O palhaço leva tempo e (muito) trabalho

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Nos primeiros meses do ano, diversas pessoas frequentaram a nossa Escola, tornando a sede dos Doutores da Alegria um espaço dinâmico e vivo também durante as noites.

O curso Formação Básica de Palhaço, oferecido a profissionais e estudantes de Artes Cênicas, trouxe interessados em uma iniciação na construção da máscara – o nariz vermelho. Durante três meses, 24 alunos aprenderam sobre a noção do ridículo, a descoberta e o desenvolvimento individual da personalidade e do caráter de cada palhaço.

20170704_211515

A formação foi oferecida de forma gratuita pelas empresas Eaton, Magazine Torra Torra, Farmacêutica EMS, Laticínios Tirolez e Cobasi, que doaram recursos via Programa de Ação Cultural – ProAc*. Assim, a participação no curso envolvia um processo seletivo e o envio de material.  

A expectativa dos aprovados era das mais diversas. “Acreditei que iria sair de lá com um palhaço batizado com nome, figurino e tudo! Mas não foi assim. E que bom que não foi assim. Fui entendendo que é preciso tempo e trabalho para construir um palhaço. E que essa construção é minha! É trabalho meu, como artista, fazer nascer esse palhaço. ”, conta a atriz Juliana Birchal. “Sei que é uma formação bem embasada e direcionada e me interesso pela forma como a instituição e sua escola vêem o palhaço.”, ressalta o mímico Bruno Iyda Saggese.

IMG_3570

O processo de descoberta foi acompanhado de exercícios, brincadeiras tradicionais e princípios fundamentais do jogo. A metodologia envolveu três perspectivas didáticas: corpo, jogo e música. “O processo criativo é caótico, demanda tempo e calma. Para depurar uma identidade, ampliamos uma poética física, um repertório e habilidade musical, e uma qualidade de jogo onde o impacto do outro define quem sou.”, afirmam as formadoras Roberta Calza e Soraya Saide.

“Uma coisa muito importante que as vivências me trouxeram foi de tentar digerir melhor as situações, os ambientes, antes de intervir.”, explica Bruno. A Escola dos Doutores da Alegria tem cursos para diversos públicos, muitos deles gratuitos, que envolvem a linguagem do palhaço e o repertório conquistado nos hospitais. Ter alunos circulando sempre pela nossa sede, com histórias e trajetórias artísticas diferentes, fomenta um diálogo sobre saúde, arte e alegria. E também sobre palcos improváveis onde a ação do palhaço se faz necessária.

“Era enriquecedor observar uns aos outros, presenciar o nascimento de cada palhaço, tão potente e ao mesmo tempo tão diverso! Encontrei parcerias no curso que estão amadurecendo e espero estar em breve atuando mais com a linguagem do palhaço!”, conta Juliana.

DSCN3262

Para os próximos meses estão programadas outras formações em São Paulo, com inscrições abertas: Palhaço para Curiosos, Palhaço Interventor e Plateias Hospitalares.

* Eaton (cota Risada), Magazine Torra Torra (cota Sorriso), Farmacêutica Ems (cota Narigada), Laticínios Tirolez e Cobasi (cota Cócega)

Você também pode gostar:

2016: a gente equilibrou

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

O ano que vai passando foi muito significativo para esta associação que vos fala.

Depois de um longo período de mudanças organizacionais e ajustes de estratégia (é, tem tudo isso aqui!), fechamos o ano com alguns marcos muito especiais. Foi difícil? Foi. Mas Doutores da Alegria nunca foi dada a tarefas fáceis, sempre preferindo o equilíbrio de uma corda bamba e o sossego de um trapézio.

equilibristaedfonte: tekatecla.com

O trajeto que vem pela frente, em 2017, carregará os reflexos do que conquistamos neste ano. Veja alguns momentos que consideramos especiais em 2016:

Enfim, 25

Foi um ano de festa! Ah, foi! Doutores da Alegria comemorou 25 anos em setembro, alcançando a maturidade como organização. Celebramos as conquistas dessas décadas, sempre suportados pela sociedade e pela relevância da causa.

E em setembro, fizemos um grande evento para arrecadar recursos em São Paulo (não, não é essa foto aí, que foi quando reunimos a equipe no dia 28 de setembro pra brindar o aniversário <3)

IMG_6704

Juntos e misturados

Palhaços de todo o Brasil se reuniram na quarta edição do Encontro Nacional de Palhaços que Atuam em Hospital. Troca de experiências, discussões, oficinas e a união de pessoas que enxergam neste trabalho uma grande (e séria!) possibilidade dentro da saúde.

