qual o nome? A curiosidade saltita.

Muitos não resistem e passam a mão na pança arredondada, emitindo quase que instantaneamente um grito, misto de riso, aflição e surpresa:
- É verdade!!

E todos correm para comprovar, num passa mão na barriga pra lá, passa a mão na barriga pra cá… E quando perguntam o que é, Pororoca não titubeia:
- É gente!
- Ele é o pai?, perguntam referindo-se ao doutor Mané Pereira.
- Ihhhhh, para fazer isso preciso ler o manual!, responde Mané ruborizando a careca.
- E o nome?
- É Psiu! Vem, Psiu, tomar banho! Coloca um casaco, Psiu! Um nome fácil de decorar e muito prático. 

Por fim, a vida real invade mais uma vez a bobagem e o bebê de Pororoca – Pororoco, Psiu, Cá ou Joaquim – vai se tornando oficialmente parte do jogo, mezzo ficção, mezzo realidade.

Trabalhamos em trio, dois adultos e um bebê na barriga.

A vida secreta de um palhaço gera muita especulação, o olhar sobre a figura muda, a pessoa por trás da máscara cresce e por vezes torna-se mais interessante do que o palhaço em si, e o desafio é mesclar os universos, partilhando e reinventando essa história, a narrativa sobre a gestação real de uma palhaça inventada, uma história criada a cada dia e feita por muitas pessoas.

Fotografia da Dupla Du Circo e Ju Gontijo no Instituto da Criança no Hospital das Clínicas.

No berçário, a gravidez cai como uma luva, gerando identificação imediata com quem acaba de vivenciar essa experiência. Trocamos figurinhas sobre amamentação, parto, troca de fraldas, choro, tudo sob a ótica do palhaço, da Besteirologia, mas com um dado – a gravidez evidente – que potencializa o jogo, elevando a complexidade dos encontros.

E para completar, Pororoca terá o filho no próprio hospital, passando de doutora a paciente, de pessoa palhaça para pessoa gente, com RG e CPF. A vida real invadindo de maneira mais radical a criação artística. Mas essa história fica para um próximo capítulo…

Dra. Pororoca (Layla Ruiz)
Hospital Universitário – São Paulo

Com um encontro

Tempo de leitura: 1 minuto(s)
Acordamos todos os dias para fazer a mesma coisa nos hospitais: encontrar pessoas.

A mesma coisa, mas todo dia de um jeito diferente. Encontramos pessoas, ainda sem maquiagem de palhaço, nas escadas e nas recepções. Depois, devidamente paramentados, nos corredores, leitos pediátricos e enfermarias. Ainda mais: nas poltronas ao lado dos leitos, nas bancadas da Enfermagem, por trás dos carrinhos de limpeza.

com o encontro_rogerio alves

No dicionário, ‘encontro’ pode ser ‘juntar-se no mesmo ponto’. Mas também ‘disputar, lutar, opor-se’. Como é que a mesma palavra pode ter significados distintos?

O objetivo do palhaço, no trabalho dos Doutores da Alegria, é estabelecer encontros potentes com as crianças; encontros que perpetuem a alegria e que possam trazer benefícios para a saúde.

Ao abrirmos a porta de um quarto inventamos relações, alcançamos o imaginário, fabulamos. Podemos ser o médico besteirologista pronto para um check-up de miolo mole, mas também podemos ser o que a criança quiser. E podemos, inclusive, levar um ‘não’ e ter de fechar a porta. Ao passar pelo corredor, podemos brincar com a enfermeira e sua bandeja de agulhas fritas, dar sinal para pegar uma carona na cadeira de rodas e também podemos nos despedir de um grande amigo que teve alta.

com o encontro_luciana serra

com o encontro_nina jacobi

Encontros planejados, ritmados ou encontros casuais, fugazes.

Veja: um encontro pode significar juntar-se no mesmo ponto (a visita regular do palhaço), mas também pode ser uma oposição (um ‘não’, uma despedida). E esses encontros são sempre diferentes, porque para estabelecer relações não é possível reproduzir, por mais que o palhaço tenha gracejos prontos em seu repertório.

