BLOG
 

O médico mudou. E, bem, o palhaço também.

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Lá pelos anos 90, quem tinha maior autoridade e prestígio dentro de um hospital era o médico. O profissional era o detentor do conhecimento, em seu julgamento e em suas mãos repousavam o destino de muitos. A seriedade era quase que lhe imposta, uma vez que qualquer erro podia lhe custar uma vida.

Foi neste cenário que surgiu o Doutor da Alegria, sujeito com um jaleco cheio de cacarecos, uma aparência questionável, entendido de Besteirologia, sem autoridade nenhuma e fadado ao erro. A ideia era justamente contrapor a autoridade médica, trazendo um novo olhar para as relações e a hierarquia dentro de um ambiente em que a saúde e a doença caminham juntas.

Itaci - Lana Pinho-138

Pois bem. Quem acompanha a rotina de um hospital hoje, quase 30 anos depois, sabe que o poder da figura médica perdeu fôlego, apesar de histórias recentes como esta.

O oncologista Drauzio Varella ajuda a entender pra quem está do lado de fora: “A lógica de mercado invadiu o sistema de saúde. Administradores alheios à profissão trouxeram palavras de ordem às quais [nós, médicos] não estávamos habituados: produtividade, racionalização da mão de obra, economia de escala, lucratividade, fusões, corporações, capital de risco.”

Em um artigo para a Folha de S.Paulo sobre os últimos 50 anos da Medicina no país, Drauzio conta como a figura médica foi absorvida pela indústria e pelo avanço da ciência. Se, por um lado, o profissional testemunhou um salto de qualidade técnica da medicina, por outro “o desinteresse dos colegas frustrados com os salários e as condições de trabalho fizeram perder parte do prestígio que tínhamos na sociedade”, escreve ele. O artigo inteiro pode ser lido aqui.

Os meios de comunicação modernos, que trazem conteúdo à ponta do dedo, abriram as portas do conhecimento para o paciente de hoje, que é muito mais informado que há 50 anos. “Os médicos que nos precederam transmitiam mensagens de saúde ao encontrar as pessoas nas ruas, nas praças, nas festas da comunidade. As praças de hoje são as estações de rádio, os canais de televisão, o Facebook, o Google, o YouTube e os sites da internet. Muitos dos que nos introduziram na profissão eram médicos autoritários, que impunham suas condutas sem levar em conta as idiossincrasias individuais.”, conta Drauzio Varella.

E se a função do médico moderno é a de trazer alternativas para que o paciente possa decidir – sim, ele mesmo! – sobre qual delas se adapta melhor às suas necessidades e desejos particulares, qual seria a função do palhaço que atua no hospital?

IMG_1585_net

Contrapor a figura de um médico empoderado parece não fazer mais sentido. Em muitos relatos neste Blog fica clara a parceria que o palhaço estabelece com o médico, como nesta história em que a equipe de saúde pediu aos palhaços que dessem a tão almejada alta hospitalar a uma criança. Ou nesta organização, em que palhaços são autorizados a acompanhar procedimentos cirúrgicos, reduzindo o estresse e facilitando o diagnóstico pela equipe médica.

A aliança entre médicos e palhaços que atuam de maneira profissional foi conquistada aos poucos, com profundo respeito aos saberes de cada um.

IMG_8764

E se na nova ordem o paciente deixou de ser o centro das atenções no sistema de saúde, como bem lembra Drauzio, para médicos e palhaços ele continua sendo a razão pela qual decidimos entrar pelas portas de hospitais todos os dias. Com jalecos ou cacarecos, com diagnósticos difíceis ou sorrisos inesperados.

Quem manda aqui…

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

A vida toda a gente segue aprendendo, como na canção do eterno Gonzaguinha. Mas nem todo mundo se coloca nesse lugar, mesmo quem esteja ainda na escola, cursinho ou faculdade. Quem ensina e quem aprende?

A vida é um jogo eterno das aprendizagens, os papéis se misturam e se invertem o tempo inteiro. Aprendemos muito com as crianças. E essa abertura é um caminho sem volta, onde não há imposições, e sim a percepção para caminhar junto numa experiência única e efêmera, onde os papéis serão definidos na hora da brincadeira.