IMG_1272

Um mais um

Dois hospitais entraram no rol de ações do Doutores da Alegria: o Hospital M’boi Mirim, em São Paulo, e o Hospital da Mulher, no Rio de Janeiro.

No primeiro, atuaremos com um novo modelo, oferecendo intervenções artísticas variadas, formação e aperfeiçoamento de alunos da Escola dos Doutores da Alegria e um incremento no foco da humanização nas equipes de Saúde e de Administração. O segundo passa a fazer parte do projeto Plateias Hospitalares, com a curadoria de uma programação cultural mensal.

30990253790_84df9302ce_z

Dá-me direção

A associação Doutores da Alegria passou a contar com uma nova diretoria estatutária, além de novos associados, que participar de assembleias e participam das discussões.

Foram eleitos cinco diretores de diferentes áreas pelo período de dois anos. Um grande passo que envolveu toda a associação.

Estudar e sempre

A Escola dos Doutores da Alegria fez dois processos seletivos importantes: para o Programa de Formação de Palhaço para Jovens e para o curso O Palhaço Interventor. Com foco em públicos distintos, ambos os cursos são gratuitos e têm foco na linguagem do palhaço.

Foi um ano de muito movimento em nossa sala de aula – um galpão pequeno, porém simpaticão. Dá pra ver?

recepcao fpj 7 (4)

Pedal de palhaço

São Paulo e Recife receberam no mesmo dia o Bobociclismo! Crianças, adultos e palhaços pedalaram pelas ruas celebrando os 25 anos do Doutores da Alegria e interagindo com a cidade a partir do uso da bicicleta. 

Prepara a magrela que vai ter mais ano que vem, viu?

IMG_0722

Parta, enfim, 2016. E que venha 2017 com mais desafios e mais quebra-cabeças a serem decifrados. A gente equilibra :)

Expectativas comuns

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

“Foi sem dúvida um evento extraordinário em minha vida. Obrigado pela oportunidade e pela experiência.” 

Este é o final de um depoimento que chegou pra gente. Parece até de alguém hospitalizado, mas na verdade é do Marcio de Souza, aluno que participou de um curso dos Doutores da Alegria em Recife. O Marcio trabalha no Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente da Polícia Civil de Pernambuco e nos tocou muito com suas palavras.

O curso era O palhaço pelo buraco da fechadura, que se propunha a investigar a lógica incomum e a liberdade com que o palhaço se relaciona com a vida. Pra quem  não sabe ainda, Doutores da Alegria ampliou suas atividades e trouxe o olhar e a experiência do hospital para a sala de aula. A ideia não é formar ninguém pra trabalhar com crianças hospitalizadas, e sim aprender sobre a nobre arte do palhaço, além de propor uma nova relação a partir do encontro com o outro.

oficina doutores - Lana Pinho-10

Eis o depoimento completo:

“Caros amigos,

Foi uma experiência ímpar vivenciar a construção do palhaço, ou a descoberta do que é ser palhaço. Sempre flertei com as artes em geral, seja como apreciador de obras literárias, cinematográficas, musicais; ou como pretenso criador de poemas, contos, crônicas e até um romance (não publicado).

Mas sempre como hobbies e, na verdade, acabei me afastando um pouco do processo de criação artística por conta de compromissos profissionais, familiares e ações “objetivas” do mundo “real”, que obscureceram um pouco esta minha relação com o imaginário. A vivência no curso representou para mim a possibilidade de um retorno a uma intimidade com o imaginário, da qual, como já disse antes, afastei-me. Abriu para mim possibilidades de mergulhar neste universo libertário da imaginação, da fantasia e da simplicidade do “pastelão” e do nonsense.

Minha realidade de atuação, no Departamento de Polícia da Criança e do Adolescente da Polícia Civil de Pernambuco, é bem parecida com o que se vê em alas hospitalares de Pediatria, pois lidamos também com crianças feridas e machucadas (não só concretamente, mas também subjetivamente), vítimas em geral de crimes de violência doméstica e abuso sexual intra familiar e que necessitam também de conforto e ações que as ajudem a superar tais ferimentos.

Desde já manifesto meu desejo de participar de novas oficinas que por ventura venham acontecer, que me permitam viver e deixar solto o palhaço que, talvez, sempre fui, mas que obscureci por motivos tantos…

Paz e sorrisos,

Marcio de Souza.” 

Em cursos como este, pessoas heterogêneas aparecem com expectativas comuns. Querem ampliar sua percepção, sair de sua zona de conforto, estar disponível para os encontros da vida. Marcio nos surpreendeu pelo olhar que revelou em relação às crianças. Puxa, obrigado! <3 <3 <3

Oficina Palhaços em Rede no Rio Grande do Sul

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Em setembro do ano passado, o grupo Esquadrão da Alegria participou de uma oficina de orientação dos Doutores da Alegria com o objetivo de aprimorar sua presença no hospital. O grupo atua nas cidades de Santa Maria, Canoas, Porto Alegre e São Borja, todas no Rio Grande do Sul.

Encontrei um grupo bastante disponível, que comprava as propostas e as provocações. Trouxeram na bagagem muitos jogos para trabalhar e fortalecer a relação entre eles.”, conta Raul Figueiredo, tutor do programa Palhaços em Rede, que viajou até a região Sul para ministrar o curso.

O formador trabalhou conceitos que a Escola dos Doutores da Alegria desenvolve, como o olhar, o jogo, a escuta, o trabalho em dupla. Havia palhaços com diferentes níveis de formação. “A mistura foi bacana, uns puxavam cenas na estruturação e outros surpreendiam pelo frescor da primeira vez, da descoberta…”, conta Raul.

Para o Esquadrão, a experiência foi muito rica também. “O Raul nos mostrou que a descoberta do nosso palhaço pode ser doce, emocionante e suave. Que a simplicidade, a sensibilidade e o carinho empregado naqueles minutos interagindo com algum paciente, acompanhante ou profissional da saúde marcam para sempre a vida daquelas pessoas e por isso devemos estar sempre de coração aberto para dar nosso melhor.”, disse Sendi Spiazzi, integrante do grupo.

O grupo, que atua desde 2007 na região, é composto por 70 integrantes e acredita na formação constante na máscara do palhaço, tendo participado de diversos cursos de capacitação e também do 3º Encontro Nacional de Palhaços que Atuam em Hospital, em 2014.

A oficina veio coroar esse momento que o Esquadrão da Alegria está vivendo. Foi um sonho trazer nossos inspiradores pra nos dar um curso.”, contou Luciano Mai, presidente do grupo.

A função do Palhaços em Rede é justamente incentivar e apoiar grupos pelo Brasil. Compartilhar para aprimorar! Saiba mais sobre o programa e sobre oficinas pelo e-mail rede@doutoresdaalegria.org.br.

Conferência na Itália discute o trabalho

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Nos dias 17 e 18 de outubro, a Itália sedia uma conferência de palhaços que atuam em alas pediátricas. Doutores da Alegria estará representado no evento pela psicóloga Morgana Masetti, que contribuiu com a organização e desenvolve pesquisas relacionadas a este trabalho.

Mais de 50 palestrantes estarão na Conferência Internacional Sobre o Palhaço em Hospital Pediátrico para falar sobre o que há de mais recente na área em termos de atuação, pesquisa e formação. São esperados médicos, psicólogos, enfermeiros e artistas de diversos países, como Brasil, Israel, Portugal, Estados Unidos, Holanda, França e Índia.  

Meyer Conference

Segundo a organização do evento, serão apresentados estudos sobre o uso da linguagem do palhaço para reduzir a ansiedade pré-operatória e os seus efeitos durante procedimentos invasivos em pacientes submetidos à quimioterapia.

Entre os convidados está Michael Christensen, artista pioneiro que inseriu o trabalho do palhaço em hospitais de Nova Iorque nos anos 80 e inspirou diversas iniciativas mundo afora. Morgana falará sobre o trabalho dos Doutores da Alegria e sobre questionamentos e reflexões que permeiam a atividade. Fala também sobre o papel da pesquisa dentro das organizações e sobre a experiência da Escola dos Doutores da Alegria, que hoje é referência na pesquisa e na disseminação da linguagem do palhaço a partir da experiência nos hospitais.

O primeiro dia

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Nada como o primeiro dia de aula! Para uns, pavoroso, para outros, gerador de expectativas.

Hoje os alunos da sexta turma do Programa de Formação de Palhaço para Jovens chegaram à sede dos Doutores da Alegria e foram recebidos pelos ex-alunos, que prepararam uma linda surpresa. O medo foi embora e deu lugar a uma alegria sem tamanho, expressa no olhar de cada jovem.

Vestidos de palhaços, os alunos formados brincaram com os 27 novos pupilos, dançaram e os presentearam. No final da dinâmica, deram conselhos sobre os próximos dois anos de estudo, que envolvem aulas diárias sobre a máscara do palhaço. Carolyn Ferreira, ex-aluna, lembrou que eles precisam aproveitar a oportunidade.

- O programa é um curso muito completo. Cada um tem suas escolhas particulares, mas é preciso focar aqui. Vivam esses dois anos!

Heraldo Firmino, coordenador do projeto, pediu para que eles comecem a aguçar o olhar no dia a dia, principalmente em relação às crianças.

- Acreditem! As crianças acreditam em cada coisa! E a gente precisa acreditar em muita coisa pra poder portar a máscara do palhaço!

Sejam bem-vindos!

Você também pode gostar:

Abrimos a porta da Escola

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Na última semana abrimos a porta da Escola dos Doutores da Alegria para que algumas pessoas pudessem conhecer a nossa metodologia. Foram vinte convidados que participaram de jogos e brincadeiras tradicionais e entraram em contato com os princípios que regem o trabalho no hospital: o olhar, a escuta e o improviso.

O aprendizado na Escola é traduzido pela máxima “a máscara se dá pelo outro”, o que significa que a sala de aula está sempre em construção, levando em conta a experiência de vida e a história de cada aluno e abrindo um espaço de possibilidades, tentativas e descobertas. Essa metodologia nasceu em parte da experiência, dos questionamentos de conteúdos e dinâmicas nos cursos ministrados e em parte da prática nos hospitais, da abordagem com as crianças.

Eu adorei o encontro e fiquei com vontade de pertencer a esse mundo incrível de vocês!, contou Flávia Ayres. Para Vinicius Nobre e Cleusa Toledo, a aula foi uma possibilidade de conhecer um pouco mais do trabalho que é feito pela ONG. Adoramos conhecer o trabalho de vocês mais de perto!, contou Vinicius. Para Simone Kliass, foram três horas de risadas, prontidão, trabalho em equipe e criatividade… resultado? vou fazer o curso “Palhaço para Curiosos”!

Quem ministrou a aula foi Raul Figueiredo, artista formador que também coordena um programa que une iniciativas de grupos semelhantes em hospitais, e Marcelo Marcon, palhaço do elenco dos Doutores da Alegria desde 2010. É interessante ver como todos começam tímidos e ao final estão disponíveis para os jogos, essa mudança me faz entender a importância do curso, onde cada pessoa tem a oportunidade de resgatar sua maneira de brincar, conta Marcelo. 

Pra quem não sabe, a Escola dos Doutores da Alegria oferece cursos com duração variável e para públicos distintos, de modo que garantem espaço tanto para quem quer experimentar os conceitos e princípios do palhaço como para quem busca um espaço mais aprofundado de estudo, pesquisa e treino.

E você, tem interesse em conhecer a nossa Escola?

Convite para cantar em qualquer canto

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

A Escola dos Doutores da Alegria abre a programação do ano com dois cursos destinados ao público em geral: Palhaço para Curiosos, ministrado por Thais Ferrara e Marcelo Marcon, e o novo Canto em Qualquer Canto, ministrado por Raul Figueiredo.

Convidamos Raul Figueiredo, que também é tutor do programa Palhaços em Rede, para falar um pouco sobre o novo curso.

“Estamos iniciando uma nova linha de cursos na Escola dos Doutores da Alegria, com foco no treino para desenvolvimento de habilidades. O primeiro treino será ministrado por mim, para quem quiser soltar a voz e cantar. São encontros despretenciosos, onde cada um traz o que sabe. Vale quem nunca cantou, quem se arrisca no chuveiro e quem já tem uma certa experiência.

A ideia é colocar todos para cantar em grupo, estimulando a percepção musical. Iremos abrir vozes e aprender a nos ouvir em coro. Após os oito encontros, esperamos que cada um tenha, pelo menos, somado mais quatro músicas ao seu repertório.

Fico aguardando a sua presença para poder compartilhar o que tenho pesquisado musicalmente nos últimos anos!”

As inscrições para ambos os cursos estão abertas no site dos Doutores da Alegria até 1 de março.