É preciso produzir, criar, estar aberto para o que vem do outro – e nesse sentido, o fazer artístico pode ajudar. É dessa criação conjunta e ativa que surge a alegria, a potência de vida. E tudo começa como todo dia… Com um encontro.

A criança do vovô

Tempo de leitura: 1 minuto(s)
Alguns adultos nunca deixam “sua criança” se esconder por trás das inúmeras couraças que a vida nos obriga a vestir.

O vovô do M., um garotinho de apenas quatro anos, é uma prova de que é realmente possível não só preservarmos a nossa criança interior, quanto também acioná-la sempre que o momento pedir. Ao entrarmos no quarto, o M. e a sua mãe sorriram, e o seu avô, que também não nos conhecia, disse um sonoro e super disposto ENTREM!“. 

O menino estava com a cama repleta de brinquedos e um deles era um boneco que congela pessoas. Dra Mary En foi a primeira a ser “congelada”, mas o vovô, rápido como um flash, a descongelou.

DRs_HR_Foto RogerioAlves__54

Então o boneco (conduzido pelo M., claro) tratou de congelar a besteirologista de novo! A dra Baju ficou olhando aquele zigue-zague e gritou: Vovô!”. E ele, comprando a brincadeira, tornou a descongelar a Mary En.

A disputa entre o boneco e o vovô era acirrada, mas o pequeno M., com uma esperteza maior que o seu tamanho, congelou a todos no quarto. Congelados, não sabíamos o que fazer. O nosso vovô também estava paralisado.

DRs_OC_Foto RogerioAlves__54

Inesperadamente, a mãe do garotinho grita: Ahááaaa!. Descongelou todo mundo e atacou o pequeno com cócegas!

Descobrimos, nesse momento, que o vovô não era o único que tinha a poção mágica do descongelamento… Foi incrível! Aproveitamos pra tomar um “antídoto” que não permitiria mais que ficássemos congeladas e saímos fugidas, antes que o tal “antídoto” perdesse o efeito…

Nessa fuga, percebemos o quão legal foi o encontro com essa família. A mãe do M. é uma mulher muito doce e alegre e o vovô nos surpreendeu lindamente, levando-nos ao mundo da imaginação numa naturalidade e rapidez incríveis! Que encontro! Pura alegria!

Dra Mary En e dra Baju (Enne Marx e Juliana de Almeida)
Instituto Materno Infantil Professor Fernando Figueira – Recife

Você também pode gostar:

Na escada

Tempo de leitura: 3 minuto(s)

A história seguinte provavelmente já foi vivida mais de uma vez por cada um dos palhaços que trabalham nos Doutores da Alegria. Bastaria mudar alguns detalhes, localizá-la em outro hospital, em uma outra época do ano, com pacientes com outro diagnóstico e lá estaria a repetida história. É que ela acontece sempre! E dessa fez não foi diferente.

Dr. Charlito e Dr. Zequim Bonito saíam de um dos setores da UTI do Hospital do Grajaú quando, no outro setor, um pai muito mal encarado andava de um lado para o outro. Seu olhar desviava do chão para o rodapé e do rodapé para o chão.

na escada - nina jacobi

Como todos os pacientes daquele setor estavam dormindo naquela hora, e aquele homem não parecia querer acolher nada nem ninguém, simplesmente continuamos nosso caminho e saímos da UTI.

Na semana seguinte, mesmo cenário, mas dessa vez conseguimos identificar qual paciente ele acompanhava: uma menina pequena de 18 meses, conhecida nossa, cujo quadro, apesar de estável, parecia bastante grave. Evitamos o encontro mais uma vez. As semanas seguintes não foram diferentes.

É evidente que “cara de poucos amigos” é um julgamento nosso. A pessoa tem o direito de ter ou fazer a cara que bem entender. Às vezes, em uma situação como a que aquele pai enfrentava, aquela cara era a única opção de cara que lhe restara.

