BLOG
 

Café com sabor de parceria!

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Atuar há 25 anos como uma organização da sociedade civil, sem fins lucrativos, exige muita dedicação e empenho. E agradecer aos parceiros que permitem a continuidade deste trabalho faz parte da nossa rotina. 

Empresas de todo o Brasil suportam os nossos projetos em saúde, cultura e assistência social por meio de doações – via recursos próprios ou leis de incentivo – e fazem parte de um time que acredita na causa da alegria. 

Na última semana, recebemos todos estes parceiros com um delicioso café da manhã na nossa sede, em São Paulo.

DSC_1464café da manhã oferecido pela Padaria Dona Deôla

A abertura do evento foi feita por Luis Vieira da Rocha, atual diretor-presidente do Doutores da Alegria. O fundador da associação, Wellington Nogueira, foi mestre de cerimônias de um encontro que contou com histórias emocionantes narradas pelos palhaços e a entrega de certificados para as empresas. “A razão de estarmos aqui hoje é pra dizer muito obrigado por vocês confiarem e investirem no trabalho do Doutores da Alegria”, disse Wellington Nogueira.

DSC_1582Luis Vieira da Rocha, diretor-presidente do Doutores da Alegria,
fala sobre o momento atual da associação

DSC_1600Luis Vieira da Rocha, diretor-presidente, e Wellington Nogueira, fundador 

A organização do evento ficou por conta da equipe de Mobilização de Recursos. “O café da manhã aqui na sede é o momento que dedicamos para agradecer e homenagear nossos patrocinadores e parceiros. Cada detalhe do que acontece nesse dia é pensado com muito carinho para que eles se aproximem ainda mais do nosso trabalho, sintam-se parte da nossa história e mantenham, junto conosco, o desejo de ter uma relação duradoura.”, afirma Bárbara Saad.

DSC_1626palhaços narram histórias do dia a dia nos hospitais

DSC_1656

DSC_1710

DSC_1771empresas recebem certificados de parceria

DSC_1790

DSC_1810

Veja aqui todas as fotos do café da manhã com parceiros. E para saber como sua empresa pode colaborar com Doutores da Alegria, entre em contato pelo telefone (11) 3061-5523 ou pelo e-mail parcerias@doutoresdaalegria.org.br. Saiba mais aqui.

Você também pode gostar:

Parceria pouca é bobagem

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

Aconteceu uma coisa muito especial e potente entre a dupla de besteirologistas Mingal e Pororoca e a equipe de médicos e enfermeiros do Itaci, em São Paulo.

Recebemos as incríveis missões de dar duas boas notícias aos nossos pacientes: a alta médica (passe livre para voltar para casa) e a pega que deu certo (transplante de medula óssea que foi sucesso e a medula pegou).

Vamos voltar um pouquinho para entender essas histórias.

O mapa da Mina

Mina é uma menina que estava em isolamento e com a imunidade muito baixa, por isso nossa relação acontecia através do vidro que separa o quarto de uma ante-sala, onde a gente ficava.

Mina é muito ativa, falante e propositiva e queria de todas as formas que a gente entrasse no quarto. Mas nada é tão simples para uma dupla de palhaços, e nunca conseguíamos entrar no quarto, fazendo da impossibilidade de entrar, causada pelo isolamento, um pretexto para problematizar a entrada no quarto.

Itaci - Lana Pinho-166

Sempre das maneiras mais diferentes e malucas, saíamos da ante-sala que dava acesso ao quarto pela porta errada – a que não levava para dentro do quarto, mas sim para o corredor do hospital. Até que Mina teve a brilhante ideia de fazer um mapa com o caminho certinho e beeeem explicadinho de como finalmente entrar no quarto.

O jogo de tentar entrar e nunca conseguir era divertido e gerava muitas imagens e situações, mas por outro lado, a repetição por tantos encontros estava gerando em Mina uma certa angústia, porque ela acreditava piamente que a gente não conseguia entrar por pura paspalhice.

Mas eis que numa manhã tudo mudou. Recebemos a solicitação para não só entrar no quarto de Mina, mas para também dar a tão sonhada notícia que ela estava de alta médica. Ficamos tão surpresos e felizes que não cabíamos em nossos narizes vermelhos! 

Orientados pelo mapa da Mina, Pororoca e Mingal finalmente conseguiram entrar no quarto. E ela ficou maravilhada e surpresa:

- Mãe, olha o sapato deles!, disse olhando fascinada para nossas pernas e pés, afinal ela só conhecia a gente da cintura para cima. Depois da exibição dos sapatos e de bastante festa pela tão esperada entrada no quarto, em um coro muito afiado, entoamos a boa nova.

- MINA, VOCÊ ESTÁ DE ALTA! PODE IR PARA CASA!

Itaci - Lana Pinho-168

Que alegria ficaram essa menina e essa mãe, que alegria ficaram esses palhaços, que alegria ficaram médicas e enfermeiras espiando a cena pelo vidro na ante-sala!

Ao nos conceder a missão de dar a notícia da alta hospitalar para uma paciente há tanto tempo internada e em isolamento de contato severo, a equipe médica revelou um respeito profundo por nosso trabalho, colocando em outra dimensão o conceito de parceria entre nossos ofícios.

A história da alta dessa paciente ficou famosa e as outras equipes, da UTI e Enfermaria, souberam do caso e vieram falar conosco. Outras equipes quiseram repetir a prática e, poucos dias depois, fomos incumbidos de dar outra boa notícia…

Pegação

Sassa, uma paciente já mais mocinha, tinha realizado um transplante de medula e tinha pegado, ou seja, tinha dado certo… 

Entramos no quarto falando “pega, pega, pega daqui, pega dali, que a gente queria pegar e coisa e tal”. Sassa começou a achar meio estranha essa coisa de falar tanto em “pega”. Depois de um pouco de mistério, que é bom pra dar emoção, revelamos:

- A MEDULA PEGOU!

Sassa deu um grito junto com sua mãe! Elas riram, se emocionaram e a festa começou. Foi muito gratificante dar essa outra boa notícia.

Itaci - Lana Pinho-148

Mais uma vez, a equipe hospitalar nos concedeu a oportunidade de dar uma notícia/diagnóstico, estreitando nossa relação e intensificando a parceria, fazendo uma fusão bonita entre a arte e a ficção (médicos palhaços) e a medicina.

Dra Pororoca (Layla Ruiz)
Instituto de Tratamento do Câncer Infantil – São Paulo

Você também pode gostar:

Obrigado, parceiro!

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Os últimos meses do ano são muito importantes para as organizações sem fins lucrativos que se utilizam de recursos da renúncia fiscal. É neste período que a maior parte das empresas apura o lucro obtido durante o ano e destina, por meio de leis de incentivo criadas pelo governo, recursos para ONGs como Doutores da Alegria. Saiba mais sobre as leis de incentivo. Há também empresas que doam recursos próprios, sem depender de leis como a Rouanet.

No final de 2013, empresas de atuação nacional doaram recursos para a nossa causa e outras renovaram a parceria que mantêm há anos. Uma delas é a empresa White Martins, que patrocina Doutores da Alegria desde 2007.

Admiramos e apoiamos o trabalho dos Doutores da Alegria porque eles fazem muito mais do que provocar o sorriso de crianças hospitalizadas. Eles conseguem, com muita sensibilidade, transformar a percepção das pessoas para que elas enxerguem o lado bom das coisas e se sintam mais motivadas para sua recuperação. De uma forma inovadora e apaixonante, eles trazem impactos reais para a melhoria da qualidade de vida dentro e fora dos hospitais, conta Cristina Fernandes, diretora de Talentos e Comunicação da White Martins.

O recurso doado pelas empresas parceiras é fundamental para a manutenção do nosso trabalho. Além deste, contamos também com o apoio de pessoas físicas e jurídicas no programa de sócios mantenedores – os Sócios da Alegria – que fazem doações esporádicas ou recorrentes e ajudam a levar alegria para os hospitais. Entre as atividades mantidas, estão o Programa de Palhaços Besteirologistas, o programa Palhaços em Rede, o projeto Plateias Hospitalares e trabalhos de pesquisa de impacto e de geração de conhecimento.

As atividades da organização são permanentes, por isso realizamos campanhas de arrecadação de recursos durante todo o ano.

Veja as empresas que apoiam o trabalho em 2014:

White Martins
Patrocinador Gargalhada

Sanofi
Protege
Parceiro Sorriso

Atlas
Schott
Bignardi
Parceiro Narigada

Correcta
Arizona
Galzerano
Cremer
Credsystem
Becton Dickinson (BD)
Libbs
Tegma
Parceiro Cócega

Gonçalves
Promon
Epson
Metisa
Montana
SGWS
Parceiro Gentileza

Obrigaaaaaado, parceiros e Sócios da Alegria!

Ah, a sua empresa também quer apoiar? Envie um e-mail para parcerias@doutoresdaalegria.org.br ou ligue para (11) 3061-5523.

Você também pode gostar:

Carta ao Itaci

Tempo de leitura: 3 minuto(s)

Para fechar o ano de trabalho no Instituto de Tratamento do Câncer Infantil, a Dra. Guadalupe escreveu uma carta para todos que, de uma maneira ou de outra, a ajudaram a construir essa história junto com a Dra. Manela, sua parceira.

“O Itaci é realmente um hospital muito especial. Um ano de trabalho num hospital como esse nos provoca de diversas maneiras, como palhaços e também como seres humanos. Diariamente lidamos com diversas questões relacionadas à vida, morte, saúde, doença, família, relações humanas, valores, etc, etc, etc.

Confesso à vocês que chego nesse fim de ano um tanto cansada. O nosso mestre inspirador que foi quem criou esse trabalho, Michael Christensen, nos disse há pouco tempo: “Vocês sabem por que ficamos tão cansados ao fim de um dia de trabalho como esse? Porque durante todo o dia recebemos uma grande quantidade de informações, das mais variadas, lidamos com todas elas e ainda fazemos com que pareça simples e fácil”.

É, concordo absolutamente com ele.

Dra. Guadalupe

O palhaço é mais ou menos como uma antena parabólica, que capta tudo que acontece à sua volta, tentando perceber todas as situações que estão acontecendo no hospital. E encontra pais, crianças e equipe médica em circunstâncias de dor (física e emocional), de alegria, de tensão, de medo, de alívio, de comemoração, de perda, de raiva, de dúvida, de tranqüilidade, de prostração, de sono, de fome, sob efeitos de medicação, às vezes em alucinação, às vezes em descanso, dormindo, bordando, almoçando, vendo televisão, tomando banho, esperando, brincando, dançando, cantando, chorando, berrando, batendo, puncionando uma veia, indo embora, chegando pela primeira vez, pela última, no começo do tratamento, no fim, no meio… Enfim! Muitas delas num mesmo dia de trabalho e num curto período de tempo.

E o palhaço minha gente, ainda vê tudo isso sob uma lógica diferente, enxergando essas situações por outro ângulo e criando milhões de outras realidades e jogos a partir delas. Exatamente como a criança, que é capaz de se conectar com a realidade e entender o que se passa à sua volta, ao mesmo tempo em que vive e compreende tudo isso segundo a lógica de sua imaginação e fantasia, reino que freqüentemente habita.

Quando digo que o Itaci é um hospital especial é porque por mais que eu esteja fisicamente cansada ao fim deste ano, minha alma está repleta de aprendizados. Coisas que eu pude entender neste ano de trabalho e outros questionamentos que permanecem sem respostas, cuja busca se faz motor para continuar este trabalho.

Estou absolutamente grata à toda equipe do Itaci, que nos recebe diariamente com um sorriso no rosto abrindo as alas para que possamos passar; se disponibilizando para esclarecer nossas dúvidas, para conversar e para entrar no nosso jogo de cabeça, se despojando de julgamentos e travas para se permitir à besteira, e nos proporcionar gargalhadas.

Estou enormemente grata à todas as crianças que encontramos e todos seus pais, parentes, acompanhantes que se disponibilizam para nossa besteira. Que apesar de tudo que estejam vivendo, nos oferecem sua brincadeira, sua imaginação, seu canto, suas molecagens para que a gente viva junto! Estou grata por essas crianças, jovens e adultos que concordam em abandonar a realidade por um momento e imaginar. Que topam viajar conosco pelo nosso insólito universo e que acreditam na gente, e que nos dão a devida importância. É por vocês que existimos!

Essas crianças me ensinaram que cada minuto que passamos dentro do hospital é para ser vivido. Que essas horas são para passar vivendo, e não o contrário. E que viver não é só sorrir, viver é também estar cansado, injuriado, com dor de barriga. Viver envolve fracassar, envolve ficar sem ideia e não ter o que dizer, dizer algo inapropriado. Viver é também errar. Essas crianças me ensinaram o que vou levar de mais precioso: que o palhaço não é um super herói, capaz de mudar o mundo inteiro, ou o mundo de um hospital, o mundo de um quarto de internação. O palhaço é, antes de tudo, e simplesmente, um ser humano.

Um palhaço não mora nas idéias, na razão, no raciocínio.  O palhaço mora no peito, mora na barriga, mora onde a vida flui simplesmente por que flui, e acontece simplesmente por que acontece. Vibra por que vida. Como uma criança em qualquer circunstância.

Dra. Guadalupe e Dra. Manela

E, antes de terminar, é preciso ainda dizer que estou muitíssimo grata à minha parceira, com quem trabalhei todo esse ano, a Manela, a Paola. Se vivi tudo isso, se aprendi algumas coisas, foi ela quem esteve sempre ao meu lado. O parceiro é aquele que sustenta os nossos delírios e embarca neles; e é também o que te põe no chão quando necessário. Seja no triunfo ou no fracasso, é ele quem está ao lado e que te faz companhia. É quem faz os contrapontos às nossas ideias e que ao promover esse debate, que nos faz crescer. A Paola foi para mim como uma caverna onde eu fui o mar. Ela foi a pedra onde eu bati, rebati e me esparramei, que me permitiu esse movimento e que sempre me acolheu.

E o melhor de tudo é que ainda que o dia anterior não tivesse sido de grandes gargalhadas ou grandes ideias, no dia seguinte a equipe, as crianças e minha parceira me recebiam novamente com a mesma disponibilidade. Para seguir em frente. Por que o mais valioso de se descobrir como um palhaço ser humano é compreender a vida como um movimento, onde nós somos parte dele. Onde não há super heróis, onde não há sucesso e nem fracasso permanente. Onde não importa acertar ou errar, importa encontrar mais uma vez para partilhar a vida.

A todos com um enorme abraço,

Guadalupe, Tereza. ”

Paola Musatti e Tereza Gontijo

O fracasso do super-herói

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

Agosto foi um mês mais curto para nós dentro dos hospitais. Isso se deve ao fato de termos nos ausentado para seguir uma formação profissional ligada ao nosso ofício. Sim, senhoras e senhores, palhaçada se aprende e tal aprendizado necessita de manutenção e renovação.

E o que era basicamente um exercício técnico durante nosso curso, graças à adaptação dos palhaços e à colaboração das crianças, se tornou uma inventiva cena que se reproduziu várias vezes durante o mês no Hospital do Mandaqui. Imaginem vocês:

Eu, Dr. Zequim Bonito, ao perceber que os jovens pacientes ostentam figuras de super-heróis estampados em suas camisas, bonés, toalhas, chinelos etc, decidi mostrar à garotada e à minha parceira, Dra Emily, que eu sou um super-herói de verdade!

Vesti minha ridícula cueca rosa por cima da calça e comecei a levantar um haltere em mímica. A mímica é bem realizada, afinal passei duas semanas treinando tal exercício durante a formação. Aí, para a minha raiva e para o deleite da meninada, Dra Emily retira o peso das minhas cansadas mãos utilizando apenas… A ponta dos dedos! Era o golpe que faltava em minha dignidade!

Depois disso, cada menino também quis pegar o peso da forma mais provocativa possível: com a ponta do nariz, com a língua, com a orelha, com o sopro… Minha tentativa de ser mais forte e melhor do que os outros foi por água abaixo. Sai cabisbaixo do quarto sem entender o porquê de tamanho fracasso.

Vejam vocês, duas semanas de treinamento profissional, uma mímica perfeita, e tudo isso para “fracassar” no final. É, senhoras e senhores, nesse mundo onde todo mundo quer ser mais do que o outro, é sempre bom lembrar que somos falíveis, humanos e, no fundo, muito parecidos.

Dr. Zequim Bonito (Nereu Afonso)
Dra Emily (Vera Abbud)
Hospital do Mandaqui – SP
Agosto de 2012

White Martins: 100 anos no Brasil

Tempo de leitura: 2 minuto(s)

A White Martins, empresa patrocinadora dos Doutores da Alegria, celebrou no dia 9 de julho, no Theatro Municipal do Rio de Janeiro, seus 100 anos de atividades no Brasil.

A comemoração contou com um concerto especial da Orquesta Sinfônica Brasileira, sob a regência de Roberto Minczuk e tendo como solista o pianista Nelson Freire.

Theatro Municipal © Adriane Santi

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Júlia Lomba, Luis Vieira da Rocha e Carolina Werneck © Adriane Santi

 

Foi naquela plateia que realizei a importância da presença de um século de uma empresa no Brasil produzindo com qualidade, gerando empregos, apoiando projetos socioculturais, contou Luis Vieira da Rocha, Diretor Executivo dos Doutores da Alegria.

A Diretora de Talentos e Comunicação da White Martins, Cristina Fernandes, contou pra gente um pouco da trajetória da marca no país.

Sentimos uma enorme satisfação por termos construído, ao longo destes 100 anos, uma história marcada pelo empreendedorismo e pela inovação. A White Martins surgiu a partir de uma ideia inovadora: a construção da primeira fábrica de oxigênio do Brasil. Desde então, a empresa não mediu esforços para desenvolver soluções que contribuíssem para o aumento da produtividade e do desempenho ambiental de importantes segmentos da indústria nacional. Além de ter uma história fortemente ligada à industrialização do país, a empresa contribuiu ainda para o desenvolvimento social brasileiro. Os Doutores da Alegria trabalham para transformar a realidade em sua volta e nós nos identificamos fortemente com esta filosofia.

Há cerca de 30 anos a empresa tornou-se uma das primeiras a investir em responsabilidade social no Brasil e atualmente apoia e desenvolve 30 projetos sociais que beneficiam cerca de 230 mil pessoas. A ONG Doutores da Alegria é uma delas.

Cristina Fernandes © Adriane Santi

Temos um orgulho muito grande de ter a White Martins como nosso principal patrocinador – já faz parte da nossa história. Esperamos que esta harmonia perdure por muitos anos para juntos enfrentarmos os novos desafios que vêm pela frente. Obrigada a todos os colaboradores da White Martins no Brasil que trabalham em sintonia conosco, completa Eliana Junqueira, Coordenadora de Marketing da ONG.

Wellington Nogueira, fundador dos Doutores da Alegria, também mandou uma mensagem especial em homenagem aos 100 anos de atividades da empresa.

Gostamos de casamentos e de relações duradouras. É muito bonito quando você tem uma empresa do porte da White Martins com essa mesma filosofia – de fazer investimento em um trabalho do qual se possa acompanhar os desdobramentos e os frutos. Você une forças, e a força que temos é a do conhecimento dessa tecnologia [social]. A White Martins atua no local em que atuamos, que são os hospitais, e faz o investimento financeiro para que possamos viabilizar nosso trabalho. E quando apresentamos os resultados, eles vêm e falam: “Ok, vamos continuar”. Quer dizer, você constrói uma continuidade; você pode planejar, pode sonhar, pode ousar

Você também pode gostar:

À sua 15a. edição

Tempo de leitura: 1 minuto(s)

“Nasceu da vontade expressa de um público de se aproximar da arte do palhaço sem querer se tornar palhaço. Um misto de curiosidade com muita vontade de se jogar em algo novo, e também certo receio, já que pertencem a outras áreas profissionais que não a artística. Será que eu posso?”

Será que eu posso?

Thais Ferrara, palhaça dos Doutores da Alegria desde 1993, criou o curso Palhaço para curiosos, campeão de inscrições da nossa Escola. O curso está com inscrições abertas (aqui!) e é indicado para o público em geral que tem curiosidade sobre o palhaço, mas não necessariamente deseja se tornar um. E ninguém melhor que a Thais pra falar sobre a metodologia do curso!

“O Curiosos surgiu em março de 2008… E lá vamos nós para a 15a. edição! Descobrimos que matar a curiosidade é um bom pretexto para colocar o pé num primeiro estágio desse universo intenso que é o palhaço, nem sempre colorido, engraçado, mas também inusitado, diferente. Expectativas e julgamentos devem ser deixados do lado de fora. Viver o presente, simples assim.

O curso cria um espaço que abriga as limitações que nunca têm lugar. Acorda um lado que nossa educação faz dormir. Junta pessoas dispostas a jogar sem precisar ganhar e convivem com o que está por vir. Uma coisa é aquilo que usufruímos da graça do palhaço, a outra é experimentar como se constrói a graça.”

A ideia do curso é se divertir

Uma dupla de formadores (a própria Thais e, nesta edição, a também palhaça Luciana Viacava) coordena as vivências, o que reforça um valor importante que rege o trabalho dos palhaços nos hospitais: a parceria.”

Veja mais informações sobre o curso e faça a sua inscrição clicando aqui.