IMIP - Lana Pinho-17

É muito raro ouvirmos hoje em dia: “quem manda aqui…”, mas não é invenção, nem ficção. Ainda há médicos que acreditam nesse subterfúgio do conhecimento e se colocam no patamar da inexistência. Eles parecem viver em outro mundo, mas nós não. Muitos pensam que não vemos e não ouvimos por estarmos de palhaço, mas a realidade é que vemos e sentimos mais, como uma lente de aumento, como um ouvido supersônico, como se o mar enchesse e secasse constantemente. 

Era dia e a enfermaria estava cheia esperando a hora da visita do médico. E na cama ao lado, compartilhando uma presença inexistente, pudemos ouvir:

- Por que não está tomando o remédio?
- A enfermeira que tirou!, respondeu a mãe.
- Quem manda aqui sou eu! 

Foi difícil ver e ouvir, difícil esquecer e ter que continuar. A sua afirmação fazia sentido para ele. Respirei e tentei seguir, sabendo que os ponteiros do tempo caminham diferente para cada um. Mas era inacreditável ter presenciado aquela cena e contando parece até coisa inventada, mas não foi: era real como respirar. E se mentisse ao ponto da invenção, era porque mesmo que surreal pareça, isso ainda é uma prática comum de uns tantos poucos médicos. 

IMIP - Lana Pinho-48

A mãe ouviu o que ele disse e comentou em um olhar cúmplice conosco, como se estivéssemos no mesmo barco da indiferença sem poder gritar. Passada a situação e tentando dar conta do acontecido, saímos seguindo com o poder que nos cabe, aprendendo que ser ainda é um caminho longo a ser percorrido, sem recair na armadilha da imposição.

Mas há quem use dos seus artifícios para ser ouvido e respeitado, como a dose certa de achar que é o correto. 

Luciano Pontes, conhecido como Dr. Lui,
escreve do Hospital da Restauração, em Recife.

Cinco coisas que você não sabia sobre Doutores da Alegria

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Está lançado o desafio: você sabia de todas essas particularidades do nosso trabalho?

1. Os palhaços não são médicos, são artistas.

A figura do médico foi a nossa inspiração, mas os artistas são formados em áreas das Artes Cênicas, com especialização na linguagem do palhaço. 

Fazemos uma paródia do médico, a figura de maior autoridade nos hospitais, justamente para criar um contraponto na relação com as crianças. Os palhaços se apresentam como besteirologistas e a diferença também se dá na disposição de cada um – o médico se prepara para o acerto; o palhaço, para o erro. 

Duplas e solo - Lana Pinho-15

2. O trabalho é gratuito para os hospitais, mas não é voluntário.

Doutores da Alegria nasceu com uma vocação artística; estamos comprometidos com a linguagem do palhaço.

Nos hospitais, atuamos em quase todos os setores que dizem respeito à pediatria, do Pronto Socorro à UTI, por 12 horas semanais. Além das intervenções nos hospitais duas vezes durante a semana, os artistas participam de treinamentos todas as sextas-feiras na sede e fazem ensaios para espetáculos. Exigimos comprometimento e profissionalismo.

A maneira como optamos por nos estabelecer, valorizando o trabalho profissional, foi para gerar conhecimento e legado para futuras gerações. Assim, todos os artistas que atuam na associação são remunerados, mas o trabalho é oferecido de forma gratuita para os hospitais e o público beneficiado. 

 Foto_25

3. Nossa inspiração não foi Patch Adams.

Apesar de aparentes semelhanças entre a associação Doutores da Alegria e o ativista Patch Adams, há muitas diferenças na sua forma de atuação.

Ambos beberam da mesma fonte, que é a arte do palhaço. Patch Adams é formado em Medicina e utilizou a linguagem do palhaço para qualificar a sua atuação junto a crianças hospitalizadas. Seu método é terapêutico, ou seja, ele se propõe a levar amor às crianças e se utiliza da comicidade para promover a cura e o bem estar.

Doutores da Alegria, fundada pelo ator Wellington Nogueira em 1991, foi inspirada na iniciativa Clown Care Unit, de Nova York (EUA), que entendia o hospital como um palco possível para o palhaço. Temos um grupo de artistas especialmente treinados que realizam intervenções cênicas em leitos pediátricos de hospitais públicos, mas sem fins terapêuticos. O objetivo é inspirar relações humanas.

São joãozinho - Restauração -   Lana pinho-33

4. Temos uma Escola.

A Escola dos Doutores da Alegria surgiu em 2007 como uma escola de arte, com pedagogia própria no ensino da máscara do palhaço. Ela atua na formação de públicos diversos – desde voluntários de grupos semelhantes a profissionais que queiram exercitar a criatividade – e também de artistas para intervir em palcos diversos, improváveis, onde as escolhas os levarem, como o hospital.

Entre as iniciativas da Escola destaca-se o Programa de Formação de Palhaço para Jovens que oferece a jovens de 17 a 23 anos, em situação de vulnerabilidade social, uma iniciação na carreira artística voltada à linguagem do palhaço.

oficina doutores - Lana Pinho-10

5. Somos uma associação, não um grupo.

Com sede em São Paulo e unidades em Recife e Rio de Janeiro, a associação Doutores da Alegria conta hoje com 64 colaboradores, entre artistas e equipe técnica. Todos são remunerados e trabalham de forma não voluntária.

Como uma associação da sociedade civil sem fins lucrativos, Doutores da Alegria possui certificações próprias de entidades civis e prêmios de reconhecimento, além de parcerias com os setores público e privado.

DOUTORES DA ALEGRIA_2017 - DNG

E aí, ficou surpreso? Se tiver alguma dúvida sobre o nosso trabalho, acesse as perguntas frequentes ou mande um sinal de fumaça ;)

Entre a ciência e o coração

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Em um artigo da Revista Brasileiros, o médico patologista Paulo Saldiva traçou um histórico de como a figura do médico foi retratada pelo olhar das artes visuais e do cinema.

Rockwell ou Kildare representavam médicos humanos, desprovidos de ambição, com total comprometimento aos seus pacientes. Segui com o Dr. Frankenstein, de James Whale, que em 1931 retratou o temor do poder da medicina (coincidindo com as primeiras cirurgias torácicas e cardíacas), onde o médico era punido pela sua própria criatura, ao tentar ousar interferir com a vida e a morte.

Nos anos 1970 e 1980, os médicos descem mais um degrau. Ou fazem parte de corporações inescrupulosas que, ao lançar substâncias tóxicas no esgoto, fazem surgir um jacaré gigante a aterrorizar Nova Iorque (imprudência) ou médicos cínicos, como os que Roger Altman descreveu em Mash, incapazes de se compadecer dos pacientes mesmo em meio a uma guerra pavorosa. Terminei finalmente com o Dr. House, exemplo de médico tecnicamente brilhante, mas incapaz de enxergar o doente que sofre e sim valoriza apenas a doença.” (trecho do artigo)

Pois bem: o médico também foi a nossa inspiração quando iniciamos a atuação nos hospitais, em 1991. Os palhaços faziam uma paródia, vestindo-se com um jaleco cheio de cacarecos e distribuindo exames fictícios pelas alas infantis, sempre sob um pseudônimo engraçado – Dr. Zinho, Dr. Ado, Dra Juca Pinduca… Até uma especialidade foi criada: a Besteirologia.

+ saiba mais sobre a paródia do palhaço

“Entre os profissionais hospitalares, o médico é visto como personagem revestido de muito poder, crítica e racionalidade. Seu poder – consolidado ao longo da história e de difícil revisão – emana justamente das decisões cruciais que toma. O palhaço, por sua vez, é visto como alguém que desafia as evidências dos fatos, a ordem médica instituída e instiga a repensar atitudes”, conta a psicóloga Morgana Masetti no livro “Boas Misturas, A Ética da Alegria no Contexto Hospitalar”.

1611_DOUTORES_079

É fato que a atuação dos palhaços ganhou outros contornos no hospital, indo além da paródia e se moldando à realidade do novo século.

Nas escolas de Medicina, onde Doutores da Alegria também atua formando estudantes para uma nova atitude, é comum o questionamento apresentado pelo próprio Saldiva: os médicos, ao ganharem em ciência, perdem em coração? E também é evidente a busca por uma combinação entre ambos, ou seja, a formação de médicos altamente capacitados e sensíveis à condição humana.

Hoje, 25 anos depois da primeira intervenção de um besteirologista, nos perguntamos se a paródia ainda é válida e que outras ordens instaladas o palhaço pode subverter nos hospitais.

Uma conclusão quase médica

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Já faz algum tempo, anos, pra ser mais impreciso, que percebo que, às vezes, numa enfermaria de hospital, algumas camas estão vazias. Sempre pensei que a criança tivesse saído para ir ao banheiro ou à brinquedoteca. Pois pasmem, não é nada disso.

Era uma manhã de segunda-feira e andávamos no lado esquerdo da enfermaria pediátrica, onde há quartos com seis leitos. Foi lá que nos deparamos com uma cama vazia. Havia apenas o cobertor e um brinquedo.

_MG_4836

Ficamos intrigados como o fato e perguntamos para as outras crianças do quarto:
- Tem alguém nesta cama?

As crianças responderam:
- Tem um menino aí! 

A cama estava vazia. Será que o paciente tinha fugido? Seria um truque da mente? Um sonho? Nós, Dr. Mané Pereira e Dr. Pinheiro, estávamos pensando em volta da cama quando surgiu o doutor Tito, médico do Hospital Santa Marcelina.
- O que os senhores acham?, perguntou ele.

Para não parecer mais ignorante, respondi à pergunta dele com outra:
- O que o senhor acha, Dr. Pinheiro?
- Prefiro não comentar!
, respondeu o besteirologista, cauteloso.

IMG_5322

Então nós três observamos a cama, refletimos, nos olhamos e concluímos:
- Acho que o filho do Homem Invisível está bem!
- Sim, vamos dar alta pra ele, prontamente disse o Dr. Tito.
- Só se for imediatamente ou já!, acompanhou Pinheiro.
- Que bom podermos discutir este tipo de caso raro na Medicina…, finalizou o médico. 

Então pensei em algo inteligente para concluir:
- Colegas, a Besteirologia é baseada em evidências. 

Quando olhei para o lado, eles tinham ido embora. Inclusive o menino invisível. 

Dr. Mané Pereira (Márcio Douglas)
Hospital Santa Marcelina – São Paulo

Você também pode gostar:

Em 1990

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Nos anos 90, no início do trabalho dos Doutores da Alegria, os hospitais brasileiros tinham uma estrutura diferente do que vemos hoje – não havia, por exemplo, diferenciação entre a ala infantil e a ala adulta.

A proposta de levar um palhaço para dentro do hospital era muito inovadora porque a ideia que as pessoas tinham era a do palhaço de circo, acostumado a lidar com grandes plateias. O que um médico acharia de uma figura como esta entrando em um quarto de uma criança debilitada? Vocês podem imaginar.

foto25

Mas Wellington Nogueira tinha visto o surgimento dessa atividade em Nova York e tinha certeza de que o trabalho traria resultados se o artista fosse inserido no ambiente hospitalar como integrante do quadro profissional – e não como um visitante, com um trabalho pontual em uma data comemorativa.

Foi assim que ele apresentou o “besteirologista”, o palhaço que fazia a paródia do médico, e convenceu as diretorias hospitalares e os profissionais de saúde de que era uma tarefa permanente. 

foto13

No final da década, o Estatuto da Criança e do Adolescente já avançava e garantia direitos como a presença de um acompanhante junto às crianças hospitalizadas. Na mesma época, o Programa Nacional de Humanização trazia novas diretrizes para os hospitais e reconhecia os benefícios da intervenção do palhaço.

Em 1997 Doutores da Alegria recebeu o Prêmio Criança, da Fundação Abrinq pelos Direitos da Criança. Em paralelo, pesquisas comprovavam que a presença contínua do palhaço trazia melhoras ao tratamento médico, além de qualificar as relações humanas naquele ambiente.

foto23

Este cenário tornou o trabalho da ONG reconhecido e muito bem avaliado por diretorias, por profissionais de saúde e principalmente pelo seu público, as crianças!

foto179

Na década seguinte o trabalho se solidificou e Doutores da Alegria ampliou sua atuação. Em 2009 e em 2010 recebeu o Prêmio Cultura e Saúde, iniciativa conjunta dos Ministérios da Cultura e da Saúde.

E hoje, quase 25 anos depois, há mais de 1.000 iniciativas semelhantes espalhadas pelo país e milhares de pessoas buscando a qualificação do trabalho para atuar junto às crianças. Que assim seja!

Essa nossa dúvida

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Quando decidimos explorar o hospital como palhaços, miramos na figura do médico.

Foi o médico, lá em 1991, que inspirou o personagem “besteirologista”. Nosso figurino recebeu mais uma peça – o suntuoso jaleco, manto da profissão – e itens que parodiavam estetoscópios, termômetros e receituários. Cada artista incorporou o seu besteirologista: Dr. Zinho, Dra. Emily, Dra. Sirena, Dr. Lui e tantos outros.

Palhaços e médicos se colocam a serviço do outro e nutrem-se dos mesmos elementos para suas atuações: olhar, ouvir, compreender necessidades, interagir. O contraste talvez esteja na disposição de cada um – o médico se prepara para o acerto; o palhaço, para o erro.

DRs_Imip_Foto RogerioAlves__104

Enquanto um erro do médico pode ser fatal, o besteirologista treina para o tropeço, para bater com a cara na porta. É no erro que se constrói graça e cumplicidade. Como pacientes ou meros espectadores, amparamos a sua fragilidade e rimos de suas trapalhadas.

No hospital a perfeição é exigida em cada detalhe. O palhaço ajuda a lidar com a vulnerabilidade da condição humana, com nossos conflitos e dificuldades, atuando para expandir os limites do comportamento.

Fotografia da Dupla Du Circo e Ju Gontijo no Instituto da Criança no Hospital das Clínicas.

O palhaço nos leva a aceitar a dúvida e a hesitação; enquanto esperamos respostas rápidas e salvadoras da figura médica. Dá pra imaginar o peso da profissão, de cada palavra ou esperança dada!

Hoje o nosso trabalho nos hospitais ainda segue a paródia do médico, mesmo que superficialmente. As visitas leito a leito e o jaleco espelham a profissão. Mas dia a dia questionamos que outros elementos – no campo objetivo ou no campo dos afetos – merecem a intervenção artística. Que função social o palhaço cumpre hoje nos hospitais públicos?

o inevitavel

Talvez cada hospital tenha as suas questões. O Instituto da Criança, referência em São Paulo, é diferente do Hospital do Campo Limpo, que é diferente do grande Hospital Barão de Lucena, no Recife, ou do Hospital Santa Maria, que trata pessoas com tuberculose no Rio de Janeiro.

A busca por essa resposta também é motor de diálogos e pesquisas hoje no Doutores da Alegria. Artistas e corpo administrativo pensam juntos. E a reflexão com a sociedade, com quem habita esses lugares públicos, é um passo importante nesta jornada.

Assim como o palhaço, deixemos que a dúvida faça sempre parte do trajeto.

E a gente dorme sorrindo?

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

No primeiro encontro com a I., ainda na UTI, ela não deu muita conversa para os besteirologistas e foi logo fechando os olhos, fingindo que dormia.

Mantivemos certa distância e, embora conectados com ela, foi assim que percebemos que tudo não passava de um disfarce, na verdade ela apenas queria nos contemplar. Entre as brechinhas de seus dedos, ela nos espiava e acompanhava toda a movimentação que fazíamos dentro da UTI.

e a gente dorme

Em outra visita, encontramos a menina em uma das enfermarias. Apesar de ser outro ambiente, ela continuou mantendo o jogo, e como no nosso caso quem comanda é a criança, respeitamos o jogo estabelecido por elaContinuamos a encontrá-la e ela continuou a “dormir”, mesmo que quase sempre tenha um sorriso no canto da boca.

- Ué, e a gente dorme sorrindo?

Como médicos são sempre desconfiados, e no caso de besteirologistas ainda somos também curiosos, resolvemos nos certificar e perguntar à própria I. se ela estava dormindo, no que prontamente ela respondeu:

- Tô dormindo, sim! 

Uma pergunta foi pouco, era preciso checar a informação.

- Então não está acordada? 

E veio a preciosa resposta que selou o diagnóstico:

- Tô acordada, não! 

Estava então tudo esclarecido! A I., ao nos ver, prefere dormir e sonhar com os besteirologistas. Pelo menos foi o diagnóstico mais simpático a que chegamos. Para nós! No encontro entre um palhaço e uma criança é isso que importa, o respeito mútuo, a confiança e a certeza de que podemos ir até onde o jogo permitir. O “não” de uma criança muitas vezes significa um “sim” e de não em não, de sim em sim, vamos atendendo cada uma delas conforme as regras do jogo. 

Já com as mães, o “fingir” que está dormindo ou dançar e até rebolar quando tocamos uma música faz com que se abra um portal de alegria nas enfermarias. Para a criança, se a mãe se diverte ela também se diverte, e se uma enfermeira se diverte, nossa!, a criança rola de rir na cama. E imaginem quando um médico se diverte! Para a criança isso tudo é muito incrível, e para nós, tirar partido disso é mais do que uma simples diversão, é estreitar as relações dentro do hospital e falar de igual pra igual, todos em prol da mesma causa, que é tornar aqueles dias de internamento da criança mais leves e até divertidos.

Dra Mary En e Dr. Micolino (Enne Marx e Marcelino Dias)
Hospital da Restauração – Recife

Você também pode gostar:

Viva o doutor Ulysses!

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

No mês de abril ficamos sabendo que o doutor Ulysses Doria Filho, pediatra do Hospital Santa Marcelina, se aposentaria. Ou melhor, sairia em grande estilo do hospital no qual ele trabalhou por mais de quarenta anos!

Com esta informação em mãos, os nobres besteirologistas Chicô e Mingal resolveram ajudar os enfermeiros a homenageá-lo. Nada de flores ou discurso de quatro páginas… Pensamos em fazer um show de mágica! E sabe por quê? Porque lembramos do médico parando a gente nos corredores para mostrar suas mágicas. O que ele não desconfiava é nós também temos truques na manga! 

O grande dia

Todo mundo esperava espremido dentro da brinquedoteca do Santa Marcelina. Quando o dr. Ulysses chegou, foi muito emocionante! Entre abraços, lembranças e risadas, surgiram duas figuras esquisitas: o mágico Mingal e a sua ajudante. 

O quê? Sua ajudante? Claro! O que seria do Dom Quixote sem o Sancho Pança? O pão sem a manteiga? O Claudinho sem o Bochecha? O que seria do mágico sem a “sua” ajudante? E quem seria essa mulher? Quantas perguntas! Acredite se quiser: Mingal convenceu Chicô – na base da força dos seguranças do hospital – a fazer o papel da ajudante. 

E foram muitos números, um melhor do que o outro, como a mágica de tirar água do joelho e o incrível aparecimento do sutiã em um dos doutores que gritou: LIBERDADE! 

No auge da nossa apresentação, Mingal disse para o doutor:

- Mas eu queria ser um mágico excelente pra tentar fazer desaparecer a saudade que o senhor vai deixar aqui, viu! 

E essa foi a nossa simbólica homenagem ao doutor Ulysses, grande médico que agora vai ter o seu merecido descanso!

Dr. Chicô Batavô (Nilson Domingues) e dr. Mingal (Marcelo Marcon)
Hospital Santa Marcelina – São Paulo 

Bate e rebate

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Às vezes a gente escuta coisas no hospital que batem e rebatem em nós, palhaços, de um jeito diferente. E como não senti-las?

O fato aconteceu quando uma adolescente angustiada com seu tratamento recebeu nossa visita no Hospital PROCAPE, no Recife. Ela era de poucas palavras e reações. De uma hora pra outra, sem mais nem menos, ela me chamou de “porco”.

Parado na porta, eu, por trás da máscara, pensei no que senti ao ouvir isso. Sim, é verdade que me tocou, mas eu sabia que não era de verdade que ela falava. Rapidamente, procurei uma solução para reverter a situação e, fazendo um drama, falando choroso, eu disse:

- Olha, já me chamaram de tudo aqui: de “porta-soro” a “poste de amarrar jegue”, mas “porco? ÓINC! ÓINC!

Soltando essa onomatopeia de porco, “revelei” que, talvez, eu, dr. Lui, fosse um. Saí correndo e a dra. Baju ficou cuidando da situação dramática. Nisso, peguei meu receituário besteirológico e desenhei um porcoChamei Baju e pedi que entregasse à menina. Esperei que ela recebesse a receita médica e, de onde eu estava, só ouvi a gargalhada. Rebati!

Também no PROCAPE, um paciente já íntimo nosso estava todo chateado. Perguntamos a ele se tinha sido por nossa causa, se tínhamos feito algo errado, ao que ele respondeu que não. Perguntamos se tinha sido a enfermeira, ele também disse que não.

Perguntamos se tinha sido algum médico e ele respondeu que sim! Que o médico tinha tocado na barriga dele e que tinha doído. Perguntamos se ele queria que nos vingássemos e ele respondeu que sim.

Então, fomos atrás do médico!


Ao nos depararmos com ele – o dr. Eler-, combinamos que o trancaríamos no banheiro e ele aceitou! Entramos na enfermaria do nosso paciente acompanhados do doutor:

- Então, Dr. Eler… Como vai o senhor?… Vamos entrar aqui, bater aquele papo…

E foi aí que o “trancamos” no banheiro e começamos a bater no porta, enquanto o dr. Eler gritava:

- Ai! Socorro! Desculpa, dra. Baju! Desculpa, dr. Lui!

Em seguida, abrimos a porta do banheiro e, quando saímos, o nosso paciente estava com um sorriso que parecia uma talhada de melancia! É, ele rebateu!

por dr. Lui (Luciano Pontes) e dra. Baju (Juliana Almeida)