Até que um dia, depois de encerrado o trabalho, quando descíamos as escadas internas do hospital, sem o figurino e a maquiagem que nos caracterizam, percebemos a presença dele atrás de nós. Dr. Zequim Bonito (que agora era o ator Nereu Afonso) virou-se e, sem pestanejar, perguntou: 

- Na UTI ainda? 

- Ainda, ele balbuciou nos deixando ouvir pela primeira vez sua voz.

Nereu respondeu com uma banalidade tremenda, do tipo puxa!, uma hora se resolve, né?”.

- É…, disse o homem. E seus caminhos se bifurcaram. Um saindo do hospital, outro ficando.

na escada - nina jacobi

Na semana seguinte, aquele esboço de diálogo deu margem para nosso primeiro encontro com aquele homem, dessa vez como palhaços, na UTI. Perguntamos se podíamos entrar.

- Podem.
– A música incomoda?
Não.

A filha permanecia entubada, e menos agitada do que outras vezes que a vimos sem o pai. O homem deu um beijo na filha, e dali não ergueu mais o rosto. Ficou colado junto à menina, fazendo-lhe um carinho com seu rosto sério. Quando vimos a lágrima escorrer no rosto do homem, nos afastamos. Sabíamos que a música ali, junto com todos os sentimentos que já lhe atravessavam o espírito, traria outras lágrimas ao homem. Nossa intervenção já estava de bom tamanho.

Na outra vez em que nos encontramos, ele estava no corredor conversando com outro pai. Passamos rápido com apenas um “oi” para não interromper. Andamos dois passos e demos meia-volta.

- Incomodo?, perguntou o Dr. Zequim Bonito.
- Incomoda. – respondeu, não o homem, mas o Dr. Charlito - Não está vendo os cavalheiros conversando, sua anta?

na escada - nina jacobi

E Dr. Zequim responde a seu colega besteirologista, bem no meio dos dois homens:

- Foi justamente pra não incomodar que perguntei se eu incomodava. E por que vi que estavam conversando, perguntei se eu incomodava com um tom de voz mais alto do que o deles, para eles poderem ouvir o meu algo grau de educação ao perguntar se incomodava, porque se eu achasse que não incomodava eu já começava a falar sem ter a educação de perguntar primeiro se eu incomodava, entendeu?

Nessa altura, a conversa dos dois homens não existia mais. E, para nossa sorte, eles foram fisgados pelo absurdo de nosso diálogo e passaram a seguir os argumentos estapafúrdios que cada um de nós emitia.

Bom, as visitas seguintes foram cada vez mais conviviais apesar do estado da garota continuar preocupante. Continuamos absurdos em nossas intervenções porque aquilo parecia intrigar e interessar o homem. Depois dessas visitas, podemos dizer que mais um encontro improvável acabou se consumando.

E, como disse antes, isso não é novidade em nosso trabalho. O que talvez seja novidade é pensar que não foi exclusivamente nossa arte palhacesca que conseguiu “dobrar” aquela carranca.

O que nos aproximou foi talvez o fato de termos nos encontrado naquela escada, ele longe da UTI e nós como cidadãos comuns. Naqueles poucos segundos, estávamos todos munidos de nossas indisfarçáveis diferenças. Nós, sabendo que ele está atrelado ao hospital, à doença, e à esperança de cura de sua filha. E ele, sabendo que nós podíamos ir e vir ao hospital em virtude do simples fato de termos um horário de expediente.

Ali, naquele primeiro encontro na escada, éramos apenas seres humanos, atrapalhados apesar de não estarmos de palhaço, frágeis ao não saber muito o que se dizer face à gravidade da doença de outro ser humano, um ser humano que para nós é mais um paciente, e para aquele pai é um ente muito querido, talvez o mais querido de todos naquele momento: sua filha hospitalizada em estado grave.

Dr. Zequim Bonito (Nereu Afonso)
Hospital do Grajaú – São Paulo

Você também pode gostar: